Eliane Cantanhêde troca a massa cheirosa pelo DNA da USP em Huck

Fernando Brito, via Tijolaço em 19/11/2017

Sai a massa cheirosa dos tempos de José Serra e entra, agora, o DNA da USP de que Luciano Huck seria portador, nas razões da colunista da Globo e do Estadão, Eliane Cantanhêde.

É a versão “cult” do sujeito, que supera as razões de Merval Pereira, que vê nele a virtude de, “por consertar carro e distribuir casa”, poder fazer “uma campanha populista” e ganhar o cargo de presidente.

Na teoria de Cantanhêde, Huck é um quase intelectual uspiano, por hereditariedade por seu pai e sua mãe serem professores da universidade e também por osmose, já que é enteado do fernandista Andrea Calabi.

A colunista não esclarece, porém, que influência o rapaz teve, no início de sua carreira, da “Feiticeira” e da “Tiazinha” e seu chicotinho.

A direita brasileira não tem o menor pudor de fazer qualquer coisa para impedir o retorno de Lula ao governo, inclusive a de levar jornalistas a transformarem seu ofício num teatro do absurdo.

Nem o seu país num palco de experiências eleitorais deste tipo.

Cantanhêde, uma mulher madura, não precisava ter assumido o posto de “tia” de Huck, derramando-se em elogios genéticos ao sujeito.

A não ser que queira ser a “tiazinha” ideológica do Huck, enfeitada com bico de tucano.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: