Lula em Curitiba: “Nunca tive tanta vontade de voltar a ser presidente como agora”.

Lula aos manifestantes: “Minha relação com vocês é de companheiros de projeto de país e construção de sociedade civilizada”. Foto de Ricardo Stuckert.

Ex-presidente discursou para milhares de pessoas, após oitiva com Moro, e disse que quer voltar à Presidência e consertar o país, o que a elite brasileira não tem competência para fazer.

Rodrigo Gomes, via RBA em 10/5/2017

Após cinco horas de depoimento ao juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava-Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou indignação às milhares de pessoas que o aguardavam na Praça Santos Andrade, em Curitiba, e agradeceu o apoio recebido. Lula destacou o massacre que vem sofrendo por setores da imprensa e do judiciário, mas afirmou que isso só tem deixado ele com mais vontade de concorrer nas eleições de 2018. “Só o Jornal Nacional, em doze meses, publicou 18 horas de matérias negativas contra o Lula. Para que eu seja massacrado antes do dia que vou ser julgado. Quero dizer que estou vivo e estou me preparando para voltar a ser candidato à presidência deste país. Nunca tive tanta vontade de voltar a ser presidente como agora. Vontade de fazer mais e melhor. E provar mais uma vez que se a elite brasileira não tem competência para consertar esse país, um metalúrgico vai”, afirmou, sendo fortemente aplaudido.

A oitiva de hoje foi parte das investigações da suposta propriedade de Lula sobre um tríplex no Guarujá, no litoral paulista, que teria sido reformado e repassado ao ex-presidente pela construtora OAS de forma ilegal. “Eu não seria digno de vocês, do carinho que vocês estão tendo comigo, se eu tivesse alguma culpa e falando com vocês agora. Eu virei em quantas audiências for necessária. Prestarei quantos depoimentos forem necessários. Se tem algum brasileiro, ser humano, em busca da verdade, sou eu”, disse o ex-presidente.

“Jornal Nacional, em 12 meses, publicou 18 horas de matérias para massacrar o Lula. Quero dizer que estou vivo”. Foto de Ricardo Stuckert.

Lula falou sobre a inexistência de provas que sustentem as acusações contra ele. “Esperava que, depois de tanto massacre, eles tivessem o documento que eu comprei, reformei o apartamento, com escritura registrada em cartório. Mas nada, nada. Perguntaram se eu conheço o Vaccari [Neto, ex-tesoureiro do PT], o (Paulo) Okamotto (diretor do Instituto Lula). Lógico que eu conheço e não tenho vergonha dessas pessoas. Não quero ser julgado por interpretações, mas por provas”, disse Lula.

O ex-presidente se disse emocionado com a presença de milhares de pessoas, que vieram de várias partes do país para se solidarizar com ele. “Jamais pude imaginar que um ônibus pudesse sair do Acre para prestar solidariedade ao Lula. Se não fossem vocês, eu não suportaria o que eles estão fazendo comigo. Eu disse para eles. Essa era minha consciência. Minha relação com vocês é diferente do que os políticos têm com os eleitores. Eu não tenho relação de candidato e eleitor. A minha relação é de companheiros de projeto de país e construção de sociedade civilizada”, disse Lula, emocionado.

Lula lembrou de sua mulher Marisa Letícia, que morreu em fevereiro deste ano vítima de um Acidente Vascular Cerebral, seus cinco filhos e oito netos, para ressaltar o carinho que a população que foi até Curitiba estava manifestando por ele. E que permaneceria digno a todos. “Eu só posso dizer uma coisa. Em meu nome, em nome do meu partido, em nome dos movimentos sociais que estão aqui, em nome dos partidos solidários, do movimento sindical: se um dia eu tiver que mentir, eu prefiro que um ônibus me atropele em qualquer rua deste país. Eu jamais poderia mentir para pessoas como vocês que acreditam e me seguem há tanto tempo”, afirmou, em lágrimas.

Ele ainda explicou o motivo do pedido feito ao juiz Moro, para que toda a audiência fosse transmitida ao vivo, inclusive com a filmagem do magistrado. “Minha mãe viveu e morreu analfabeta. Ela dizia que conhecemos quando as pessoas estão dizendo a verdade, não pela boca, mas pelos olhos. Por isso, queria que as pessoas vissem os olhos de quem está perguntando e quem está respondendo”, disse.

Telefonema de Ana Júlia
Antes de encerrar o ato, Lula chamou a estudante secundarista Ana Júlia, que ficou conhecida no ano passado após um discurso na Assembleia Legislativa do Paraná. O ex-presidente se disse emocionado por ter recebido um telefonema dela dizendo que se filiaria ao PT em resposta às arbitrariedades que estão fazendo contra ele. “Eu não preciso que ela se filie ao PT para eu gostar dela. Eu preciso que ela continue falando o que pensa, lutando pela democracia, continue sendo forte”, afirmou.

“Eu não acredito que tô passando por esse momento. É uma honra imensa pra mim estar ao lado de quem mais construiu universidades públicas nesse país. Eu aprendi que é preciso defender a educação do nosso país e é isso que vou seguir fazendo”, disse Ana Júlia.

Dilma critica sequência de golpes
A ex-presidenta Dilma Rousseff discursou antes de Lula. Agradeceu aos movimentos que o apoiam e destacou que “é uma emoção imensa ver vocês aqui em todo esse dia se manifestando, lutando, mostrando essa imensa alegria que é a certeza que esse país não vai continuar por este caminho de golpe atrás de golpe”. Afirmou também que o primeiro golpe foi feito com seu impeachment. “O segundo, feito com o teto dos gastos para educação e saúde. Agora, conspiram para aprovar a mais grave mudança nas leis de proteção ao trabalho que o Brasil já viu. Nem na ditadura militar ousaram tirar o direito dos trabalhadores”, disse em alusão às reformas trabalhista e da Previdência.

Dilma também lembrou que os conservadores no país perderam as quatro últimas eleições presidenciais e que para alçar o que queriam foi precisa dar um novo golpe no país. “Mas temos responsabilidade com a democracia. Ela exige que não deixe dar estes golpes. Principalmente quando eles querem inviabilizar por meios absurdos, injustos e com perseguição, inviabilizar as condições de cidadania para que nosso querido ex-presidente Lula se coloque para ser aceito ou não, votado ou não”.

“Lula vai derrotar esse retrocesso que hoje o governo golpista está fazendo em Brasília a portas fechadas querendo acabar com a Petrobras, vender nossas terras para estrangeiros, abrindo nossa indústria para ser vendida a preço de banana”, finalizou.

Lula a Moro: “Doutor, apresentem uma prova, chega de diz-que-disse. Se vocês têm provas, mostrem!”

Uma resposta to “Lula em Curitiba: “Nunca tive tanta vontade de voltar a ser presidente como agora”.”

  1. magda f santos (@magdafsantos) Says:

    ESTE É NOSSO PRESIDENTE LEGÍTIMO QUE NÃO É QUALQUER GOLPISTA MAL INTENCIONADO IRÁ DERROTAR!! SE QUEREM PRENDER PARA INVIABILIZAR A ELEIÇÃO VÃO TER QUE PRENDER TODA A NAÇÃO!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: