Maurício Dias: “Adhemar de Barros roubava, mas fazia. Temer não faz, mas rouba”.

A “CAIXINHA” DO TEMER
O inventor foi Adhemar de Barros em priscas eras, dele se dizia “rouba, mas faz”. Certo é que o presidente ilegítimo limita-se a roubar.

Maurício Dias, via CartaCapital em 16/9/2017

É curiosa a trajetória de Adhemar de Barros e a de Michel Temer, duas referências políticas de São Paulo de quem todo mundo ouviu falar, a partir do comportamento de ambos no trato com o dinheiro público, após alcançarem ou se aproximarem do poder.

Adhemar intrometeu-se pela prefeitura de São Paulo e o governo paulista. Disputou a Presidência da República, nos anos 1950, e perdeu. Temer, vice-presidente da República, costurou o golpe contra Dilma Rousseff e venceu.

Barros talvez seja o responsável por isso. Das costelas dele nasceu o lema “rouba, mas faz”. Deu em pizza. Nasceu um samba criado por Benedito Lacerda e Herivelto Martins. Dois mestres da MPB impulsionados por uma boa remuneração. Michel Temer está às voltas com esse problema sem saber como responder.

Ele carrega o peso de 14 caixas com dinheiro vivo, descobertas pela Polícia Federal, guardadas em um apartamento em Salvador, que, contadas e recontadas, alcançaram R$51 milhões. No lugar havia rastros, mais precisamente as digitais, de Geddel Vieira Lima.

Em depoimento na Operação Lava-Jato o empresário Emílio Odebrecht, figura influente nas eleições mais recentes, fez referência aos anos 1960 e 1970, quando a empreiteira do pai dele entrou no jogo. As influências dessas empresas foram articuladas durante a formação do governo de Juscelino Kubitschek, sob o lema, “50 anos em 5”. Beneficiou todos os círculos empresariais.

JK mudou o processo das campanhas eleitorais. Usou o avião, as emissoras de rádio e as nascentes televisões. Ganhou a disputa ao custo de contaminar as eleições. O caixa 2, nos anos 1960 e 1970, cruzou intacto a ditadura militar, com o consentimento dos generais. Alguns deles diretamente beneficiados. Outros movidos pela possibilidade de alcançar o poder pela via eleitoral. É nesse atoleiro que está afundado Michel Temer. Não há saída.

Rodrigo Janot despediu-se do cargo de procurador-geral da República, ao apresentar para o Supremo Tribunal Federal uma segunda denúncia contra Michel Temer. Desta vez por crimes de organização criminosa e obstrução à Justiça.

Era possível, há muitos anos, dizer que Adhemar de Barros roubava, mas fazia. De Temer talvez se possa dizer somente que ele não faz. Mas rouba.

2 Respostas to “Maurício Dias: “Adhemar de Barros roubava, mas fazia. Temer não faz, mas rouba”.”

  1. heloizahelenapiasblog Says:

    a frase mais linda q li hoje.
    ________________________________

  2. Eliane Barroso Says:

    E essas são as duas referências políticas de São Paulo de quem todo mundo ouviu falar, a partir do comportamento de ambos no trato com o dinheiro público, após alcançarem ou se aproximarem do poder!!! Que Deus nos proteja!!!!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: