Partido de Temer quer mudar de nome. Que tal “Toma-lá-dá-cá”?

Leonardo Sakamoto em 16/8/2017

Agora vai!

A federação patrimonialista de interesses fisiológicos que atende pela alcunha de PMDB está planejando se rebatizar como MDB (Movimento Democrático Brasileiro), nome que ostentou até dezembro de 1979.

Naquele momento, o país dava adeus ao bipartidarismo que vigorou na ditadura. Ao mesmo tempo, a Arena, partido de apoio ao governo civil-militar, tornou-se PDS, de onde brotou o PFL, que também se rebatizou, em 2007, como DEM (Democratas).

Planejam mudar a graça da criança em setembro, quando ocorrerá convenção partidária. Se confirmada, a mudança se somará a outras alterações cosméticas como a do PTN, que virou Podemos – ato que foi considerado uma afronta pelo Podemos espanhol, à esquerda da cópia tupiniquim. E o “ecológico” PEN, que pode virar Prona ou Patriotas.

Mudar o nome de algo para tentar ludibriar o cidadão ou o consumidor e deixar para trás um passivo de problemas é corriqueiro na política e no mundo empresarial. Vale lembrar que a Telefonica, que acumulou montanhas de reclamações, resolveu assumir o nome de uma de suas marcas, tornando-se Vivo.

Porém, se uma mudança não vem acompanhada de alteração da qualidade do que é oferecido à população, o golpe de marketing dá chabu. É como jogar purpurina em cima de um montinho de cocô. Pode até brilhar, mas continuará fedendo. Se achou a comparação escatológica, vale citar a segunda cena do segundo ato da peça Romeu e Julieta, do inglês William Shakespeare: “Que há num simples nome? O que chamamos rosa, sob uma outra designação teria igual perfume”.

Seja PMDB ou MDB, continuará tendo o mesmo “cheiro”.

Ao que tudo indica, o partido não está pensando em fazer uma grande autocrítica interna e, a partir de uma profunda reflexão, abandonar antigas práticas políticas. Até porque isso significaria uma implosão. É mais fácil que os políticos e militantes éticos e honestos deixem a agremiação diante do que ela passou a representar. Ou o tal do camelo passar pelo tal buraco da agulha.

Um partido que já foi a base da luta pela redemocratização do país e reuniu muita gente que almejou um futuro melhor para a sociedade, hoje se tornou um mercado a céu aberto de parlamentares e uma grande máquina de toma-lá-dá-cá, visando à aprovação de leis. Um monstrengo sem ideologia definida ou projeto claro para o país, que não parece se importar em retirar direitos do povo para manter privilégios dos mais ricos, muito menos em assaltar os cofres públicos à luz do dia, seja em emendas e cargos, seja em perdões de dívidas concedidas a seus próprios parlamentares. Tudo com o objetivo de manter uma cúpula envolvida em denúncias de corrupção, a salvo, no poder.

Ao menos, ninguém no partido teve a ideia de abrir uma licitação para vender os naming rights, como acontece em arenas de futebol. Por exemplo, PMDB/Odebrecht ou PMDB/JBS. Pensando bem, isso seria um tanto quanto redundante.

Leia também:
Partidos mudam de nome para vender velhacaria como novidade

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: