Como Dória armou com a mídia amiga o factoide de sua viagem triunfal aos Emirados Árabes

joao_doria113_qatar

Dória com o presidente da Abu Dhabi Motorsports.

Pedro Zambarda de Araujo, via DCM em 3/3/2017

“A empresa está fazendo doação, não tem dinheiro público. Não estamos gastando um centavo com eles. A vitamina é o de menos, eles estão fazendo uma ampla doação de medicamentos dentro desse programa. Qual é o mal? Não tem conflito de interesse [O prefeito eleva o tom de voz e ameaça encerrar a entrevista]”.

O trecho é de uma entrevista do prefeito de São Paulo ao Valor Econômico publicada no dia 1º de março. Na ocasião, ele perdeu a cabeça ao dar satisfação sobre o merchã que fez da Ultrafarma na fanpage da prefeitura no Facebook.

A rede de farmácias é patrocinadora do Lide, grupo fundado por Dória, e o conflito de interesses, juntamente com a falta de transparência, é patente.

Mas esse estilo se consolidou em uma ação de marketing jabazeira que dominou o mês de fevereiro.

João Dória Jr. viajou às cidades de Doha e Dubai entre os dias 12 e 17 de fevereiro atrás de seis fundos de investimento que são considerados os maiores do mundo.

A cobertura da mídia, numa combinação prévia de pautas e na organização da turnê, foi ostensiva. O tom triunfal preponderou, com situações constrangedoras. Sobrou jabá para todos os lados.

O jornal O Estado de S.Paulo admitiu, nas “reportagens”, que sua repórter viajou “a convite do governo dos Emirados Árabes Unidos e da Emirates Airlines”.

Dória, lê-se, foi visitar o autódromo de Yas Marina Circuit, administrado pela Abu Dhabi Motosports. “A empresa afirma movimentar o complexo cerca de 300 dias no ano. Um dos atrativos é a possibilidade de qualquer pessoa, habilitada a dirigir usufruir da pista por 20 minutos – por R$1,5 mil. Se privatizado, Dória diz que Interlagos poderá oferecer situação semelhante”, diz o texto.

Ele considera a experiência “um sucesso” e quer uma “tropicalização” da experiência internacional.

Numa nota anterior, o Estadão contou que o governo Dória e dos Emirados Árabes pagariam a viagem de quatro dias. “Para evitar custos extras, a Prefeitura afirma que Dória será acompanhado apenas de seu secretário municipal de Relações Internacionais, Júlio Serson. Os dois viajarão sozinhos, sem assessores – segundo o Estado apurou”.

A coluna Radar, da Veja, a mesma que revelou que Dória dorme “apenas três horas por noite” e que “secretários do prefeito estão exaustos com o ritmo de trabalho”, divulgou que o tucano foi recebido pelo príncipe Hamed Bin Zayed Al Nahyan, irmão do presidente de Abu Dhabi.

O príncipe surge, curiosamente, usando o bordão preferido de Dória: “Não gosto de políticos. O senhor é um gestor. Por isso, lhe recebi”.

O prefeito saiu feliz do encontro com Hamed, que tem US$900 bilhões em um fundo de investimento. O leitor saiu enganado.

O repórter Diogo Bercito, da Folha de S.Paulo, foi um dos poucos que questionou a turnê de João Dória. Perguntou-lhe se não havia conflito de interesses ao aceitar que os governos do Catar e dos Emirados Árabes pagassem sua viagem.

Dória, evidentemente, negou.

Em Dubai, João Dória Jr. se hospedou no hotel Jumeirah Al Naseem, cujo valor da diária em uma semana varia de R$2,1 mil até R$20 mil. Na cidade de Doha, ficou no hotel St. Regis que tem suíte presidencial de dois andares por R$39 mil.

Quem pagou a viagem dos jornalistas?
Diogo Bercito foi correspondente do jornal em Jerusalém e está em Madri. Ele não foi autorizado a dar entrevista ao DCM, mas a ombudsman respondeu meu email. “Todas as despesas da viagem e estadia do repórter Diogo Bercito aos Emirados Árabes foram pagas pela Folha”, informou.

A Band mandou um repórter pela agência Agaxtur de turismo. O presidente, Aldo Leone Filho, já deu entrevistas a João Dória Jr. no seu Show Business. Dória o chama de “Aldinho”.

O programa esteve na grade da Band até julho de 2016, quando JD saiu em campanha. Na televisão, o “enviado” da Band teve acesso total ao prefeito, que lhe deu uma entrevista “exclusiva” no avião em que os dois viajaram (assista o vídeo abaixo).

No rádio, a BandNews reaproveitava o conteúdo com pílulas. Só aí o cidadão era informado que o profissional viajou às custas da Agaxtur.

O DCM entrou em contato com a agência. “Temos um contrato de exclusividade com o Grupo Bandeirantes e foi desta forma que viabilizamos a viagem”, disse a assessoria de imprensa.

O consulado dos Emirados Árabes Unidos não deu detalhes sobre a parceria com o Estado de S.Paulo: “Não podemos responder esta questão e não temos um porta-voz com esta informação. Você deve se informar com o governo dos Emirados Árabes ou com empresas envolvidas na viagem”.

O Yas Marina Circuit não respondeu às perguntas enviadas pelo DCM até o momento da publicação deste artigo.

Enviei cinco perguntas à Secretaria de Comunicação da Prefeitura de São Paulo, Secom.

– O Estadão diz que o governo dos Emirados Árabes pagou a viagem. A informação está correta ou a prefeitura ajudou de alguma forma?
– A coluna Radar na Veja também foi pelos Emirados Árabes ou conseguiu a informação diretamente da assessoria do prefeito?
– Demais publicações foram financiadas por outros órgãos para cobrir a viagem ou pela prefeitura?
– O príncipe Hamed Bin Zayed Al Nahyan, além de fazer elogios ao prefeito Dória, planeja ações em São Paulo?
– Quantas pessoas foram na viagem? Somente o prefeito e assessores?

A Secom respondeu apenas que “a comitiva da Prefeitura na viagem foi composta pelo prefeito, o secretário de Relações Internacionais e um ajudante de ordens”, sem nenhum esclarecimento adicional.

Por enquanto, não há sinal do ouro da Arábia. O que temos é um tapete voador pilotado por Aladim, com um monte de oportunistas em cima e milhões de trouxas lá embaixo.

Leia também:
Gestão Dória afirma “enxugar” fila de exames com Corujão, mas não revela dados atuais de espera
O piti de Dória em entrevista ao Valor mostra o truculento que vive sob o botox
Descoberto o esquema de Alckmin e Dória para dar remédio quase vencido à população
O rei do engodo: João Dória coloca até cemitérios à venda em São Paulo
Além de fechar farmácias do SUS, Dória quer privatizar o Samu
Para “doar” remédios a programa de Dória, Alckmin reduz impostos de farmacêuticas
Na saída para o Carnaval, Alckmin dá isenção de ICMS para “doadores” de Dória
Há um ano, Bruno Covas, vice do Dória, forjou vídeo para “provar” que sítio era de Lula
Por que Dória não tira Lula da mente e da boca?
Dória veste sua fantasia definitiva no Carnaval: populista bobo vaiado
João Dória apaga elogios a Eike Batista no Twitter e quer censurar entrevista
Imperdível: João Dória entrevista Eike Batista
Dória, um Jânio com 100 anos de atraso
Enquanto corta leite das crianças, Dória prevê gastar R$100 milhões com propaganda
Quem é “cara de pau”, seu Dória?
Dória recebeu R$951 mil de agência do governo federal chefiada por amigo
Lula desmente Estadão e interpela na Justiça Dória Jr., o Trump tupiniquim
Dória: “Se for prefeito, vou vender o Pacaembu, Interlagos e o Anhembi.”
Gestão tucana: Ação publicitária em site de moda custou R$301 mil ao governo Alckmin
Choque de gestão: Alckmin paga R$1,5 milhão a Dória Jr., pré-candidato à Prefeitura de São Paulo
FHC é o homem do ano na Nova Iorque de Miami
Além do blogueiro dos R$70 mil, João Dória Jr. recebe mais de R$500 mil por mês do governo Alckmin
Sócia de blogueiro dos R$70 mil é casada com assessor que trabalhava dentro do Palácio de Alckmin
Blogueiro dos R$70 mil será investigado?

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: