Sítio de Atibaia: Moro não quer saber se ex-cozinheira e filho de 8 anos foram coagidos por MPF

O magistrado de Curitiba disse que é “desnecessário” saber as “condições” que o depoimento foi tomado. Neste caso, se houve ou não coação com menor.

Via Jornal GGN em 30/6/2018

Após duvidar da coerção dos delegados da Polícia Federal e dos procuradores da República da Lava-Jato contra uma testemunha, ex-cozinheira do sítio de Atibaia, e seu filho de 8 anos, o juiz Sérgio Moro agora negou sequer ouvir a própria testemunha.

Conforme divulgou o GGN, a força-tarefa da Lava-Jato ficou sob a suspeita de ter forçado uma mulher a prestar depoimento fora de sua residência, sendo levada ao sítio de Atibaia para dar declarações aos investigadores, acompanhada de seu filho de 8 anos de idade. A criança hoje faz tratamento psicológico pelo trauma.

Foi o esposo da ex-cozinheira Rosilene da Luz Ferreira, o eletricista Lietides Pereira Vieira, que ressuscitou a denúncia da coerção, ocorrido ainda naquele 4 de março de 2016, na última semana. “Meu filho faz tratamento psicológico com a pediatra e psicológica até hoje, porque ele ficou muito tenso”, havia relatado.

Mas Moro levou em consideração, e na mesma audiência com o eletricista disse que lhe causava “um pouco de surpresa que esse assunto venha à tona de surpresa durante uma audiência e nunca tenha sido trazida ao juízo anteriormente”, acompanhando o posicionamento do MPF, que a Moro havia justificado que “ele – o menor – poderia ter permanecido junto com o esposo ou companheiro, por decisão exclusiva de seus genitores”.

Mas a dúvida de Sérgio Moro não foi nem sequer sanada, porque o magistrado de Curitiba apenas seguiu com as apurações que recaem contra o ex-presidente Lula e Fernando Bittar, o dono do sítio de Atibaia, e na sexta-feira, dia 29/6, negou ouvir o outro lado, Rosilene.

A defesa de Bittar quis levar a cabo a apuração de que houve “abuso” na coleta da testemunha por parte do MPF, tomado de maneira ilegal e com coação. Para Moro, na decisão tomada ontem, não importa “as circunstâncias nas quais foi tomado” o depoimento da ex-cozinheira, apenas o que ela informou às autoridades na ocasião.

“No que se refere à Rosilene da Luz Ferreira, o depoimento está gravado e juntado no inquérito, então desnecessário ouvi-la para saber as circunstâncias nas quais foi tomado”, decidiu o juiz do Paraná.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: