O Datafolha e a verdade factual que une Ciro, Marina e Bolsonaro

Carlos Fernandes, via DCM em 10/6/2018

A pesquisa Datafolha recém-divulgada confirma: Lula é imbatível.

Pelos números, não existe candidato no Brasil capaz de tirar do ex-presidente o protagonismo nessa eleição. Lula é, inquestionavelmente, o candidato e o eleitor mais importante desse país.

Disparado na frente com 30% das intenções de voto, o petista ganha com um pé nas costas qualquer candidato no primeiro e no 2º turno.

Sua ausência, por sinal, nunca se fez tão presente.

Ainda segundo a pesquisa, 30% dos eleitores dizem votar, com certeza, no candidato apoiado por ele. Outros 17% dizem que talvez o fariam. É um fenômeno. Quem, no mundo, possui tanto poder e carisma?

Mesmo que venha a se confirmar o seu impedimento, esse percentual garante o seu escolhido no 2º turno.

É o que revela a análise fria dos números.

Não se justifica, portanto, o temor alardeado por setores da esquerda de que a “insistência” do PT em ter candidato próprio resultaria num 2º turno com candidatos da direita.

Mais do que uma falácia, é uma covardia.

Aliás, vítima de um golpe escandaloso, nenhum partido no país tem hoje mais direito de ter candidato próprio do que o PT.

Chega a ser um dever perante os 54 milhões de brasileiros que tiveram seus votos rasgados em praça pública por uma quadrilha de bandidos.

Defender a retirada do PT do pleito é referendar o golpe. É uma traição ideológica que o futuro próximo julgará.

Até porque é justamente nessa esteira de pensamento que se ancoram os principais adversários de Lula.

Mais do que a hegemonia do ex-presidente, o que a pesquisa desnuda é a “necessidade” dos demais candidatos de que uma injustiça se perpetue até, pelo menos, à eleição.

Está claro, não existe viabilidade prática de nenhuma outra candidatura com Lula livre e legalmente possibilitado de se candidatar.

Para que as pretensões dos adversários do petista tenham alguma possibilidade de êxito, não importa o que digam, passam inevitavelmente pelo fato de que Lula continue preso e incomunicável ilegalmente.

É um paradoxo terrível.

Por mais “democratas” que se vendam. Seja qual for o candidato, não será eleito sem que uma injustiça cruel se perpetue.

Isso explica o porquê de nenhum dos principais postulantes não defender com ênfase a necessidade de Lula ser libertado e poder exercer o seu direito constitucional de ser avaliado perante ao mais justo, amplo e pleno tribunal da democracia: a eleição.

Isso é o que une Ciro, Marina e Bolsonaro.

Se qualquer um deles for eleito, sua gestão deverá ser atribuída à mais escandalosa trama já vista na história republicana desse país.

Cabe a todos nós, democratas e progressistas, evitar uma excrescência dessas.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: