Bola da vez: “Grande mídia” está cevando Joaquim Barbosa

Fernando Brito, via Tijolaço em 18/4/2017

São evidentes os sinais de que o status quo está investindo em Joaquim Barbosa como “saída de emergência” para o impasse eleitoral em que meteu o país.

Negro, bem-sucedido, ele tem em si, como Marina Silva, uma origem popular, que induz o eleitor a achar que pudesse ser, no poder, uma porta para o reencontro entre o povo brasileiro com o governo de seu país.

Cessa aí o elenco de virtudes que Barbosa tem para candidatar-se a presidente.

Porque qualquer um que, por um instante, parar e pensar no que o ex-presidente tem, como currículo e como programa para o Brasil resume-se a, literalmente, nada, exceto as caretas que fazia por conta de suas dores nas costas (feliz e misteriosamente desaparecidas), os bate-bocas com os outros ministros e o ânimo punitivo com que encarava os réus do chamado “mensalão”.

Ah, sim, há mais uma coisa: a importação de uma versão xingling da Teoria do Domínio do Fato, cujo autor, o jurista alemão Claus Roxin, desautorizou expressamente o uso da maneira em que foi empregada aqui.

Quanto às ideias de Joaquim, sabe-se pouco, quase nada. Basicamente o que ele, esporadicamente, publica no twitter.

Por elas, apenas ficamos sabendo sua opinião sobre o “Brexit”, que considera “tabajara” o impeachment de Dilma Rousseff e que o Brasil é dominado por políticos e mídia conservadoras, entre os quais está o “deplorável” Michel Temer.

Nada mau, é verdade, mas bem pouco, não é?

Agora, aponta-se-lhe como “grande esperteza política” o seu silêncio sepulcral sobre a intenção de candidatar-se.

Não parece que, mesmo com apartamento em Miami, Barbosa seja aficcionado pelo jogo, onde esconder as cartas seja virtude.

Na democracia, ao contrário, virtude é mostrá-las, colocá-las à discussão pública, colher os frutos – e também os caroços – do que se pensa e do que se faz.

E, também, da capacidade de fazer isso dialogando, convencendo e não, como o ex-ministro deu provas de fazer, com imposições e berros, como aquele “vá chafurdar no lixo” que ordenou a um repórter.

Embora a mídia, mesmo com seus coices, jamais tenha desgostado dele. Já o cevou em 2014; volta a cevá-lo agora.

Uma resposta to “Bola da vez: “Grande mídia” está cevando Joaquim Barbosa”

  1. Geraldo Lobo Says:

    QUANDO ACONTECEU A ELEIÇÃO DO OBAMA UM DE MEUS AMIGOS, AGORA DO LADO DOS GRINGOS, LEMBROU-SE DO DITADO BRASILEIRO, NÃO MENCIONÁVEL, MAS CITÁVEL: “ELES QUANDO NÃO CAGAM NA ENTRADA, CAGAM NA SAÍDA!” DE FATO FOI O QUE ACONTECEU E HOJE TÊM QUE GOZAR E SE COMPRAZER COM A PEÇA DE JUMENTO (PIECE OF ASS) QUE LHES SUCEDEU, O TRUMP ! SERÁ QUE TEMOS QUE APRENDER OU COM A NOSSA HISTÓRIA FILOLÓGICA, OU COM A PRÁTICA DELES?

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: