Fernando Haddad e o ProUni

prouni_logo03

Fernando Haddad, em 23/2/2017

Quando eu, Ana Estela Haddad e Tarso Genro criamos o ProUni, diziam que nós queríamos rebaixar a qualidade do ensino superior. Pois é. Os prounistas elevam a nota média das instituições que aderiram ao programa.

O pessoal do contra confundia renda e riqueza com mérito. Nada a ver. Só faltava aos estudantes da escola pública uma oportunidade.

Parabéns galera do ProUni.

***

BOLSISTAS DO PROUNI TÊM NOTA MAIS ALTA NO ENADE QUE SEUS COLEGAS DE CLASSE, DIZ ESTUDO
Pesquisadores analisaram mais de um milhão de notas do Enade entre 2012 e 2014; cotistas sociais e raciais e alunos com contrato do Fies tiveram nota igual à dos estudantes sem benefícios do governo federal.
Via G1 em 23/2/2017

Uma pesquisa que analisou a nota de mais de um milhão de universitários brasileiros no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) mostra que os estudantes com bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni) tiveram nota mais alta do que estudantes não beneficiados pelo programa. A pesquisa também comparou o desempenho dos estudantes com contrato do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e de cotistas sociais e raciais de universidades federais, e descobriu que, nesses casos, as notas dos beneficiados pelos programas foram iguais às dos estudantes não-cotistas ou sem financiamento do governo federal.

O estudo foi realizado por Jacques Wainer, professor titular do Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas, e Tatiana Melguizo, professora associada da Rossier School of Education da University of Southern California. De acordo com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Wainer teve o apoio da fundação para uma bolsa de pesquisa relacionada ao tema.

A escolha pela nota do Enade, segundo os pesquisadores, permite medir os “conhecimentos totais adquiridos pelo aluno durante o ensino superior e sua preparação para a futura carreira profissional”, já que o exame é aplicado aos estudantes que estão em vias de se formar na graduação.

Em entrevista ao G1, Wainer, que trabalha no Instituto de Computação da Unicamp, afirmou que “a grande maioria dos artigos brasileiros” estudam número de uma única universidade. “São professores que têm acesso às notas e fazem as contas para a universidade”, explicou ele. De acordo com o professor, há outros estudos que já usaram as notas do Enade para medir os efeitos das políticas de inclusão no ensino superior. Segundo eles, como a nota no Enade não afeta a graduação do estudante, nem todos se preparam ou levam as questões a sério. Porém, quando um grande número de notas entra na análise, o artigo defende que exame pode corresponder “em parte ao conhecimento adquirido pelos alunos”.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: