Bob Fernandes: Procurador expõe o lado podre da Lava-Jato e a jecaria fascista ataca

Bob Fernandes em 18/9/2017

O procurador Ângelo Vilela era “amigo íntimo” do procurador-geral, Janot. Por suspeita de vazar informações para a JBS, Vilela ficou 76 dias preso.

Solto, em entrevista para Camila Mattoso, da Folha, Vilela expôs intestinos. Do procurador Janot e das delações na Lava-Jato.

Vilela conta: Janot armou com a JBS para derrubar Temer. Porque assim evitaria que Raquel Dodge, a quem Janot chamava de “bruxa”, se tornasse a nova procuradora-geral.

O procurador Vilela diz: na Lava-Jato se prende para investigar, ao contrário de investigar para, só com provas, prender.

Segundo o procurador, não é o Estado que tem provado a culpa, como manda a lei mundo afora… Aos investigados se tem imposto o ônus de provar sua inocência… Certamente, uma contribuição desse “novo direito brasileiro” ao direito universal.

O procurador Vilela criticou ainda a tática dos “vazamentos seletivos para assassinato de reputações”.

O sistema político-partidário se auto-avacalhou, isso é fato.

Mas há outro fato: há mais de uma década, desde o chamado “mensalão”, vazamento é método e as manchetes são o verdadeiro tribunal.

Quem é fuzilado nas manchetes está moral e socialmente morto.

Também isso, avacalhação e auto-avacalhação da política, deu oxigênio, abriu espaços para ultraconservadores. Quando não, fascistas.

Como em Porto Alegre. Onde devotos bolsonáricos e bando bélico fizeram o Santander se acovardar. E fechar a exposição QueerMuseu.

Em Campo Grande, no Museu Marco, a polícia prendeu… um quadro. E em Jundiaí o ultraconservadorismo levou à censura de uma peça de teatro.

Hoje, em Brasília, um juiz autorizou tratar homossexuais como se fossem doentes.

O incomodo, de sempre, é com sexo. Isso se resolve no divã, não com censura.

Na questão quadros e exposição, um bando de jecas. Sem noção, profundamente ignorantes.

Por isso, e por saberem disso, a reação fascistoide. As manifestações de recalque com a própria incultura.

Não buscam aprender, saber. Buscam impor sua ética/ estética: linguagem e pensamento rasteiros, brutalidade, a ameaça constante da força, inclusive física.

Uns são ultraconservadores. Outros são a jecaria fascista.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: