#Marx200: Karl Marx, o aniversariante do dia

Luis Felipe Miguel em 5/5/2018

O aniversariante de hoje continua incrivelmente atual, na flor de seus 200 anos. Não acertou várias de suas previsões, é bem verdade. Afinal, ele foi um pensador, não um vidente. Também não escapou de ser um homem de sua época, com sua fé no desenvolvimento científico, às vezes caindo até num certo determinismo. Mas ninguém foi tão preciso, tão certeiro, na compreensão e na interpretação da sociedade capitalista. Muita coisa mudou de sua época para cá. Escrevi um esboço deste texto dentro de um avião, num tablet – aposto que ele iria curtir tanto um quanto o outro. Mas o domínio da forma mercadoria estrutura o nosso mundo ainda mais do que estruturava o dele. Exploração, alienação e fetichismo são o nosso dia a dia. Nossa história é movida pela luta entre os que dominam e os que são dominados. O que ele descreveu em suas obras, ensinando-nos a ir além das aparências para apreender o significado mais profundo dos fenômenos sociais, permanece presente, e por isso lê-las continua sendo essencial para entender o mundo. E também, como ele disse num aforismo famoso, para tentar transformá-lo.

O futuro com que ele sonhou (ou, para usar uma palavra que ele rejeitaria, a utopia que ele abraçou) parece inalcançável. Creio que poucos apostariam hoje na abolição do Estado, na superação definitiva de qualquer escassez, na harmonia perfeita entre indivíduo e coletividade. Mas os valores que organizam seu projeto – fim da exploração, ampliação da autonomia de todos e de cada um, humanização das relações sociais – continuam no centro de qualquer projeto emancipatório.

Marx foi a referência central de minha formação intelectual. Outras influências vieram depois, mas ele nunca deixou de estar presente. Em especial, sempre permaneceu como o ideal, inalcançável, de combinação entre rigor teórico, clareza de expressão, riqueza de estilo e erudição. A cada página de seus textos – na ironia feroz que dirige a seus adversários, nas referências literárias que encaixa sem nenhum artificialismo para ilustrar o que diz, na montanha de dados que incorpora a seus argumentos, na precisão cirúrgica com que vira de avesso o senso comum, na indignação que atravessa seu olhar sobre as iniquidades do mundo – se revela a paixão que dedicou a seu trabalho.

Há um aspecto da obra de Marx que é talvez o mais difícil de ser assumido hoje: sua confiança no futuro da humanidade, na capacidade de ação dos oprimidos. Creio que não devemos abandonar esse aspecto, por mais que nossas circunstâncias pareçam desoladoras. Não por algum determinismo, por uma visão teleológica qualquer de que “caminhamos” necessariamente para uma sociedade melhor. Mas por entender que o mundo social nunca “é”, sempre está se fazendo. As contradições da sociedade estão presentes, ativas; o trabalho de construção da passividade nunca está concluído e não é invulnerável. O sentimento de impossibilidade de transformação é também um produto da ideologia, ao qual devemos resistir.

Quem sabe, no terceiro centenário, comemoraremos a agudeza de seu diagnóstico sobre uma sociedade já morta.

***

10 COISAS QUE APRENDI COM MARX SOBRE O CAPITALISMO
Pedro Rossi em 5/5/2018

1) O propósito do capitalismo não é atender às necessidades das pessoas, mas à acumulação de riqueza.

2) No capitalismo, a distribuição da renda e da riqueza depende das relações de propriedade.

3) A meritocracia é impossível no capitalismo. (Mesmo supondo que a renda do trabalho seja distribuída de acordo com o mérito, quem tem capital – apartamento pra alugar, dinheiro em aplicação, ação de empresa etc. – recebe renda de quem não tem)

4) O capitalismo superou formas diretas de dominação (escravidão, servidão etc.), mas instituiu novas formas de dominação, indiretas e impessoais.

5) O capitalismo é uma máquina de produzir inovações tecnológicas e desigualdades sociais.

6) O capitalismo não é natural, nem é harmônico, mas historicamente determinado e inerentemente instável.

7) O sistema financeiro negocia um monte de coisa que nem existe, como direitos sobre uma renda futura (capital fictício), e uma queda no preço dessas coisas pode gerar crise e desemprego.

8) A crise econômica é o momento que o capital tenta resolver os problemas que ele mesmo criou aumentando o desemprego, desvalorizando salários, expurgando capitais mais frágeis e promovendo oligopólios.

9) Quanto mais desregulado, mais o capitalismo produz crises e desigualdades sociais

10) O capitalismo é o sistema mais “social” que existe e criou uma “comunidade global” unida pela troca de mercadorias. Mas essa “sociabilidade” é impessoal, mercantiliza as relações sociais, promove o individualismo e a concorrência entre as pessoas.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: