Palmério Dória: O inusitado acontecimento político de um setentão em Curitiba

Palmério Dória em 12/5/2017

Um ex-presidente setentão, líder em todas as pesquisas para a eleição de 2018, encara um guarda de esquina travestido de juiz durante cinco horas, dando-lhe um vareio.

Na sequência, o setentão vai para uma praça onde uma multidão o espera. A PM calcula que 5 mil pessoas estão ali. Os organizadores, 50 mil. Vamos dizer 30 mil numa cidade com menos de 2 milhões de habitantes. Equivale a quantas pessoas em São Paulo?

Duas semanas antes, a principal semanal do país anunciou na capa que o setentão estava acabado. Pela performance dele em 10 minutos de palanque, a revista errou na mosca. Ele eletriza a multidão — a maioria veio de diversos pontos do país para lhe dar apoio.

Boa parte havia escapado, durante a madrugada, de rojões foram lançados no acampamento que armaram para esperar o “duelo” entre o ex-presidente e o inquisidor, que a dona da notícia no Brasil deseja como futuro presidente de um país que considera dela.

Não se deixou intimidar. Tem manual de sobrevivência na selva. Inclusive a da cidade, onde o governador do Estado massacrou recentemente os professores com um show de polícia raras vezes visto no país. Seus robocops, entre 1.600 e 3 mil, farejavam cada passo dos manifestantes como cães de guerra.

Fatos jornalísticos de impacto mundial, acompanhados pela mídia internacional, sequer foram arranhados pela mídia nacional. A bem dizer, esse acontecimento foi abduzido. Só lhe interessa o vídeo show da manipulação do duelo que não houve — nem poderia haver, a não ser em mentes torturadas.

Esse filme nós já vimos.

Aconteceu em 1982. O escândalo Proconsult. Para impedir a vitória de Brizola contra o Gato Angorá.

Aconteceu em 1989. O Collor × Lula. Direção de Boni, Alberico de Souza Cruz e grande elenco.

Aconteceu em 2006. A sonegação da tragédia da Gol para levar a eleição para o 2º turno.

Aconteceu em 2010. A bolinha de papel que virou atentado contra o Careca.

Acontece desde antanho, me ensinou o amigo Joel Rufino dos Santos, inesquecível historiador.

Nossa classe dominante é bamba nisso. Fabricada a “versão oficial”, saem a campo para vendê-la o pelotão de legistas que assina em confiança, de juízes que não mandam apurar torturas por falta de provas, os robertos marinhos, os zezinhos bonifácios, os condes de assumar e os lacerdas.

Verdades oficiais em pencas, rotas e que rendem bilhões.

Leia também
Depoimento em Curitiba: Coletânea de frases de Lula que você não verá na Globo
Lula em Curitiba: “Nunca tive tanta vontade de voltar a ser presidente como agora”.
A Lava-Jato usa provas plantadas?

Uma resposta to “Palmério Dória: O inusitado acontecimento político de um setentão em Curitiba”

  1. Bene Nadal Says:

    Dessa vez o Golias venceu o Davi… Com todas as honras!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: