Documentos indicam que Roberto Marinho foi um dos principais articuladores da ditadura militar no Brasil

Arquivos do Departamento de Estado norte-americano mostram participação dele em decisões importantes ao lado dos líderes militares.

Via Portal R7 em 19/2/2015

Um texto publicado no site JusBrasil revela o teor de documentos do Departamento de Estado norte-americano durante a ditadura militar. Os documentos mostram como o jornalista e empresário Roberto Marinho (1904-2003), fundador da Rede Globo, atuava como um dos principais articuladores da Ditadura no Brasil, reunindo-se com seus principais líderes, interferindo na sucessão e indicando ministros.

Num telegrama ao Departamento de Estado norte-americano, o então embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Lincoln Gordon, deixa clara, segundo o site, a interlocução privilegiada do proprietário da Rede Globo com líderes do movimento militar em decisões importantes.

No dia 14 de agosto de 1965, ano seguinte ao golpe, Lincoln Gordon, enviou a seus superiores um telegrama classificado como altamente confidencial – agora já aberto a consulta pública – em que contava um encontro mantido na embaixada com Roberto Marinho. A conversa, segundo Gordon, versava sobre a sucessão entre os generais militares.

Segundo relato do embaixador, Marinho estava “trabalhando silenciosamente” ao lado de um grupo composto pelo general Ernesto Geisel, chefe da Casa Militar; o general Golbery do Couto e Silva, chefe do SNI (Serviço Nacional de Informação); Luís Vianna, chefe da Casa Civil, que discutiam o futuro do marechal Castello Branco no comando do País.

No início de julho de 1965, a pedido do grupo, Roberto Marinho teve um encontro com Castello Branco. De acordo com Gordon, a ideia era que o general prorrogasse seu mandato o que não ocorreu.

Em suas articulações, Roberto Marinho também sugeria a indicação de Juracy Magalhães para o Ministério da Justiça.

A indicação foi aceita e Magalhães instaurou a censura à imprensa.

No dia 31 de julho, Roberto Marinho teria avisado Castello Branco que, em caso da volta das eleições diretas, a oposição teria grande chances de vitória.

Lincoln Gordon alertou ainda ao Departamento de Estado norte-americano que a movimentação de Marinho deveria ser mantida em segredo.

Reportagem do site JusBrasil traz documentos sobre participação de Marinho na ditadura militar.

Leia também:
Documento da CIA relata que cúpula do governo militar brasileiro autorizou execuções
Há um Brasil doente que tem saudade das execuções de opositores na ditadura
A Globo e a ditadura militar, segundo Walter Clark
Conheça dez histórias de corrupção durante a ditadura militar

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: