Quem é Ivan Monteiro, novo presidente da Petrobras

Monteiro foi trazido por Bendine à Petrobras e resistiu a sua saída.

Executivo fez carreira no Banco do Brasil, chegou à estatal com Bendine e geria o programa de venda de ativos da gestão Parente.

Via CartaCapital em 1º/6/2018

Em pronunciamento, Michel Temer confirmou Ivan Monteiro como novo presidente da Petrobras. Indicado pelo conselho de administração da companhia, o ex-diretor financeiro da estatal é bem visto pelo ‘mercado’, assim como era seu antecessor, Pedro Parente.

Monteiro foi subordinado do ex-ministro de Fernando Henrique Cardoso, que pediu demissão da estatal nesta sexta-feira, dia 1º/6, após pressões por sua saída em meio à greve dos caminhoneiros.

Desde o início do movimento, em 21 de abril, Parente passou a ser criticado por integrantes da base do governo e da oposição por sua política de preços que impõe ao mercado interno a flutuação da cotação internacional dos combustíveis, que disparou nos últimos meses. Petroleiros em greve também defenderam sua demissão.

Relatos da mídia indicam que Monteiro apenas aceitaria o cargo se o governo garantisse não interferir na estratégia atual da empresa. No pronunciamento, Temer falou que não haverá qualquer interferência na política de preços da companhia.

O próprio Parente já recuara da política de preços original, ao conceder um desconto no diesel e passar a corrigir os valores mensalmente, e não mais diariamente. Dentro do governo, havia pressão para que houvesse menos intransigência na definição dos preços. Titular de Minas e Energia, Moreira Franco teria sido um dos que pediram recuos na política.

Independentemente do caminho a ser seguido, Ivan Monteiro demonstra resistir a mudanças profundas. Na Petrobras desde 2015, ele foi convidado por Parente a permanecer no cargo após o impeachment de Dilma Rousseff e tornou-se seu braço-direito ao comandar o programa de venda de ativos da estatal.

Engenheiro de formação, Monteiro fez carreira no Banco do Brasil. Em 2009, chegou à vice-presidência de Finanças, Mercado de Capitais e Relações com Investidores da instituição.

Ele foi nomeado pelo então presidente do BB, Aldemir Bendine, que também o levaria para a Petrobras em 2015 ao assumir o comando da estatal de petróleo. No banco, Monteiro foi celebrado por uma reestruturação societária que envolveu operações bem-sucedidas e trouxeram capital para a instituição. Ele também teve papel no resgate do Banco Votorantim, que envolveu o corte de 40% dos funcionários.

Bem visto pelo “mercado”, Monteiro era elogiado pelos agentes financeiros até quando seu chefe era criticado. À época da nomeação de Bendine para o comando da Petrobras, o mercado reagiu negativamente ao nome escolhido por Dilma Rousseff, mas elogiou a indicação de Monteiro para a diretoria financeira da estatal.

Bendine foi preso, suspeito de receber R$3 milhões da Odebrecht em troca de favores à empreiteira em contratos com a Petrobras. Ele nega a acusação. Monteiro não teve seu nome envolvido no esquema.

O novo presidente da estatal resistiu à queda de Bendine e ficou no cargo a convite de Parente. Sob a gestão ex-ministro de FHC, Monteiro perseguia uma meta de desinvestimentos na Petrobras de US$21 bilhões para o biênio 2017-2018. No início do ano passado, ele afirmou que a empresa tinha uma carteira de ativos de R$42 bilhões que podiam ser vendidos.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: