Estrago da Lava-Jato atrapalha organização da economia pelo governo

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o presidente Michel Temer. Foto: Sérgio Lima / Poder360.

Operação deveria ter modo de minimizar impacto político.

Alberto Carlos Almeida, via Poder360 em 30/5/2017

UM CIRCUIT BREAKER PARA A LAVA-JATO
A reforma da Previdência não será votada e aprovada neste semestre por causa da Lava-Jato. Pode até ser que esta reforma não seja votada no próximo semestre. Se isto acontecer poderemos facilmente atribuir tal desfecho à Lava-Jato. Ah, entenda-se aqui Lava-Jato como sendo a megaoperação de combate à corrupção no mundo político que se utiliza de prisões longas para suspeitos (e não condenados) de crimes, delações vazadas para a imprensa e toda sorte de procedimentos questionáveis do ponto de vista de sua legitimidade e legalidade.

Também em função da Operação Lava-Jato o governo Temer, como faria qualquer governo que tem instinto de sobrevivência, aumentou os gastos com publicidade, aprovou medidas que beneficiam Estados e municípios relaxando a austeridade e ampliou a despesa com demandas de parlamentares. Pensando contra factualmente, jamais teremos certeza disto, é claro, é provável que sem a Operação Lava-Jato todo o correto esforço do governo Temer em dar um novo rumo à economia brasileira teria mais graus de liberdade e, portanto, mais sucesso. Sem a Lava-Jato, ou caso houvesse um circuit breaker para ela, as medidas econômicas corretas, que dependem da aprovação do Poder Legislativo, seriam plenamente tomadas e implementadas pelo sistema político.

O circuit breaker foi criado nos Estados Unidos após a segunda-feira negra de 1987, em pleno governo Reagan. O conceito do mecanismo é simples: o mercado deixa de funcionar quando há perdas dramáticas em um curto período de tempo. A interrupção é curta e visa impedir que perdas sucessivas resultem em um cenário devastador para os agentes do mercado. Quando este risco é afastado, o mercado volta a funcionar. Trata-se de um mecanismo cuja utilização é rara, uma vez que perdas dramáticas também são raras.

Aplicando-se o mesmo conceito à política precisamos apenas admitir, o que não é muito difícil, que o tempo do mercado é muito diferente do tempo da política. Os robôs que hoje substituem muitos traders precisam estar fisicamente o mais próximo possível das fontes de informação. Isto é necessário porque fechar uma operação de compra e venda pode ser mais ou menos lucrativo em função de milésimos de segundos. Segundos, minutos, horas e dias são unidades bem menos importante na política. A política lida com anos, muitas vezes com décadas.

Na política são necessários no mínimo 20 anos para que sejam formadas estruturas partidárias sólidas, capazes de fazerem a articulação entre as demandas da sociedade e o governo. O tempo para que um líder nacional de peso se forme tende a ser o mesmo. Recentemente, em entrevista, o senador Aécio Neves (PSDB/MG) chamou atenção para este ponto. Ele levou ao menos 20 anos para chegar onde chegou, tendo sido deputado federal, presidente da Câmara, governador de Estado e senador, dentre outros cargos. Repentinamente isto é destruído em dois dias em função do vazamento de uma gravação que, por mais que pareça verdadeira, precisa ser devidamente investigada.

O suplente de Aécio se chama Elmiro Alves do Nascimento, foi prefeito de Patos de Minas e deputado estadual titular em duas legislaturas. Não há dúvida que ele representa pior a população de Minas Gerais do que o senador Aécio Neves. Aécio liderava até então o PSDB na direção de aprovar a reforma da Previdência. Seu suplente não tem envergadura política para liderar ninguém. Há que se admitir, ironicamente é claro, que o Brasil deve estar muito bem para se dar ao luxo de trocar Aécio por Elmiro.

Se houvesse um circuit breaker na Lava-Jato uma perda dramática como esta, a perda de Aécio, não teria ocorrido. Evidentemente um mecanismo desta natureza não poderia funcionar por apenas dez minutos, um dia ou três meses. O tempo da política se conta, no mínimo, em anos. Se o mercado financeiro tem mecanismos para reverter uma situação, para ele, devastadora, por que não adotar o mesmo no mercado político?

Obviamente a sugestão deste artigo é irreal, mas ela ilustra com precisão o que estamos vivendo. Mais do que isto, mostra que todos os grupos sociais quando podem lançar mão de mecanismos de defesa, o fazem. Tais mecanismos são aceitáveis e legítimos quando há valores em conflito. É um valor combater a corrupção e prender todos os ladrões. Porém, também é um valor melhorar de vida e zelar para que as pessoas aumentem seu bem-estar. Ainda mais em um país com 13 milhões de desempregados. Que o circuit breaker do mercado sirva de inspiração para nossa elite política e judiciária.

Alberto Carlos Almeida é diretor do InteliGov, empresa de inteligência de governo e monitoramento legislativo e diretor do Instituto Análise, empresa de consultoria, pesquisa e estudos sobre o Brasil.

2 Respostas to “Estrago da Lava-Jato atrapalha organização da economia pelo governo”

  1. magda f santos (@magdafsantos) Says:

    ATRAPALHA O QUE SE JÁ ESTÁ UMA ZORRA TOTAL? DESCULPA DOS INCOMPETENTES!!

  2. Clara Alcione Martins Says:

    Entendi mal. ou o artigo está sutilmente propondo a salvação de Aécio em nome de “salvar o país”? Entendi mal, ou o artigo considera Aecio (com crimes e mais crimes comprovados), mais santo que seu suplente? Esse artigo é a capitulação do Blog Limpinho e Cheiroso à direita? cansou de apanhar por ser esquerda e está se “achegando” aos tucanos? Vou rever minhas leituras…ou então, entendi mal!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: