Elsinho Mouco, o marqueteiro de Temer, inventa a “gafe-comunicação”

Mouco e Temer: há método na loucura.

A frase “O Brasil voltou, 20 anos em 2” é a mais nova pérola. É preciso uma estratégia para produzir tantos disparates.

Sergio Lirio, via CartaCapital em 15/5/2018

Começo a desconfiar da existência de uma estratégia ousada por trás das recorrentes gafes produzidas por Elsinho Mouco, o marqueteiro de Michel Temer, e sua equipe de comunicação. É preciso método para tantos disparates.

Eis a minha tese: diante da impossibilidade de conceber qualquer propaganda ou informação que empreste credibilidade ao governo e retire a popularidade de Temer do lamaçal (a última pesquisa CNT/MDA captou estrondosos 4% de apoio ao emedebista), Mouco recorre à chacota, ao escracho, em busca de alguma empatia com o público. Falem mal, mas falem de mim, prega o ditado.

Seria uma medida desesperada, concordo, mas o marqueteiro não tem nada a perder. Temer é o presidente mais impopular da história e poderia facilmente protagonizar a série “Todo mundo odeia o Chris”, que, por sinal, durou quatro temporadas (um mandato presidencial inteiro no Brasil). Como apregoava o deputado federal Tiririca em sua campanha, “pior do que está não fica”. Ou fica?

Adendo: essa tese tornou-se mais plausível após Temer conceder uma entrevista a uma “blogueira oficial” que invadiu seu gabinete e o “pegou de surpresa”, como os personagens que abrem as portas de casa para o apresentador Gugu Liberato e tem a emoção captada por cinegrafistas profissionais que já estavam lá dentro. Se a ideia era se aproximar do público jovem, bem… Mouco será obrigado a pensar em outro esquete.

Assista a seguir à blogada de Temer.

De caso pensado ou não, Mouco e sua equipe, temos de admitir, se esforçam. A mais recente pérola estava impressa no convite para a “celebração” de dois anos da tomada de poder por Temer, no qual se lia a brilhante frase: “O Brasil voltou, 20 anos em 2”.

Nem o mais ferrenho dilmista descreveria o período com tamanha precisão. No Twitter, o senador petista Lindbergh Farias foi ao ponto: “Se tirar a vírgula fica perfeito”. Há até quem aponte a modéstia dos marqueteiros: o retrocesso teria sido muito maior. Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, o slogan gerou uma crise na comunicação do Palácio do Planalto.

Por que só agora? Fazia algum sentido, por acaso, tentar converter em elogios ao governo o maroto conselho (“É preciso manter isso aí, viu?”) de Temer ao empresário Joesley Batista? Mouco esperava transformar água em vinho: a sugestão entre cúmplices pronunciada às escondidas viraria uma celebração da inexpressiva queda do desemprego e do raquítico crescimento do PIB no ano passado.

A realidade derrubou seus planos. Se havia pouco a comemorar, agora não existe nada. No primeiro trimestre de 2018, o índice de desocupados voltou a crescer e ultrapassou a barreira dos 13% (o Brasil tem o quarto pior percentual do mundo).

A indústria e o comércio patinam e o futuro da economia anda mais nebuloso do que o destino do emedebista após a perda do foro privilegiado. E os brasileiros, quando ouvem a frase, continuam a entende-la perfeitamente: tratou-se de aval para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, condenado por corrupção e parceiro do ex-vice-presidente decorativo na tramoia do impeachment e em outras empreitadas.

Meses antes, Temer quase enfrentou um processo do técnico Felipão por conta de outro insight de seu marqueteiro, que achou criativo recorrer a uma metáfora futebolística: o emedebista seria Tite, enquanto Dilma Rousseff se compararia a Felipão, treinador da Seleção Brasileira na derrota de 7 a 1 para a Alemanha na semifinal da Copa de 2014. A ameaça de ação judicial e a péssima repercussão da tirada obrigaram Mouco a recolher o time de campo.

Tem mais. O marqueteiro demonstrou seu profundo conhecimento das redes sociais a sugerir “mudar esse algoritmo” depois de sua equipe detectar uma onda de “vomitaços” no Facebook dirigidos a Temer. Segundo Mouco, a internet havia sido invadida por petistas. É óbvio, só podem ser simpatizantes do PT os quase 80% de brasileiros que consideram o governo “ruim” ou “péssimo” e que tem náuseas ao ouvir o nome do emedebista.

Nunca entendi o motivo de Temer, tão habilidoso na auto-sabotagem, precisar de uma equipe inteira e remunerada para diariamente imaginar formas de piorar a sua imagem. Quem necessita de um marqueteiro se é capaz de, num impulso, entregar ao vivo uma nota de R$50,00 a Sílvio Santos, dono do SBT, após este defender fervorosamente a Reforma da Previdência? Em um só gesto, produziu-se a mais perfeita alegoria da maciça distribuição de verbas publicitárias do governo para comprar a opinião dos meios de comunicação a favor das reformas.

Qual a função de Mouco se Temer foi capaz de saudar efusivamente os jornalistas que participaram no Palácio do Planalto de um simulacro de entrevista durante o programa Roda Viva, da TV Cultura (“Cumprimento vocês por mais essa propaganda”)?

E quem teria imaginado, a não ser o próprio, o marcante pronunciamento no Dia Internacional da Mulher, quando, ao lado da esposa, Marcela Temer, acentuou a contribuição feminina à economia: “Ninguém é mais capaz de indicar os desajustes, por exemplo, de preços em supermercados do que a mulher. Ninguém é capaz de identificar melhor eventuais flutuações econômicas do que a mulher, pelo orçamento doméstico.” As senhoras de Santana, enfim representadas, não contiveram as lágrimas.

Obviamente, como tudo indica, posso estar redondamente enganado e Elsinho Mouco não possui uma estratégia de marketing arriscada e incompreendida. Talvez simplesmente não tenha a mínima noção do que fazer. Neste caso, só resta uma explicação: um desejo recôndito, freudiano, irrefreável, de confissão, do tipo que acomete assassinos passionais, crianças que comem doce fora da hora e certos golpistas.

Leia também:
O abraço do afogado é o novo marketing de Temer
Depois de o “Brasil voltou, 20 anos em 2” virar piada, governo muda o mote

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: