“É como se o Brasil já tivesse eliminado”, resume Kotscho sobre a seleção

TIME DE TITE NADA TEM A VER COM O POBRE FUTEBOL BRASILEIRO
Ricardo Kotscho em 9/6/2018

Por que as pessoas não estão dando a menor bola para a Copa do Mundo que começa na semana que vem?

Na Áustria, torcedores brasileiros passaram o dia na sexta-feira em frente ao hotel em Viena, onde a seleção ficaria hospedada para o amistoso de domingo, o último antes da bola rolar na Rússia.

Queriam apenas ver e saudar os jogadores do seu país, mas se decepcionaram. A delegação entrou pela porta dos fundos do hotel e ninguém mais pode ser visto.

Esta cena triste de desprezo pela torcida registrada pela equipe do Esporte Interativo resume bem o distanciamento existente entre a torcida e a sua seleção.

Às vésperas do início da Copa, o clima no país é de frieza e desinteresse, como se o Brasil tivesse sido eliminado e não fosse um dos favoritos para a conquista do título.

O motivo é simples: dos 23 jogadores do elenco, apenas três atuam em times brasileiros.

A seleção de “estrangeiros” virou o “time do Tite”, nada mais tem a ver com o pobre futebol brasileiro. Não há mais identificação entre a arquibancada e o gramado.

Muitos desses jogadores foram embora do Brasil ainda meninos, acabou a rivalidade entre as grandes torcidas para ver quem cedia mais jogadores à seleção.

A disputa não é mais entre Santos e Botafogo, São Paulo, Palmeiras e Corinthians, Cruzeiro e Atlético, Grêmio e Inter, mas entre o Manchester City, que cedeu quatro jogadores, e o Paris Saint Germain, com três.

Na Europa, onde joga a maioria, os times trocam muitos passes, mas sempre para a frente, num ritmo alucinante, sempre em busca do gol adversário.

Aqui, também trocam muitos passes, mas em seu campo de defesa, tocando para o lado ou para trás num jogo de tico-tico (não confundir com o tiki-taka de Guardiola), que nivela grandes times com pequenos, craques com pernas de pau.

Na Europa, quando fazem um gol, os times continuam no ataque para marcar o segundo, o terceiro, quantos der.

Aqui, quando conseguem marcar um golzinho, logo recuam todo mundo para garantir o resultado até levar o empate.

O time de Tite, que só herdou da seleção canarinho a camisa, procura jogar como os europeus. Em quase nada lembra o futebolzinho burocrático e chato que vemos no Brasileirão.

Pode ser que tudo mude com as primeiras vitórias na Rússia, mas o encanto se quebrou quando o Brasil passou a ser um exportador de pé-de-obra, sob o comando dos cartolas da CBF, a Casa Bandida do Futebol, na perfeita definição do Juca Kfouri.

O sonho dos jovens craques que ainda aparecem não é mais chegar à seleção brasileira, mas jogar na Europa.

A pátria de chuteiras virou a pátria da grana preta, do leva vantagem em tudo, e não só em Brasília.

Quase não se vê torcedores com a camisa da seleção nas ruas, confundida que foi com a dos patos amarelos.

O futebol tornou-se um grande negócio para poucos e a seleção brasileira é apenas um reflexo do desmonte do país.

Por enquanto, a Copa do Mundo 2018 é uma grande festa somente nos intervalos comerciais da TV.

Vida que segue.

***

“NÃO DÁ PARA VESTIR A CAMISA DA SELEÇÃO, QUE VIROU SÍMBOLO DE UMA MASSA DE MANOBRA COMANDADA POR GOLPISTAS”, MARCELO PAIVA PARA ÉPOCA
Lido no DCM em 10/6/2018

Depois do impeachment, o escritor Marcelo Rubens Paiva jogou fora as duas camisas que tinha da Seleção, uma amarela e a outra azul. Ainda não decidiu, mas é provável que torça com a camisa do Corinthians. “Não dá para vestir a camisa da Seleção, que virou símbolo de uma massa de manobra comandada por golpistas”, afirmou. O perfil dos atuais jogadores não contribui para que mude de posição. “São despolitizados. Não estão nem aí com a situação do país. Gostam de andar de helicóptero. Esta é a Seleção Ostentação.”

O uso do uniforme da Seleção pelos “coxinhas”, alcunha utilizada pela esquerda, não é o único motivo das resistências à camisa. As acusações de recebimento de propina contra Ricardo Teixeira, a prisão do ex-presidente da CBF José Maria Marin nos Estados Unidos e o banimento de Marco Polo Del Nero do futebol, ordenado pela Fifa, reforçam o repúdio ao escudo da entidade máxima do futebol brasileiro.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: