Fernando Horta: A razão em transe

Fernando Horta em 21/5/2017

Há mais de 400 anos fundava-se a chamada “ciência moderna”. O nome pomposo nada mais significa que um método para conhecer as coisas que buscava se afastar das formas medievais de construção das verdades. Na “ciência moderna” o intelecto humano tomava parte, mas não sozinho. Era necessário que o intelecto tivesse “amarras”, “ferramentas” no que se sustentar. Reconhecia-se que a mente pouco consegue diferenciar imaginação de realidade. O autoconvencimento é, enfim, entendido como o maior problema do ato de “conhecer”. Crianças, por exemplo, levam alguns anos para perceberem que são diferentes do mundo externo. A bem da verdade, nos dias de hoje, uma quantidade impressionante de pessoas parece não ter atingido ainda esta percepção. Continuam acreditando que o mundo é tanto quanto sua crença diz que é. Sem ferramentas apropriadas a realidade é somente o que a mim parece. Nada mais.

Esta perigosa crença não é nem medieval. Na Idade Média existia um componente moral muito forte no conhecimento. Este componente, entretanto, era delimitado e definido por pessoas que tinham um conhecimento muito mais apurado do que a média da população. Hoje, estamos desconstruindo o conhecimento baseado na teoria do “eu acho”. Eu me convenço das coisas buscando o menor caminho entre a realidade e o que “eu acho”. Normalmente este menor caminho são memes, falsas informações e a negação da própria realidade.

Se eu me convenço de que A é corrupto, eu vou à realidade buscar apenas as informações que corroborem com a minha tese. Por menores e mais estranhas que sejam. Não há a preocupação de questionar-se, não há o interesse em exercitar uma humildade sadia: “Será que o mundo, as coisas, são, realmente, como eu penso que são?” O caminho para “provar” a minha verdade é assim:

Se A é corrupto, então A enriqueceu. Mas as evidências mostram que A não enriqueceu.

O racional seria, diante de uma resposta negativa para uma pergunta que eu faço ao mundo, eu questiono minha teoria. Talvez, apenas talvez, A não seja corrupto. É isto que se faz há 400 anos. É isto que o mundo, e o Brasil parece ter esquecido.

Diante da dor de perceber que a realidade não é como eu quero que seja, eu nego a realidade. De forma irracional e ilógica mesmo.

Se A é corrupto, e eu não consigo provar que A enriqueceu, então A esconde o fruto de sua corrupção. Logo A deve provar que não esconde.

Veja que o delírio irracional não submete A à prova da riqueza – que já foi descartada no primeiro questionamento. Não se trata de perguntar a A se ele tem riqueza. Trata-se de exigir que ele prove que não está escondendo. Mas como fazer prova negativa? Como eu provo que não escondo? Como eu provo que não sei? Como eu provo que não tive? Se ao fazer a prova eu apenas fortaleço a irracionalidade de quem me acusa?

Se desnudarmos A e nada encontrarmos, tanto mais claro fica que A está escondendo, já que eu não encontrei em A o que tenho certeza. O efeito da ocultação de A é o mesmo efeito de A não ter o que eu acho que A tem.

A, portanto, não tem; e pode não ter por realmente não ter, ou pode não ter por estar ocultando. A razão me diz para seguir o primeiro: se eu não acho em A o que penso que ele tem, meu pensamento está errado. A irracionalidade trilha o segundo caminho. Se eu não acho em A o que eu penso que ele tem, A é um ocultador magistral.

Dizendo de outra forma, se o mundo não é exata e tão somente o que eu penso que ele seja, errado está o mundo. Esta irracionalidade bebe de um narcisismo intelectual que acredita que eu conheço o mundo e o faço de forma inquestionável. Para me manter neste caminho eu tenho que negar tudo e todos que, de alguma forma, conhecem e enxergam diferente. Eu tenho que retirar deles o direito mesmo de conhecer ou, ao menos, sua vontade de questionar.

O Brasil vive esta distopia. Em todos os campos, foram criados mecanismos de irracionalidade que se apoiam no sentimento psicológico do egocentrismo narcisista. Eu sou tal que conheço, a despeito dos outros, das evidências e das teorias em contrário. Eu tenho esta capacidade inata de conhecer perfeitamente.

Isto estanca o sentimento de inferioridade de quem efetivamente não conhece, através da desqualificação daquele que conhece. Isto é chamado de anti-intelectualismo. Como quem não conhece é, normalmente, maior em número do que quem conhece, o argumento da maioria entra em jogo. Tudo vira opinião, e se toda opinião tem o mesmo valor o número de opiniões define a realidade.

Conhecer passa a ser um defeito se for crítico. É preciso calar os críticos. É preciso conter os que conhecem, negar-lhes legitimidade. “Conhecem? Não! Usam um “falso conhecer” com o objetivo (político) de me convencer de que o meu conhecimento é errado”. Quando o conhecer é submisso, então ele é benéfico, ele é bom. Quando o conhecer serve para reforçar o que eu já penso sobre a realidade, este conhecer reforça o meu ego, chancela o que eu digo sobre o mundo. Logo, ele é um conhecimento cheio de virtudes.

Não é à toa que os primeiros atos do governo Temer foram atacar a ciência, a educação e os professores. Todos. O conhecimento virou uma mercadoria de pouco valor, e que pode ser substituída por qualquer outra, ao gosto de quem detém o poder econômico. A educação virou um trabalho dos mais desimportantes, quase marginalizado. Seus trabalhadores estão sendo tratados como mão de obra descartável.

O efeito disto é que um presidente pode mudar a vida das pessoas sem nenhuma legitimidade eleitoral, porque memes dizem “que não foi ‘gópi’”.

O efeito disto é que um congresso pode se dar anistia de dívidas e, ao mesmo tempo, prejudicar milhões de trabalhadores, porque a mídia diz “que isto será bom para você”.

O efeito disto é que um tribunal superior pode dizer qualquer coisa diferente da Constituição porque, afinal, o tribunal diz-se acima do pacto político que criou a própria Constituição.

O efeito disto é que um indivíduo gravado, filmado, rastreado cometendo crimes, tem a cada de pau de vir à público dizer que é tudo falso. Que aquela realidade inexiste. Que é tudo política.

E a maioria da nós, que perdeu a capacidade de se questionar, porque haveria agora de questionar o (vice)presidente? A maioria de nós, ao defender a irracionalidade para si, já perdeu a capacidade de criticar.

Estamos em transe, estamos mudos, estamos perdidos.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: