Dois anos de golpe: Mais desempregados, menos carteira assinada

Indicadores também mostram piora depois da implementação da “reforma” trabalhista, embora discurso fosse de mudanças para impulsionar a economia.

Via Rede Brasil Atual em 16/4/2018

País perdeu mais de 1 milhão de postos de trabalho formais em dois anos. Foto: Mídia Ninja.

Dois anos atrás, uma inesquecível sessão da Câmara dos Deputados autorizou o prosseguimento do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, sob pretexto de “pedaladas” fiscais, mas com um vasto repertório de ataques ao governo. Muitos se declaravam indignados com o aumento do desemprego. No 1º de Maio de 2016, o senador Aécio Neves (PSDB/MG), por exemplo, disse se “solidarizar” com os mais de 10 milhões de desempregados no país, segundo ele vítimas da política econômica. Na mesma data, Marina Silva (Rede) disse que seria “o pior Dia do Trabalhador deste século”. Pois às vésperas do 1º de Maio de 2018, o número supera os 13 milhões.

No intervalo de praticamente dois anos, o Brasil sob Temer perdeu aproximadamente 1,4 milhão de postos de trabalho formais, de acordo com os números do IBGE. E “ganhou” 1,7 milhão de desempregados.

Embora o governo insista no discurso da “retomada”, os dados do mercado de trabalho não autorizam prognósticos otimistas. No trimestre encerrado em abril de 2016, o país tinha 11,411 milhões de desempregados, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE. Em dezembro do ano passado, depois da “reforma” trabalhista, que seria uma “solução” para o mercado, esse número subiu para 12,311 milhões. Em fevereiro último, atingiu 13,121 milhões.

O total de ocupados pouco se alterou entre abril de 2016 e fevereiro deste ano, passando de 90,633 milhões para estimados 91,091 milhões. Menos do que em dezembro, primeiro mês pós-”reforma”, quando a estimativa do IBGE era de 92,108 milhões.

O que efetivamente cresceu foi o total de empregados no setor privado sem carteira assinada, que eram 9,953 milhões no trimestre encerrado em abril de 2016 e somavam 10,761 milhões em fevereiro último, um pouco menos do que em dezembro (11,115 milhões). Os trabalhadores por conta própria passaram de 22,980 milhões para 23,198 milhões em dezembro de 2017 e 23,135 milhões em fevereiro de 2018.

Em 12 meses, até fevereiro, o país está com 1,745 milhão de ocupados a mais no mercado de trabalho, o que é um dado positivo. Mas esse crescimento foi obtido à custa da precariedade: 511 mil empregados sem carteira e 977 mil trabalhadores por conta própria a mais. E 611 mil “com carteira” a menos, sempre de acordo com a Pnad.

A taxa de desemprego, tida como alarmante pelos oposicionistas de 2016 – era preocupante, de fato –, chegava a 11,2% no trimestre encerrado em abril, quando Dilma caiu. Em dezembro último, depois da “reforma” implementada pela Lei 13.467, chegou a 11,8%. Em fevereiro, a 12,6%.

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, apontam estoque ajustado de 39,028 milhões em fevereiro de 2016, ainda no governo Dilma. Em fevereiro deste ano, o estoque era de 38,012 milhões – 1,016 milhão a menos.

O governo informa que houve crescimento no emprego formal nos últimos meses, o que é um fato. Mas quem entra está ganhando menos do que quem sai: o salário médio dos admitidos em fevereiro foi de R$1.502,68, segundo o Caged, enquanto o dos demitidos era de R$1.662,95.

Leia também
Gasolina atinge maior preço na era de reajustes da Petrobras
Em 2017, pobreza extrema aumenta 11% e atinge 14,8 milhões de pessoas
IBGE: Em 2017, desigualdade se intensificou em 4 das 5 grandes regiões do Brasil

Uma resposta to “Dois anos de golpe: Mais desempregados, menos carteira assinada”

  1. Geraldo Franco Says:

    Sou um felizardo em morar em Ipanema, Rio; apesar disso entro sempre em casa com o coração apertado de negar a quatro cinco, sete pessoas que me pedem dinheiro na rua — porque estão com fome — e isso se pode facilmente notar pelas suas figuras sempre magérrimas e andrajosas com que se mostram: não são pedintes profissionais, esses foram substituídos por vigaristas que te caçam dentro dos saguões dos bancos ao lado dos caixa eletrônicos por motivos óbvios obter a sua senha e o seu cartão, sempre que possível, queiramos ou não. O número de pessoas que estão de fato na miséria e querem dela se safar minimamente, ao menos matando a fome, cresceu geometricamente nesses últimos seis/oito meses, como também cresceu o número de carrinhos de venda de comestíveis de um ou dois pipoqueiros para (hoje contei) oito deles !!! Tem alguma coisa muito errada em minha cidade e em meu bairro. MAS MUITO ERRADA MESMO !!! Talvez o artigo explique melhor o porque disso!!!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: