Polícia implode esquema em Furnas e atinge operador de Aécio

Via Brasil 247 em 8/6/2017

Em ação policial, batizada como Barão Gatuno, a Polícia Civil do Rio de Janeiro mirou o esquema de corrupção em Furnas, que vem desde o governo Fernando Henrique Cardoso, quando o senador afastado Aécio Neves (PSDB/MG) nomeou Dimas Toledo como diretor da estatal.

Há dois mandados de condução coercitiva e um deles é contra Dimas Toledo, que era acusado de pagar um mensalão a deputados da chamada “Lista de Furnas”.

A operação foi deflagrada a partir da delação do ex-senador Delcídio Amaral e complica ainda mais a situação de Aécio, que tem um pedido de prisão prestes a ser analisado pelo Supremo Tribunal Federal.

Ainda estão sendo cumpridos 25 mandados de busca e apreensão na sede da empresa, em Botafogo, e em outros endereços. Outros oito mandados de busca e apreensão são cumpridos em São Paulo. A operação é um desdobramento da Lava-Jato, a partir da delação de Delcídio Amaral.

No Rio, a ação é coordenada pela Delegacia Fazendária (Delfaz). A ação tem o apoio de 15 delegacias do DGPE, da Coordenadoria de Combate à Corrupção do Laboratório de Tecnologia e Lavagem de Dinheiro da PCERJ e da Polícia Civil do Estado de São Paulo.

***

FURNAS: DIMAS TOLEDO, OPERADOR DE AÉCIO, É ALVO DE CONDUÇÃO COERCITIVA
Via Jornal do Brasil em 8/6/2017

Policiais civis cumprem na quinta-feira, dia 8/6, 33 mandados de busca e apreensão para investigar um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro na empresa de energia Furnas, subsidiária da estatal Eletrobras. A operação, chamada de Barão Gatuno, tem como base a delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral, durante as investigações da Operação Lava-Jato.

Há ainda dois mandados de condução coercitiva. Um deles é contra o ex-diretor Dimas Fernando Toledo.

Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça estadual e estão sendo cumpridos pela Delegacia Fazendária, responsável pela investigação do esquema, com o apoio de 15 delegacias, da Coordenadoria de Combate à Corrupção do Laboratório de Tecnologia e Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil do Rio e da Polícia Civil do Estado de São Paulo.

Em delação premiada, Delcídio do Amaral afirmou que o hoje senador afastado Aécio Neves (PSDB/MG) foi beneficiário de um “grande esquema de corrupção” na estatal Furnas.

Esse esquema, segundo Delcídio, era operacionalizado por Dimas Toledo, ex-diretor de engenharia de Furnas, e que teria “vínculo muito forte” com Aécio. O responsável por intermediar e viabilizar a operação teria sido o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB/RJ).

“Questionado ao depoente quem teria recebido valores de Furnas, o depoente diz se que não sabe precisar, mas sabe que Dimas operacionalizava pagamentos e um dos beneficiários dos valores ilícitos sem dúvida foi Aécio Neves, assim como também o PP, através de José Janene; que também o próprio PT recebeu valores”, diz o texto da delação premiada.

[…]

Leia também:
Coletânea de textos: Lista de Furnas, Aécio Neves e o brilho de sua carreira
Ponto a ponto, as mentiras de Aécio em sua defesa no escândalo de Furnas
Lista de Furnas é esquema comprovado e repleto de provas na Justiça
A operação abafa da Veja no caso da Lista de Furnas ajuda a explicar por que Aécio foi tão longe

Uma resposta to “Polícia implode esquema em Furnas e atinge operador de Aécio”

  1. Eliane Barroso Says:

    Será que agora prendem o assassino Aecio???? Como a coordenação da operação não está a cargo do Moro, pode ser …..

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: