Para exportadores, ação da PF favorece EUA e Austrália

Via Reuters em 18/3/2017

O presidente da AEB, associação que reúne os exportadores brasileiros, José Augusto Castro, considerou uma tragédia histórica a notícia de que frigoríficos brasileiros pagavam propinas a fiscais sanitários para liberar carnes e acredita que o impacto do escândalo vai além do mercado de proteína animal, influenciando também os preços de grãos no mercado global.

Ele avaliou que carne de origem duvidosa é menos valorizada no mercado e para que possa a voltar a entrar nos mercados consumidores externos, os compradores podem oferecer preços menos atrativos e fazer uma análise de qualidade mais minuciosa. Isso aumentaria o custo ao exportador nacional.

“É a maior crise da história do Brasil do mercado de carnes”, disse Castro à Reuters. “Vai aumentar custo com mais fiscalização e menos receita. Podemos ver uma perda de competitividade”, acrescentou, citando como possibilidade a imposição de barreiras fitossanitárias mais rigorosas entre os importadores da carne nacional, além de perda de mercados para fortes concorrentes como Estados Unidos e Austrália.

“O pior é que a denúncia envolve grandes empresas. Não tem desculpa para dizer que elas não têm estrutura”, disse Castro.

Analistas consultados pela Reuters mais cedo manifestaram posições semelhantes sobre impactos para as exportações de carne brasileira e perda de confiança de consumidores nacionais.

O secretário-executivo do ministério, Eumar Novacki, reconheceu que o governo federal teme uma reação dos mercados internacionais. “Existe sim o receio de fechamento dos mercados, mas estamos conversando”, disse o secretário a jornalistas, confirmando que instituições da União Europeia e dos Estados Unidos já fizeram contato com o governo brasileiro para levantar questões sobre a operação.

“Lógico que nos preocupa o mercado internacional. Existem falhas, mas estamos aprimorando o sistema”, acrescentou.

Os impactos dessa fraude na fiscalização no mercado de carnes também devem ser sentidos no mercado de grãos. Produtos como milho e soja, com forte presença na pauta exportadora brasileira, devem ter uma redução de preços no mercado global, na avaliação do dirigente.

“Se o Brasil reduzir a quantidade [de carne] exportada, principalmente o frango que consome muita ração, vamos deixar de transformar soja e milho em farelo; vai ter que colocar isso no mercado externo e com oferta maior isso pode derrubar o preço [dos grãos]”.

No primeiro bimestre deste ano, o preço da carne de frango exportada pelo Brasil subiu 21%, afirmou Castro. “É claro que vai perder essa alta.” Já o preço da carne bovina avançou 4,2% e a suína subiu 29% a tonelada, disse o presidente da AEB.

Para minimizar os efeitos do escândalo, Castro defende a entrada de importadores no Brasil para analisarem in loco a qualidade dos produtos.

Leia também:
Citado na Carne Fraca, Serraglio traz legado ao Ministério da Justiça

Operação Carne Fraca: Veterinário preso é contra a corrupção e chamava Lula de ladrão
Ministro da Justiça de Temer aparece em grampo da Operação Carne Fraca
Brasil se assusta com carne que chega a sua mesa, mas fecha os olhos para discussão sobre abate
Leonardo Stoppa: Interesse dos EUA na derrubada dos frigoríficos brasileiros

Ação da PF contra setor de carnes ocorre após Brasil conquistar mercado nos EUA
A República do Paraná prepara-se para destruir outro setor econômico

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: