Com sangue nas mãos, Globo usa documento da CIA para dizer que golpe de 2016 não foi golpe

Kiko Nogueira, via DCM em 12/5/2018

O Globo perpetrou um editorial canalha sobre o documento da CIA confirmando que Geisel controlava a política de extermínio de seu governo.

“Para as gerações mais novas, fica o ensinamento de como funciona um verdadeiro regime de exceção, instalado a partir de um golpe real, como foi o de 64, impondo uma ditadura radicalizada em 13 de dezembro de 1968, com a edição do Ato Institucional nº 5, o AI-5”, diz o texto.

“É oportuno este tema, resgatado pela descoberta do memorando, devido à facilidade e ligeireza com que se acusa a cassação de Dilma Rousseff de ‘golpe’ e se afirma viver o país um ciclo de ilegalidades, a principal delas a prisão do ex-presidente Lula. Credite-se esses desatinos à paixão política e ideológica, mas também à falta de informação histórica”.

Segue:

Revisitar aqueles tempos de escuridão ensina que nada existe no Brasil, a partir da Constituição de 88, que permita ao Estado sequestrar, executar cidadãos e cercear as liberdades em geral. Há imperfeições, é certo, mas as instituições funcionam, e o estado democrático de direito vigora.
É crucial ter consciência das diferenças em relação àquele passado, também para a sociedade poder rejeitar qualquer proposta autoritária que venha da direita ou da esquerda.

Golpe, portanto, só existe se houver torturas, “desaparecimentos” e soldados. Quando há juízes e jucás como protagonistas, é parte das regras do jogo.

A Globo usa um golpe que promoveu e que agora finge repudiar para afirmar que o outro golpe que promoveu não existiu.

Nem uma palavra acerca de seu papel na história.

Sem Roberto Marinho, a ditadura não teria durado 21 anos. A Globo deu sustentação, apoio, fez propaganda do Brasil Grande com Amaral Netto.

A TV nasceu em 1965 e cresceu à sombra dos generais. Armando Falcão, ex-ministro da Justiça, se referia a Roberto Marinho como o “mais fiel e constante aliado”.

Em relatórios do Departamento de Estado norte-americano, o ex-embaixador dos EUA, Lincoln Gordon, fala da interlocução privilegiada do dono da Globo com as lideranças do regime.

Segundo Gordon, Marinho estava “trabalhando silenciosamente” ao lado de um grupo composto por Geisel e Golbery discutindo o futuro de Castello Branco.

A decretação do AI-5, em 1968, foi comemorada. Em 7 de outubro de 1984, o “doutor” Roberto publicou em seu jornal um artigo exaltando o legado dos amigos.

“Participamos da Revolução de 1964, identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, ameaçadas pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada”, escreveu.

Marinho também apelava para as instituições, como seus descendentes o fariam três décadas depois.

A fortuna da família é obra e graça daqueles ditadores que cultivou e ordenhou.

Como disse o jornalista Glenn Greenwald, “o dinheiro dos Marinhos – hoje – está encharcado do sangue das vítimas”.

Leia também
Coletânea de textos: O que você precisa saber para não ter saudade da ditadura civil-militar
CIA, Globo, ditadores e genocidas
Documentos indicam que Roberto Marinho foi um dos principais articuladores da ditadura militar no Brasil
A Globo e a ditadura militar, segundo Walter Clark
Conheça dez histórias de corrupção durante a ditadura militar
Vídeo: “Donos da Globo são filhotes do Império”, afirma Hugo Chavez
O poder corrupto da TV Globo

2 Respostas to “Com sangue nas mãos, Globo usa documento da CIA para dizer que golpe de 2016 não foi golpe”

  1. COPACABANA EM FOCO Says:

    Muito bem lembrado do programa “Brasil Grande” com Amaral Netto que sobrevoava em um helicóptero as entranhas das regiões do Norte e Nordeste para mostrar um Brasil em sua pequinês. Um outro, que era a própria reencarnação do ultra-direitista, o ex-Governador Carlos Lacerda, o apresentador Flávio Cavalcanti. Odiava todos eles. A única tristeza que tenho é que tanto o Brizola e o João Goulart deveriam ter resistido à luta até a morte, enquanto, o tal Coronel Mourão estava a procura de aliados. Pois, a juventude da época, lutava pela sua sobrevivência. Todos ficaram órfãos e foram martirizados por um Brazil que abandonou todos eles. Aos que lutaram contra o Imperialismo americano e a ditadura civil-militar, PRESENTE!!!

  2. COPACABANA EM FOCO Says:

    Muito bem lembrado do programa “Brasil Grande” com Amaral Netto que sobrevoava em um helicóptero as entranhas das regiões do Norte e Nordeste para mostrar um Brasil em sua pequinês. Um outro, que era a própria reencarnação do ultra-direitista, o ex-Governador Carlos Lacerda. Odiava os dois. A única tristeza que tenho é que tanto o Brizola e o João Goulart deveriam ter resistido à luta até a morte, enquanto, o tal Coronel Mourão estava a procura de aliados. Pois, a juventude da época, lutava pela sua sobrevivência. Todos ficaram órfãos de um Brasil que abandonou todos eles.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: