“O pior analfabeto é o analfabeto político”: Uma conversa com Bertolt Brecht

“Temam menos a morte do que a vida insuficiente”.

Camila Nogueira, via DCM em 25/3/2017

Se nos perguntarem qual o texto pertencente a série “Conversas com escritores mortos” que, ao longo desses anos, mais nos marcou e mais fala ao leitor do DCM, nossa escolha repousará muito provavelmente naquela com o dramaturgo, diretor e ativista social alemão Bertolt Brecht (1898–1956). Os trechos que utilizamos constam em suas peças, poemas e tratados. A tradução foi feita pela autora da entrevista.

Herr Brecht, qual é a importância da consciência política?
Só podemos mudar a realidade quando somos instruídos por ela. Suponho que o pior dos analfabetos seja o analfabeto político.

É mesmo? Por quê?
O analfabeto político não se informa sobre política, não fala sobre política nem participa de eventos políticos. Ele não entende que o custo da vida, o preço do arroz, do peixe e da farinha, do aluguel, dos sapatos e dos remédios, tudo isso depende de decisões políticas. O analfabeto político é tão estúpido que é com orgulho que declara detestar política, sem sequer imaginar que é da ignorância de pessoas como ele que nascem os criminosos, as crianças abandonadas, as prostitutas e os políticos corruptos, lacaios de empresas multinacionais e nacionais.

Por falar em ladrões e em prostitutas, não posso deixar de pensar na Ópera dos Três Vinténs, um dos maiores sucessos de sua vasta obra teatral. O anti-herói do musical, Macheath, possui um código moral bastante questionável. O senhor simpatiza com ele?
O bastante para parafraseá-lo: “Não sei o que é pior: roubar um banco ou fundá-lo”. Essa é uma verdade incontestável. Tenho para mim que a única verdade de fato incontestável é que a vida é uma vagabunda e então você morre.

Que verdade pessimista. Pensar em morrer não é agradável.
A maior parte das pessoas teme a morte, e eu lhes diria uma única coisa – temam menos a morte do que a vida insuficiente.

Herr Brecht, uma de suas frases mais citadas é a seguinte: “Do rio que tudo arrasta, diz-se que é violento. Mas ninguém chama de violentas as margens que o comprimem”. Que margens são essas?
Uma delas é a justiça. A justiça é simples e solenemente feita para explorar aqueles que não a compreendem e aqueles que, em situação miserável, não podem obedecê-la.

E quanto aos juízes?
Muitos juízes são absolutamente incorruptíveis: ninguém jamais conseguirá os obrigar a fazer justiça.

Quais as medidas que o senhor pensa que devem ser tomadas para remediar essa situação?
A prioridade é sempre alimentar os pobres. Para quem está bem de vida, falar de comida é desimportante. O motivo é óbvio: eles já comeram. Algumas pessoas acham que têm a missão de purificar os pobres dos sete pecados, mas deveriam alimentá-los antes de dar início à pregação – caso contrário, que proclamem sua adorável filosofia, mas aguardem o pior. Primeiro vem a comida, depois a moral.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: