Aloysio Nunes quer que Gilmar Mendes arquive inquérito sobre caixa 2 de R$500 mil

Via Jornal GGN em 8/11/2017

O ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes (PSDB) enviou a Gilmar Mendes um pedido para arquivar um inquérito que tramita contra o tucano a reboque das delações da Odebrecht. Nunes foi acusado de ter recebido propina de R$500 mil da empreiteira em 2010, quando concorreu ao Senado. O pagamento foi feito via doação eleitoral em caixa 2, ou seja, sem registro ao Tribunal Superior Eleitoral.

Em petição ao Supremo Tribunal Federal, procuradora-geral da República Raquel Dodge afirmou ser “incontroverso” o repasse ao hoje ministro e pediu novas diligências. Inclusive uma segunda oitiva de Nunes, que recorreu a Gilmar para não ser obrigado a depor.

A chefe do Ministério Público Federal quer que Nunes esclareça quem era o intermediário entre ele e o delator Carlos Armando Paschoal, o CAP, executivo da Odebrecht.

Em resposta feita por seus advogados, Nunes afirmou “manifestamente incontroverso é o fato de que as acusações do delator Carlos Armando Paschoal a respeito do requerente – sem qualquer documento que pudesse, ao menos em tese, corroborar as suas alegações – não procedem, e sequer guardam qualquer lógica do ponto de vista cronológico com os fatos ocorridos no ano de 2010, tampouco com os próprios documentos por ele apresentados”.

Segundo o Estadão, o ministro tucano também apontou “contradições no discurso de seu delator. ‘Ora, evidente que não poderia o Requerente solicitar contribuição de campanha à Odebrecht para sua corrida ao Senado Federal no mês de abril de 2010, já que sequer havia decidido, à época, para qual cargo sairia candidato’”.

“Assim, tendo em vista a completa impossibilidade de a referida reunião ter ocorrido nos moldes delineados pelo delator Carlos Armando Paschoal, se mostra absolutamente desnecessária a reinquirição do requerente para os fins pretendidos pela PGR, isto é, para ‘declinar o nome da pessoa que apresentou ao colaborador Carlos Armando, na reunião em seu comitê eleitoral, para pedir recursos à sua campanha, já que referida reunião foi confirmada pelo parlamentar em seu depoimento”.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: