Você gostaria de ser julgado por Moro?

Carlos Motta em 26/9/2017

Com tantos admiradores, seguidores e, vamos ser sinceros, fãs, pelo país afora, o juiz Sérgio Moro, é de se supor, deve ser considerado por eles o suprassumo do Direito.

É, pelo que se depreende das manifestações de apoio que recebe pelo que fez, faz e espera que fará em sua Operação Lava-Jato, o Pelé dos magistrados brasileiros, quiçá do mundo todo.

Novo ainda, vários livros e milhares de artigos em jornais e revistas, além de extensíssimas reportagens e entrevistas televisivas já foram produzidas sobre ele, sua esplêndida trajetória de vida, pessoal e profissional, sua incansável cruzada moralizadora, suas sentenças repletas de sabedoria, verdadeiras lições para as gerações futuras.

O juiz paranaense – e não devemos esquecer a fiel, competente e profissional trupe que o auxilia, investigando, indiciando e acusando centenas dos mais perigosos criminosos já vistos por estas plagas – provocou uma revolução no Judiciário brasileiro.

Não importa que ele atue na primeira instância, e que suas rigorosas sentenças possam ser revistas pelos tribunais superiores – elas são tão irretocáveis e definitivas que nenhum ser togado se atreve a corrigi-las.

Isso seria uma blasfêmia tão profunda como se, por exemplo, um simples mortal ousasse retocar uma pintura de Michelangelo ou reescrever trechos de alguma obra de Shakespeare.

Há também que se considerar as inovações introduzidas no Direito pelo genial juiz fundador da tão invejada “República de Curitiba”.

Uma dessas soluções criativas para acelerar a punição dos meliantes é exigir que eles provem sua inocência.

Outra, que à acusação não sejam requeridas provas de que o réu é culpado, já que existem suposições mais que suficientes para sustentar a veracidade do delito.

Mais uma: ajudar a acusação no que for necessário, pois, como é sabido, a máquina curitibana de fazer justiça está sobrecarregada de trabalho – além das funções inerentes aos cargos, seus integrantes têm sido incansáveis em levar a todo o país, por meio de palestras, entrevistas e participações em seminários e afins, a mensagem de que, finalmente, foi encontrada a receita para acabar com a praga da corrupção.

Certo é que tal fórmula, como já exposto, contém vários e preciosos elementos, mas um deles se destaca, por ser essencial ao sucesso da operação: os alvos da investigação têm de ser circunscritos, delimitados, não se pode abrir demasiado o leque de suspeitos, já que, como é notório, existem, neste Brasil, aqueles cidadãos que não estão acima da lei, e os homens de bem, que são, por falta de definição mais precisa, homens de bem – e ponto final.

Com um rol tão extenso de qualidades, diria até virtudes, surge uma indagação inevitável, uma dúvida persistente, que, se respondidas, resumiriam, conclusivamente, todo o sentimento nacional a respeito do juiz paranaense, seus métodos e as consequências da operação que comanda, com mão de ferro, para esta nação em crise.

A pergunta que não sai da cabeça é simples e se dirige à legião de fãs do magistrado:

– Você gostaria de ser julgado por ele?

3 Respostas to “Você gostaria de ser julgado por Moro?”

  1. Aristóteles Barros d (@AristtelesBarr1) Says:

    Isso não vale um tostão de mel coado! Traidor, pau mandado dos estadunidenses!

  2. Paulo França Says:

    DesMoralizado!!

  3. Selma Schiedeck Says:

    Não gostaria, porque ele sempre pode condenar “por convicção” e isso não me serve.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: