Moro e o crime organizado: A visão que Karl Marx não teve

Armando Rodrigues Coelho Neto, via Jornal GGN em 2/5/2017

A greve geral foi um sinal de alerta. Muito a se questionar, mas nada a comemorar. Quem faz o mais faz o menos. O congresso mafioso (parte dele financiado pela Odebrecht) é o mesmo do golpe.

O ex-Supremo Tribunal Federal (antes conhecido como “grande balcão de negócios”) é o mesmo que calou sobre o “impeachment tabajara”. Juízes continuam a dizer que precisam julgar em consonância com a opinião pública. Mas são eles que vazam informações para formar essa mesma opinião.

O pensamento único, capitaneado pela Rede Globo de Televisão, continua dando sustentação a maior farsa política e jurídica do século.

Fato: o crime organizado está no poder. Partido político não é organização criminosa. Ainda que a Globo (por exemplo) tente impor outra ideia do que possa ser crime organizado, a doutrina jurídica internacional pontifica que crime organizado ocorre quando todos os poderes de um país têm membros do crime como suporte.

Isto posto, mesmo que delegados da PF tenham apregoado que o PT aparelhou as instituições, nunca apontaram sequer um carcereiro petista no órgão. Pelo contrário, aquela Swat de proveta virou comitê do Aécio. Os mais extremistas, quando não fizeram tiro ao alvo no rosto de Dilma Rousseff, publicaram em suas páginas sociais: “PF a única e real oposição ao PT”.

Crime organizado é um conceito com o qual Marx Karl Marx não teria trabalhado. Mas, ele falava de supraestrutura social – expressão distante das apostilas policiais. Grosseiramente, supraestrutura seria o ponto nevrálgico no qual se produzem e se disseminam ideias que legitimem as ações do Estado em prol de interesses dos grupos dominantes. Traz a ideia de consolidação e perpetuação de domínio. Seria um processo no qual se promove a sedimentação da base jurídico-política e a estrutura ideológica vigente numa sociedade.

Nela, Estado, Religião, Artes e as formas de comunicação, etc. teriam papel inexorável. O mestre e doutor em sociologia Cristiano das Neves Bodart lida bem com esse tema. Portanto, o verdadeiro crime organizado se consolida quando domina a suprafraestrutura. Toma conta de empresas, influencia eleições, estabelece a cultura cartorial e corporativa, assume o controle do Estado.

Desse modo, compra certidões, sentenças com votos inéditos e rebuscados; sepulta doutrinas jurídicas e recria outras; traz para tempos de paz teorias de guerra (a tal teoria do domínio do fato serve de prova disso).

Desse modo, hoje, mais que nunca, a Odebrecht mostrou quem efetivamente tinha o domínio do fato e atiça a superestrutura. Uma capacidade de influência forte, proativa em favor da ganância, do lucro, do poderio. Longe, muito longe, portanto, do insólito e inexpressivo poder decisório de Lulas, Zés Dirceu e outros.

Quando Lula foi eleito (primeiro mandato), este servidor disse num grupo fechado da Polícia Federal que o PT não chegou ao poder. Apenas venceu eleições. Riram. Complexo demais para filhote da ditadura entender. Mas, por decoreba, repetiam que na vigência do crime organizado “o presidente da República não manda, obedece”.

Mais à frente, um alto barnabé da PF disse quase que textualmente: “Não sei quem manda nesse país. Converso com Lula, ele chama ministros, especialistas, diz quero isso e aquilo para a PF. Ele mostra dedicação, empenha a palavra. Sinto sinceridade, mas nada acontece. Não sei quem manda o País, nem onde trava”.

Com a reeleição da presidenta Dilma Rousseff (Fora Temer!), um ex-auditor fiscal, hoje advogado, com trânsito na área, disse que a presidenta estava sendo sabotada na área econômica e que havia um paredão de oportunistas a impedir até um simples aconselhamento. Era o Estado aparelhado contra o PT, de forma a deixar claro que o controle do país sempre esteve fora do poder legalmente instituído.

O exercício da Presidência era tão inexpressivo quanto os atos do impostor Temer, hoje coagido pela Farsa Jato e refém das forças estranhas que o cercam. Isso não é defesa do impostor. O fato é que ele “mesoclisando” e um sapo coaxando não faz diferença.

O PT tentou ser pragmático nesse lamaçal sem a expertise do tucanato. Lula e Dilma foram vítimas do oportunismo até de supostos “aliados”. Foram pródigos em concessões, perfumarias e postulados de boas intenções. Foram autores e vítimas num contexto que dei de chamar sociedade de Moros, Marinhos, Mesquitas, Malafaias e maçons (há maçons e maçons).

Essa tal sociedade é a própria supraestrutura. Nela, a Farsa jato é a negação de si mesma. Seus rompantes morais, legalistas, redentores e messiânicos esbarram no sangue cultural que corre nas esclerosadas veias de seus protagonistas.

A Farsa Jato segue contraditória, finge combater o crime fortalecendo outra facção. Finge um jogo político de um lado a serviço de outro. Nega ambos os lados quando quebra empresas sinalizando com a alternância corporativa. É como se o pais precisasse mudar de dono.

Sob outro ângulo, quando tenta destruir Lula/PT, atinge conceitualmente a possibilidade de uma sociedade inclusiva e mais justa – a única força que poderia ameaçar a tal supraestrutura simbolizada por Moros, Marinhos, Malafaias… Seriam os oficiantes da Farsa Jato cúmplices ou inocentes úteis?

Eis que, o país que há pouco debatia direitos trabalhistas para empregadas domésticas, está domesticado pela supraestrutura, com a expectativa de que outras categorias a elas sejam equiparadas (no mais desumano dos sentidos). E Sérgio Foro permanece como lanterna que mais cega do que ilumina.

Armando Rodrigues Coelho Neto é jornalistas e advogado, delegado aposentado da Polícia Federal e ex-representante da Interpol em São Paulo.

2 Respostas to “Moro e o crime organizado: A visão que Karl Marx não teve”

  1. Aristóteles Barros da Silva Says:

    A megera batizada de “farsa-jato” está com os dias contados e seus paus-mandados voltarão ao lugar que lhes cabe: ostracismo!

  2. Eliane Barroso Says:

    É uma “Farsa Jato”!!!!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: