Acordo custará R$5 bilhões: Você pagará a conta do diesel mais barato para caminhoneiros

Eles querem o fim da Petrobras. A quem interessa isso?

Governo terá de cortar despesas para bancar custo da Petrobras de reduzir preço do diesel.

Via Folha on-line em 24/5/2018

O governo cedeu mais uma vez à pressão dos caminhoneiros e decidiu fechar um acordo que custará aos cofres da União, segundo estimativas da área econômica, cerca de R$5 bilhões para garantir que os reajustes de preços do diesel sejam mensais e não diários até o final deste ano.

Inicialmente, os caminhoneiros não aceitaram a proposta do governo, que só pretendia zerar a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) sobre o diesel.

Com o avanço dos protestos, que comprometeram a distribuição de mercadorias e combustíveis no país, a Petrobras anunciou, na quarta-feira, dia 23/5, descontos de 10% no diesel nas refinarias por 15 dias para dar tempo ao governo negociar com o setor.

Isso não foi suficiente para atender ao principal pedido dos caminheiros: a previsibilidade dos reajustes de preços. O acordo só saiu quando o governo cedeu e se comprometeu a garantir descontos de 10% por mais 15 dias – que custarão R$350 milhões – e assumiu subsidiar a Petrobras, que passará a fazer reajustes mensais em vez de repassar as variações de preço diariamente para as refinarias, como funciona hoje. Esse arranjo deve vigorar até o final deste ano.

O acordo não significa que o movimento será interrompido em sua totalidade já a partir de sexta-feira, dia 25/5. Uma fração dos representantes da categoria, não subscreveu o documento do governo.

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou que o acordo não compromete a autonomia da Petrobras em definir sua política de preço.

***

PREÇO DO DIESEL HOJE SE EQUIPARA AO DA ÉPOCA DO PETRÓLEO A US$140,00
Via Folha on-line em 24/5/2018

O preço do diesel cobrado hoje do consumidor no país, em torno de R$3,518, remonta a valores de 2008, quando o petróleo explodiu.

Em agosto daquele ano, o petróleo batia o recorde de US$140 o barril e o diesel chegou a R$3,685, em valores corrigidos pela inflação.

Levantamento da Folha mostra que o preço do diesel de abril passado é o segundo mais alto dos últimos nove anos da série histórica da Agência Nacional do Petróleo.

Enquanto nesse período o preço do petróleo caiu (hoje está em torno dos US$80 por barril), a carga tributária federal disparou, ganhando peso maior dentro do preço final de venda para o consumidor e abocanhando parte do ganho que deveria ser repassado ao consumidor.

De acordo com relatório mensal sobre o preço dos combustíveis do Ministério de Minas e Energia (MME), a parcela referente aos tributos federais cresceu 56,6% entre agosto de 2008 e abril de 2018.

A tributação sobre o consumo de combustível é uma importante fonte de renda governamental. Em média, o Brasil arrecada em torno de R$20 bilhões por ano com os tributos federais sobre derivados de petróleo.

[…]

***

AÇÕES DA PETROBRAS DESABAM 14% E ESTATAL PERDE R$47 BILHÕES EM VALOR DE MERCADO
Via Reuters em 24/5/2018

As ações da Petrobras desabavam mais de 10% na bolsa brasileira nesta quinta-feira, com a perda de valor de mercado alcançando cerca de R$47 bilhões, em meio à reação negativa de investidores após a companhia reduzir o preço do diesel em razão dos protestos dos caminhoneiros.

Às 13:25, as preferenciais da petrolífera de controle estatal caíam 14,5%, a R$19,90; e os papéis ordinários perdiam 14%, a R$23,34. No mesmo horário, o Ibovespa recuava 1,7%.

Considerando essas cotações, a perda de valor de mercado da companhia somava R$47,2 bilhões, para R$285,2 bilhões. Se os papéis fecharem nesse patamar, a Petrobras deixa de liderar o ranking de valor de mercado da bolsa, com a Ambev recuperando o posto, com valor de R$317 bilhões.

Na véspera, a Petrobras anunciou redução em 10% no valor do diesel nas refinarias a partir de quinta-feira, dia 24/5, em uma decisão “excepcional” devido aos protestos dos caminhoneiros, que deve resultar em perda de R$350 milhões em receita para a companhia.

Leia também:
Os patrões estão apoiando a greve dos caminhoneiros?
Apoiadores de Bolsonaro pediram apoio nas redes à greve dos caminhoneiros e patrões
Locaute: Greve dos caminhoneiros ganha força com ajuda dos patrões
Temer, a Petrobras e os caminhoneiros
Após pedirem “Fora, Dilma”, caminhoneiros tiveram seus desejos atendidos
Petrobras cada vez mais norte-americana
Alta dos combustíveis é fruto da política de desmonte da Petrobras no governo Temer
Brasil tem a 2ª gasolina mais cara do mundo; com Dilma era a 39ª
Afrânio Silva Jardim: Por que os progressistas não devem apoiar a “greve” dos caminhoneiros

Uma resposta to “Acordo custará R$5 bilhões: Você pagará a conta do diesel mais barato para caminhoneiros”

  1. heloizahelenapiasblog Says:

    ss ações preferenciais cairam muito, n seremos nós e iremospagar os rombos e roubos deles,queremos paz e muita paz entre os nossos irmãos caminhoneiros e eles possam ter um futuro muito melhor do q hoje, badsta n aceitar as proposta errôneas q este temer q propor a eles, primeiro façam valer as ordens e n intimidando com tropasd nas ruas, tropas q ele deveria fazer em outras oportunidades. ________________________________________

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: