Como diferenciar fascistas e fanáticos de libertários?

Marcio Valley em 19/9/2017

Ao terminar a leitura do texto O que querem os fanáticos fundamentalistas? Por que dialogar com eles?, da psicóloga Rita Almeida, envolveu-me o mesmo tipo de reflexão preocupante que tive ao término da leitura do livro Como conversar com um fascista, da Marcia Tiburi. A mesma dúvida que assaltou a Rita Almeida ao final de seu artigo, me atravessou em ambos os casos: seria eu um fascista ou, no caso do texto da Rita, um fanático?

A razão de minha inquietação íntima diz respeito ao modo assertivo e enfático com o qual costumo defender meus posicionamentos, característica facilmente identificável nos fascistas e fanáticos. Não que me sinta incapaz de ser convencido ou que me faça surdo aos argumentos alheios. Porém, ao mesmo tempo que percebo em mim imensa capacidade de tolerar a ignorância dos desfavorecidos pela fortuna, sinto-me muito pouco tolerante com a estupidez ou vilania ética de quem devia, pelas circunstâncias da própria vida, pelas oportunidades decorrentes do privilégio social, possuir uma visão mais plena e humanista da realidade. Exatamente por isso, procedi a uma revisão geral das pessoas que posso continuar a considerar amigas após a clivagem social provocada pela imensa dissensão política que testemunhamos no país. Os estúpidos que não deveriam ser estúpidos foram extirpados de minhas amizades. Sem problema em conviver socialmente com essas pessoas, mas amizade é outra coisa; pressupõe alguma afinidade de sentimentos, valores e pensamentos. Um abolicionista, a meu ver, não pode ser amigo de um escravocrata.

Como seria possível, de forma lógica e racional, excluir alguém de discurso enérgico da infame categoria dos fascistas e fanáticos?

Penso que convicções sobre a sociedade, ainda que ardorosamente defendidas, desde que fundadas em análise aprofundada da realidade alcançada através da leitura diversificada, refletida e crítica de grandes autores das ciências humanas e sustentada em visões que valorizam a dignidade humana, a liberdade na autodeterminação pessoal, a defesa da diversidade cultural e comportamental características dos indivíduos e, resultado de tudo isso, ao direito individual de encaminhar o próprio florescimento pessoal, são estrutural e valorativamente distintas daquelas advogadas por fascistas e fanáticos. As ideias desses últimos são, essencialmente, restritivas ao direito individual, enquanto as primeiras buscam alargar a bitola das possibilidades materiais da existência livre.

A pessoa que defende a redução das desigualdades humanas socialmente estabelecidas – de gênero, étnica, de orientação sexual, política ou qualquer outra que dignifique a existência – jamais poderá ser considerada um fanático ou um fascista, que atua exatamente em direção ao oposto disso, ou seja, no sentido da manutenção das hierarquias e redução do livre pensamento. Nesse sentido, é impossível comparar, como recentemente fez Donald Trump, o famigerado elemento que pratica a violência como integrante da Ku Klux Klan com aquele que a refuta assertivamente como instrumento para impedir a atuação dessa entidade racista. Não se trata de dois fanáticos atuando, um em cada polo de um comportamento que poderia ser classificado como fascista, mas de um fanático e fascista sendo contrastado energicamente por um libertário. Este último encontra justificativa em sua ação na própria Carta dos Direitos Humanos, enquanto a atitude daquele é fundada na infâmia e no desejo abjeto de distinção social pela cor da pele, fruto do acaso do nascimento.

A indagação que faço é: ao racista ou homofóbico deve ser dado o mesmo espaço de diálogo e escuta que a de um libertário? Penso que não. Ainda que se possa conceder a ele o direito de se expressar livremente, deve encontrar resposta rápida e vigorosa que interrompa a sua fala, bem como ouvidos surdos para escutá-la. Nenhuma atenção deve ser dada a quem defende a indignidade, salvo para refutá-la com energia.

Paralelamente, o mundo aparentemente está encontrando uma realidade de ressonância ao histórico abandono material e cultural da imensa maioria da população. Em todas as épocas, aproximadamente, um por cento da população deteve praticamente toda a riqueza, dez por cento serviu de cão de guarda do poder (hoje, é chamada de classe média), enquanto os demais amargavam as dores da pobreza e da miséria. Da mesma forma, cerca de 10% tinham e tem acesso ao capital cultural, relegando-se os demais à ignorância da realidade real e à ilusão provocada pelo discurso hegemônico. Atualmente, essa massa miserável e ignara, incapaz de produzir pensamento próprio e crítico, se entrega de modo cada vez mais voraz ao fast food do pensamento: a religião e o fascismo político baseado nos memes, chavões e bordões autoritários e elitistas compartilhados à exaustão pelas redes sociais. O discurso tencionava criar um gado manso e de fácil condução, mas ele está se tornando um leviatã indomável e imune à inteligência.

Não resta dúvida de que é fundamental manter as portas abertas para o diálogo. Há de se perguntar, porém, se é possível dialogar com a infâmia.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: