FHC, o fazendeiro: De Buritis a Botucatu, saiba por que Jovelino Mineiro é o braço agrário da família Cardoso

FHC com Carmo e Jovelino Mineiro.

Alceu Luís Castilho, via DCM em 23/5/2018

A série de livros Diários da Presidência mostra Fernando Henrique Cardoso recebendo inúmeras vezes o casal Jovelino Carvalho Mineiro Filho e Maria do Carmo de Abreu Sodré. Ele os chama simplesmente de Nê e Carmo. Jovelino é mais do que um amigo. Antigo sócio de FHC na fazenda em Buritis (MG), vendida em 2003, ele também teve um protagonismo na escolha das propriedades rurais em Botucatu (SP) – parte delas desapropriadas, em abril, pela prefeitura.

Jovelino Mineiro participou de várias reuniões políticas com o presidente da República. No dia 16 de agosto de 1996, foi jantar com ele na casa da governadora do Maranhão, Roseana Sarney (à época no PFL). “Bons vinhos, bom peixe”, narra FHC em seu diário. José Sarney puxou FHC em um canto para falar de reeleição. Em 1996, ele e Fernando Henrique receberam Emílio Odebrecht no Palácio da Alvorada: “FHC, o Fazendeiro – Empresa de Emílio Odebrecht e Jovelino Mineiro, Recepta Biopharma tem BNDESpar e Finep como sócias“.

A intimidade é grande. No dia 2 de julho de 1995. FHC foi para a fazenda em Minas e encontrou “o Nê, nada de extraordinário”. Sempre conforme a narrativa do ex-presidente (ele não escreveu os depoimentos, gravou), ele descreveu um domingo tranquilo no primeiro dia de dezembro de 1996, após Jovelino Mineiro e Maria do Carmo dormirem no Palácio da Alvorada. “Passamos a manhã nadando um pouco, tudo muito plácido. Almoçamos só nós, a Ruth, eu, a Carmo, e o Nê”.

De administrador da fazenda a sócio
De quebra, o pecuarista administrava a fazenda de criação de gado em Buritis, a Córrego da Ponte, inicialmente uma sociedade entre Fernando Henrique e o então ministro das Comunicações, Sérgio Motta. “Eu não tenho, na verdade, nenhuma ingerência na fazenda”, dizia FHC em agosto de 1996. “Aquilo, hoje, é praticamente conduzido pelo Sérgio e pelo Jovelino”.

Jovelino Mineiro se confirma como eminência agrária de Fernando Henrique ao se tornar sócio da Agropecuária Córrego da Ponte, em 1998, após a morte de Sérgio Motta. A parte de Fernando Henrique foi transferida para Beatriz e Luciana, que se tornou administradora. A fazenda em Minas preocupava o presidente por causa das manifestações de sem-terra. Saiba mais: “FHC, o Fazendeiro – Em Buritis (MG), Fernando Henrique criou gado e despejou MST com Exército“.

A relação próxima entre o empresário e a família FHC começou em Paris. Formado em sociologia pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, Jovelino Mineiro cursava o mestrado na Sorbonne quando se tornou amigo de Paulo Henrique Cardoso. Depois foi a vez do pai. O ex-presidente falou vagamente sobre o assunto ao Valor: “Ele assistiu umas aulas minhas na década de 1970, creio”.

Forte atuação política, embora FHC negue
Essa reportagem do Valor é o perfil mais completo já publicado sobre o empresário, formado também em Economia pela Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP), filho e neto de fazendeiros. Nos anos 80 ele foi assessor do governador Franco Montoro, mas decidiu retornar ao campo, quando a mulher Maria do Carmo herdou as terras do pai, Roberto de Abreu Sodré, ex-governador biônico de São Paulo.

Leia mais sobre o império agropecuário de Jovelino Mineiro aqui: “FHC, o Fazendeiro – De Buritis (MG) a Botucatu (SP), saiba por que Jovelino Mineiro é o braço agrário da família Cardoso“. Aqui: “FHC, o Fazendeiro – No famoso apartamento de Paris, o DNA da família Abreu Sodré“. E aqui: “FHC, o Fazendeiro – Antes de falir, Grupo Espírito Santo aliou-se a Jovelino Mineiro em Botucatu”.

Nessa mesma entrevista ao Valor, Fernando Henrique Cardoso disse que Jovelino Mineiro “funciona basicamente como líder rural”. “Tem mais uma atuação empresarial”. FHC despista: com forte representação no setor, o pecuarista conseguiu levar a Fundação FHC para o mesmo prédio da Sociedade Rural Brasileira: “FHC, o Fazendeiro – Fundação FHC fica no mesmo prédio – e não por acaso – que a Sociedade Rural Brasileira“.

Em 2013, Jovelino começou a costurar a aproximação do senador Aécio Neves (PSDB-MG) com lideranças do agronegócio. Ele recebeu o presidenciável e empresários em sua casa. Em 2015, era um dos participantes de cerimônia, em Nova Iorque, para os eleitos como “Homens do Ano” da American Chamber of Commerce. Os homenageados eram Bill Clinton e Fernando Henrique Cardoso.

Mesmo endereço para Jovelino e família FHC
Em 2012, em São Paulo, mesmo ano em que articulava as doações de empresários para a Fundação FHC, Jovelino Mineiro deu uma força na criação da Goytacazes Participações. inicialmente uma sociedade entre Fernando Henrique Cardoso e os três filhos, para atividades agropecuárias em Botucatu. O sociólogo entrou com somente 10% das cotas, mas como sócio-administrador.

O endereço da Goytacazes na Rua Deputado Emílio Carlos (números 690 e 708), em Osasco, é o da Contadata Contabilidade Ltda. Ela tem como clientes – entre outras empresas, como a Garoto e a Eurofarma – a Fundação Henrique Cardoso e a Fazendas Sant’Anna, de Jovelino Mineiro. A Rede Brasil Atual falou sobre a Goytacazes em 2015: “FHC tem agropecuária dentro de Osasco, cidade com área rural zero“.

FHC já foi dono das terras em Botucatu.

É nesse mesmo endereço em Osasco que Jovelino Mineiro declara as empresas C&J Serviços Empresariais e Participações Ltda. (C de Carmo, J de Jovelino), sociedade entre ele e Maria do Carmo Abreu Sodré, a Bemin Participações e a Ouro Preto Participações, ambas sociedades entre o pecuarista e o filho Bento Abreu Sodré de Carvalho Mineiro.

O principal dono da Contadata Contabilidade, Manoel Luiz Luciano Vieira, foi secretário-interino da Secretaria de Estado da Cultura, em São Paulo, e diretor-superintendente da Fundação Padre Anchieta, a mantenedora da TV Cultura. Jovelino Mineiro foi do Conselho Curador da fundação.

Onde se lê Osasco, leia-se Botucatu
A Ouro Preto Participações é, juridicamente, a sócia do empreiteiro Emílio Odebrecht na empresa Recepta Biopharma: “FHC, o Fazendeiro – Sócios em empresa, Emílio Odebrecht e Jovelino Mineiro já foram representados em assembleia pelo advogado de FHC“. A C&J tem uma filial em Pardinho (SP) – a Fazenda Bela Vista, na Rodovia Castelo Branco, onde Fernando Henrique Cardoso passou o réveillon de 2001: “FHC, o Fazendeiro – Vinte anos atrás, Fernando Henrique vendia touros em Rancharia (SP), na fazenda de Jovelino Mineiro“.

É o mesmo nome da empresa de genética bovina Central Bela Vista, vendida em 2011 ao grupo belga-holandês CRV, há um ano com nova sede na vizinha Botucatu. Também em 2011 foi fundada a filial da C&J em Pardinho, a Fazenda Bela Vista. A sede da Central Bela Vista faz divisa com as fazendas da família Cardoso em Botucatu, em nome da Goytacazes Participações.

Fernando Henrique Cardoso não é mais sócio da Goytacazes, que possui um capital social de R$5,7 milhões. De Olho nos Ruralistas revela, de forma inédita, quais são essas fazendas de Beatriz, Luciana e Paulo Henrique Cardoso, que moram em outros municípios, mas arrendam as terras em Botucatu: “FHC, o Fazendeiro – Fazenda da família de Fernando Henrique em Botucatu (SP) é um canavial sem casa e sem cercas“.

Leia também:
A história da incrível fazenda de US$20,00 de FHC, seu aeroporto e a beleza que ficou
Já pensou se fosse o Lula? FHC tem agropecuária dentro de Osasco, cidade com área rural zero
Coletânea de textos: A mídia como ela é… golpista e manipuladora

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: