Fernando Haddad: Século 21 ou República Velha, a escolha é agora

Fernando Haddad, ex-presfeito de São Paulo. Foto: Ricardo Stuckert / Instituto Lula.

Luis Edmundo Araujo, via O Cafezinho em 4/6/2017

Estão lá os protestos de 2013, insuflados pela pós-verdade da internet. Há também relatos dos mais reveladores sobre erros estratégicos dos líderes do PT, de Lula inclusive, que redundaram no impeachment de Dilma Rousseff. Da mídia, do Judiciário e de muito mais trata o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) na revista Piauí, num texto essencial para compreender como e a que ponto chegou o país.

“Um encontro com o patrimonialismo brasileiro” é o subtítulo do texto de Haddad, que recorre a Raymundo Faoro e seu livro Os Donos do Poder para descrever o sistema no qual, como afirma o jurista e sociólogo, “a camada dirigente atua em nome próprio, servida dos instrumentos políticos derivados de sua posse do aparelhamento estatal”.

Haddad relembra seus anos de universidade, “marcados pelo convívio com a nata da intelectualidade uspiana”, antes de dizer que ter sua “produção acadêmica avaliada por comentaristas como Marco Antônio Villa e Reinaldo Azevedo foi um dos ossos mais duros” de seu ofício de prefeito.

O prefeito inclui a Jovem Pan, então de Villa e Azevedo, no que chama de “segunda divisão dos meios de comunicação”, na qual, segundo ele, também está o Estadão. Mas não deixa de falar de Folha, Globo e Abril, com exemplos claros, reveladores, do mal que pode provocar um jornalismo enviesado, que atua como partido político.

A politização do Judiciário é outro de seus temas. “As instituições que deveriam apenas ‘garantir o jogo’ democrático têm apetite por ‘jogar o jogo’, o que o torna menos democrático”, diz o ex-prefeito.

Muito mais que uma escola sem partido, Haddad pede um “Judiciário sem partido” no texto em que mostra como cresceu a pauta da intolerância, sobretudo na classe média sem dinheiro para empregada, nem babá nem motorista com a ascensão das classes sociais mais baixas nos governos Lula e Dilma. E conclui com o que diz o título acima. Entre o atraso da República Velha e o futuro deste século 21, a hora de escolher é agora.

Clique aqui para ler o artigo de Haddad na íntegra.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: