Temer defende reforma da Previdência para aumentar outros gastos

Via Jornal GGN em 2/11/2017

Após cerca de R$12 bilhões da União serem gastos direta e indiretamente pelo governo Temer para barrar a denúncia contra ele na Câmara dos Deputados, a equipe econômica do mandatário peemedebista tenta convencer que é a Reforma da Previdência que retirará o país da crise financeira.

Na quarta-feira, dia 1º/11, os ministros do Planejamento, Dyogo Oliveira, e o secretário de Orçamento Federal do Ministério do Planejamento, George Alberto, participaram de Comissão Mista no Congresso para debater a situação econômica. Aos deputados e senadores, a equipe de Temer sugeriu que, para ter uma maior folga de gastos do governo em 2018, será preciso fazer a Reforma da Previdência.

Da Agência Câmara
O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse na quarta-feira, dia 1º/11, aos parlamentares da Comissão Mista de Orçamento (CMO) que uma folga maior para a realização de despesas só será alcançada com a reforma da Previdência (PEC 287/2016). O texto está pronto para análise do Plenário da Câmara.

Dyogo Oliveira disse que, em 2018, as despesas previdenciárias somarão quase 60% do Orçamento da União. Em relação ao produto interno bruto (PIB), porém, deve haver uma queda no déficit previdenciário, de 2,8% para 2,7%. O ministro aproveitou o debate na CMO para defender a reforma da Previdência.

– Sinceramente, se eu estivesse aposentado estaria fazendo manifestações a favor da reforma, porque essa é a garantia de receber o benefício. Quem está contra a reforma da Previdência está contra o aposentado, está contra o trabalhador, disse.

Receitas
Durante a audiência pública, o senador Ataídes Oliveira (PSDB/TO), que é relator de receitas da proposta de lei orçamentária para 2018, sinalizou para um possível aumento da arrecadação, em seu relatório, diante dos números que apontam um crescimento maior da economia.

Dyogo Oliveira lembrou, porém, que, por causa do teto de gastos públicos, o total de despesas no próximo ano não pode ser elevado além dos 3% de variação da inflação no período de 12 meses encerrado em junho último. Além disso, as despesas não obrigatórias, que representavam 12% do Orçamento em 2010, devem somar no próximo ano apenas 3,5%, conforme a revisão da proposta orçamentária enviada na terça-feira, dia 31/10, ao Congresso.

Assim, disse o ministro, se houver uma arrecadação maior, os recursos serão destinados ao pagamento da dívida pública. Com medidas de ajuste fiscal já anunciadas (as MPs 805/2017 e 806/2017 e o PL 8.456/2017), o governo espera conter o crescimento da dívida pública em torno de 80% do PIB a partir de 2020.

Despesas
Em relação ao Orçamento de 2017, Dyogo Oliveira disse que a ideia é anunciar em breve um descontingenciamento das despesas. Ele classificou o corte atual de R$33 bilhões como “muito forte” para alguns ministérios. A deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM/TO) lamentou a queda nos gastos com a educação.

– As despesas discricionárias da educação caíram, na proposta apresentada pelo governo, de R$27,9 bilhões para R$23,6 bilhões. A preocupação é com as obras que estão paralisadas. O governo vinha investindo muito mais do que o mínimo constitucional de 18% [do total de impostos], por vários anos chegou a 22%, 23%. Mas o ajuste para chegar ao mínimo de 18% não pode ser de maneira tão abrupta, criticou a deputada.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: