A Amazon feriu Dória no lugar que mais lhe dói depois do bolso: o ego

Kiko Nogueira, via DCM em 28/3/2017

João Dória é um narcisista. Não pode ser contrariado. O que não é espelho não serve. Ou somos todos Lucilia Diniz (para quem o amigo é “um homem movido a desafios sempre em busca de novos projetos!”, com exclamação!), ou somos inimigos e não gostamos de São Paulo.

Em tempo recorde, ele foi inventado como candidato por Geraldo Alckmin, eleito e alçado à condição de alternativa da direita a Bolsonaro para 2018, tudo baseado na conversa mole de que é “gestor”.

Sem inteligência emocional, vulnerável a qualquer provocação, está abrindo várias frentes de batalha, como o velho Adolfo, e, como o velho Adolf, não dará conta de tantas brigas.

Chamou um cidadão para a porrada na Vila Madalena no Carnaval, onde achava que seria aclamado. Ciro Gomes, que o classificou de “farsante”, deveria “cuidar de sua saúde mental”.

Tudo isso enquanto xinga Lula de “vagabundo” em vídeos para manter acesa a chama do baixo nível e ver se atrai mais algum bolsominion para suas hostes.

Para Dória, as empresas são obrigadas a estar a seu lado, seja de que maneira suspeita for – ou isso, ou estão contra ele.

A Amazon é “oportunista”. A Ultrafarma, que ganhou um jabá numa reunião da prefeitura e agora banca placas vendendo Dória em jogos da seleção, é preocupada com o futuro do Brasil.

A campanha para divulgar o e-reader Kindle questiona os muros cinzentos da cidade depois do estupro da 23 de Maio.

Filmado à noite, numa atmosfera meio distópica, o vídeo começa com a pergunta: “Cobriram a cidade de cinza?”. Em seguida, citações de escritores famosos aparecem projetadas nas paredes.

Dória gravou uma resposta. Visivelmente incomodado, pede doações. Na legenda do post no Facebook, escreveu que “existem várias formas de a Amazon ter uma postura cidadã autêntica e não oportunista”.

Seus fiéis soldados do MBL já compraram a briga e estão tendo os chiliques combinados para defender o chefe.

JD repete seu ídolo não assumido Donald Trump, que mora no Twitter xingando e ameaçando seus detratores. A imprensa norte-americana especulou, recentemente, sobre uma possível doença mental do presidente norte-americano: transtorno de personalidade narcisista.

Em fevereiro, um grupo de psiquiatras e psicólogos enviou uma carta ao New York Times alertando para “a grave instabilidade emocional demonstrada nos discursos e nas ações do senhor Trump”.

Dória ataca o destempero de Ciro, mas reage de maneira desproporcional a qualquer sinal que não seja um afago. Está acreditando piamente no personagem que criou, com a mãozinha de Alckmin, que a essa altura deve estar desesperado.

Uma das frases do anúncio da Amazon lhe cai bem: “Os melhores livros, compreendeu, são aqueles que dizem o que você já sabe”. É de George Orwell em “1984”.

Dória espera da Amazon – e da sociedade – o que fazem seus assessores: sabujice e um bom negócio. Qualquer coisa fora do script deixa Narciso en-lou-que-ci-do.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: