Florestan Fernandes Jr.: O bolso e a bolsa de apostas no Bolsonaro

Florestan Fernandes Jr. em 13/11/2017

Será que fizeram a reforma política e nós não ficamos sabendo? É que a Folha de S.Paulo de domingo, dia 12/11, publicou em sua primeira página que o “mercado” já vê Bolsonaro como opção eficaz para barrar um terceiro mandato de Lula. Somos 145 milhões de eleitores e quem vai definir a eleição de 2018, segundo a Folha, são os 10 mil homens com contas bancárias com mais de US$10 milhões?

Melhor seria dizer que os mais ricos do Brasil estão dispostos a gastar fortunas para eleger seu pau mandado e que parte de nossa mídia vai trabalhar diuturnamente para alcançar esse objetivo. Essa história nós conhecemos bem, o capital sempre teve seus candidatos preferidos e, desde a redemocratização do país, só perdeu sua aposta na eleição de Dilma em 2014. Teve de recuperar o poder provocando um terceiro turno, realizado em 2016, no “colégio eleitoral” num verdadeiro golpe de Estado “legalizado”.

Ameaçar o país com a eleição de um direitista radical serve também para tentar empurrar a esquerda para o centro do tabuleiro e forçar negociações que atendam os interesses do tal do mercado. Este momento de desemprego, ampliação da pobreza e redução de direitos tem levado o país a muitas incertezas. A violência aumentou vertiginosamente nos últimos 12 meses, a taxa de homicídios é de 29 para cada 100 mil habitantes. Um índice maior que o de muitos países em guerra civil.

O ex-ministro Rubens Ricupero tem alertado que estamos flertando com uma ruptura institucional. Não será fácil convencer os de baixo a votar num candidato que representa os de cima. As crises econômica, ética, política e jurídica abriram a porta para o surgimento de aventureiros descolados dos partidos e também dos grupos financeiros. O direitista falastrão é um deles.

Há também as celebridades. Mas, por enquanto, nenhum deles fala ao coração dos de baixo como Lula. Para desespero principalmente dos senhores da comunicação, que pedem a condenação do ex-presidente à toque de caixa. Teve até jornalista incentivando a morte dele.

É, meu caro, chegamos ao fundo do poço. Realmente para as elites era melhor a época das ditaduras. Dava menos trabalho e as campanhas eram bem mais baratas, com candidatos únicos. Talvez Bolsonaro traga boas lembranças desses tempos tenebrosos para os que desprezam a democracia.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: