Desembargador vê “inúmeros indícios” de elo do tucano Fernando Capez na máfia da merenda

Por 12 votos a 9, Fernando Capez, deputado federal pelo PSDB virou réu no processo do caso conhecido com a máfia da merenda, acusado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Via Agência Estado em 11/05/2018

Em voto que contribuiu para pôr o ex-presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo Fernando Capez (PSDB) no banco dos réus pela Máfia da Merenda, o desembargador Márcio Bártoli afirma ver “inúmeros indícios de participação” do tucano em suposta corrupção passiva e lavagem de dinheiro pela qual foi denunciado. Por 12 a 9, os magistrados do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiram receber a acusação.

Na sessão de 4 de abril, a denúncia foi rejeitada pelo relator, desembargador Sérgio Rui da Fonseca, que alegou não ter encontrado “elemento mínimo” para abertura de ação penal contra o ex-presidente da Assembleia Legislativa. O julgamento foi interrompido a partir de pedido de vista do desembargador Márcio Bártoli. Na quarta-feira, dia 9/5, Bártoli votou pela abertura do processo.

O colegiado é formado por 25 desembargadores, sob presidência do mandatário do TJ, Manoel Pereira Calças. Votaram 21 magistrados.

Para Bartoli, “embora o volume dos autos, por si só, nada indique quanto aos elementos coligidos durante a investigação, os inúmeros elementos informativos amealhados demandam, por óbvio, cuidadosa e detida análise, sobretudo diante da seriedade dos fatos narrados na inicial acusatória, firmada pela autoridade maior do Ministério Público do Estado de São Paulo”.

“E, após me aprofundar na análise dos autos, cheguei à conclusão diversa do E. Relator: julgo serem inúmeros os indícios de autoria que apontam para a participação de Fernando Capez nos fatos descritos na denúncia, sendo igualmente significativa a prova da materialidade dos delitos imputados”, afirmou.

O desembargador enumerou os indícios contra o tucano, como cheques da Cooperativa Agrícola Familiar pivô da Máfia da Merenda emitidos a seus assessores, além da explosão de dinheiro vivo nas contas de ambos, Jeter Rodrigues Pereira e Merivaldo dos Santos.

“Esses elementos, conjugados com os gráficos de fls. 5050 e 5126, evidenciam, com relação a Jeter e Merivaldo, respectivamente, anômalas movimentações financeiras para o ano de 2015, e fornecem, juntamente aos elementos documentais produzidos, materialidade ao delito de lavagem de dinheiro descrito, conforme a narrativa da inicial”, afirmou.

Também destacou os contatos telefônicos entre investigados à época dos fatos narrados na denúncia.

Na ação, o procurador Gianpaolo Poggio Smanio cobra R$2.279.857,00 o valor equivale ao dobro da propina que teria sido destinada a Capez, a lobistas e a um representante comercial da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), sediada no município de Bebedouro (SP) e apontada como o carro-chefe das fraudes.

A denúncia afirma que a propina a Capez, as comissões repassadas a lobistas da Máfia da Merenda e ao representante comercial da Coaf “alcançaram ao menos o patamar de 10% do valor dos contratos administrativos R$11.399.285,00 celebrados entre a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e a Cooperativa”.

Defesas
O criminalista Alberto Zacharias Toron, que Defende Capez, divulgou a seguinte nota na quarta-feira, dia 9/5, após o Tribunal de Justiça de São Paulo colocar o deputado no banco dos réus da Máfia da Merenda:

“A decisão teve escassa maioria e com nomes de muita importância no Judiciário paulista como o do corregedor-geral, o vice-presidente e o decano do Tribunal, que foram pela rejeição da denúncia. O placar foi muito apertado e vamos aguardar a publicação do acordão para tomar as medidas cabíveis. O deputado discorda da decisão, mas a recebe com muito respeito. Nós vamos recorrer da decisão”.

Leia também:
Operação Prato Feito mostra esquema dos governos tucanos no escândalo da merenda
Contratada por Dória, empresa que proíbe repetição de merenda é investigada pela PF
Alckmin, o Santo da Odebrecht, vai processar quem o chamou de ladrão da merenda
Blindagem: Relator da CPI vai livrar Capez de cassação no caso da “máfia da merenda”
Máfia da Merenda: Delator pagou propina dentro da Alesp
No grampo, alvo da Máfia da Merenda diz que Russomanno é “novo parceiro”
CPI da Merenda: 8 dos 9 denunciados são da base de Alckmin
Gestão Alckmin: Estudantes mantêm ocupação da Assembleia paulista para exigir CPI da merenda
Alckmin nomeia investigado na Máfia da Merenda para cargo público
Sob proteção da mídia, máfia da merenda paulista segue impune
Acusado de obstruir investigação da máfia da merenda, chefe de gabinete de Capez é promovido

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: