Entre o texto do Henfil e a caricatura do Noblat

Via Blog do Valdemar em 9/3/2017

Diante dos fatos recentes em que o país retrocede e descobrimos que a nossa democracia era tão frágil quanto a índole dos conspiradores, lembrei do Henfil.

Os mais novos talvez só ouviram este nome na célebre canção de Aldir Blanc e João Bosco: “Meu Brasil que sonha com a volta do irmão do Henfil”. Trata-se de um cartunista que na sua vasta produção, entre 1977 e 1980, a pedido do então redator Mino Carta, assumiu a última página da revista IstoÉ (de saudosa memória).

O curioso é que o cartunista não desenhava neste espaço. Escrevia Cartas da Mãe. Em plena ditadura, o Henfil tematizava a reabertura democrática. Ênfase na anistia. Referia-se aos exilados, entre outros, principalmente, ao seu irmão Betinho.

Genial, com uma pauta tão arriscada, o cartunista resolveu escrever. E ainda, escrevia para a mãe. Angustiado com a situação imposta pela ditadura, Henfil falou de dores, rancores, náuseas, traumas, tumores, torturas, desaparecidos, porões, orfandade, tirania, bosta do cavalo do Figueiredo, mijo do Geisel e biscoito de farinha da Dona Maria.

Enfrentar os anos de chumbo com biscoitos amanteigados da mãe. Eita cabra criativo!

Pois quando o nó na garganta parece que vai nos enforcar, quando o chão é puxado, quando a manipulação da informação atinge gente que amamos, quando assistimos o duro trabalho de uma geração ruir com sopros de banguelas, quando reputações são destruídas, eis que pronunciamos MÃE!

A realidade sócio-política não muda, mas com a simples lembrança da mãe nos sentimos acolhidos. Podemos lutar as batalhas duras, mas preservaremos a ternura, a graça, a esperança, o humor, o deboche, o afeto, a generosidade, a amizade, a fé, a paciência, a roda de samba, a paz!

Estar atento e forte sem TEMER!

Encontrar o ponto de equilíbrio que nos inspira a continuar com firmeza e leveza. Acreditar que na sua essência, a participação da política é a busca do bem comum. Longe de ser uma disputa partidária ou choque de ideologias, hoje, no Brasil, está em curso um assalto à mão armada da elite ressentida. Impuseram uma nova ordem na “moral” com disfarces risíveis de “legal”. Furaram a bola porque perderam o jogo.

Às vezes pode “rolar” uma inveja daqueles que por puro oportunismo aderiram ao golpe e se deram bem. A pergunta “Por que prosperam os ímpios?” é tão antiga quanto o ressentimento daqueles e daquelas que se consideram just@s.

Nossa responsabilidade é na medida do possível com a coerência e correção. Quanto aos resultados, não temos tanto controle assim. Continuar inquietos é sinal de vida.

Quanto ao fator Noblat, tenho preguiça para analisar. Portanto, contento-me com uma breve referência:

“Em nome de interesses pessoais, muitos abdicam do pensamento crítico, engolem abusos e sorriem para quem desprezam. Abdicar de pensar também é crime”.
Hannah Arendt

Em terra em que a realidade já é caricata em si, cartunistas recorrem ao texto como recurso terapêutico. Assim como a situação pode ser uma piada pronta, também, pode a realidade transformar-se em caricatura pronta.

“A bênção Mãe!”

Valdemar Figueredo Filho é cientista político e teólogo nas horas vagas. Místico de olhos abertos. Eventualmente poeta sem rima, mas deslumbrado com o prosaico.

Leia também:
Site do Planalto posta fotos de Temer na festa de Noblat em retribuição a favores prestados
Com direito a beijo na mão de Aécio, Chico Alencar foi a cereja do bolo na suruba da festa de Noblat
“Como você conheceu a Marcela?”: A morte do jornalismo no Roda Viva de Temer
Como a mesma mídia que destruiu Dilma fracassou na construção de Temer
A semana da pós-verdade brasileira
A resposta que se afogou com Teori e os miados de Noblat
DCM: A seleção dos jornalistas mais reacionários de 2013
Mídia golpista: O inútil esforço para destruir um mito
Defesa de Lula interpela Ricardo Noblat, amigo de Moro, sobre declarações no Twitter
Amigo de Sérgio Moro: O caso Noblat é uma lição para os futuros jornalistas
Noblat diz que Moro lhe contou que condenará Lula, mas não o prenderá
Leal a Dilma, Exército desmente Noblat e Merval
Ricardo Noblat confirma: Aécio continua faltando ao trabalho no Senado
Jornalismo urubu: Chico Caruso, Noblat e a canalhice de fazer humor com Santa Maria
Noblat grita “apagão” e revela agenda anti-PT
Mais uma mentira, ou “inverdade”, de Noblat
Carta aberta a Ricardo Noblat: Cadê a fita?
E agora Noblat?: A fita com as declarações de Valério não será divulgada, porque ela não existe
Toffoli julga mulher de Noblat por rombo de R$33 milhões no Incra
Noblat, Toffoli e a armadilha da Globo
Eduardo Guimarães: Crie vergonha nessa cara, Noblat!
Noblat e o jornalismo adivinhativo

2 Respostas to “Entre o texto do Henfil e a caricatura do Noblat”

  1. Eliane Barroso Says:

    Pô… misturar Henfil com Noblat é sacanagem!!!! Henfil deve estar se retorcendo …. Noblat? NÃO!!!!

  2. Geraldo Franco Says:

    Teimo em tentar a ser piadista criativo, à la mode: este NOBre AToa merece o castigo do seu esquecimento, mesmo entre convescotes políticos do costume atual O olvido pode ser o maior prêmio que se dê a quem NADA merece. Talvez seja esse o caso!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: