Governo Macri: Argentina confirma a pior inflação em 25 anos

argentina_macri23_ditador

A Argentina acaba de confirmar oficialmente que em 2016, o primeiro ano com Macri à frente do país, a inflação foi de 41% em Buenos Aires

Carlos Cué, via El País e lido na Carta Maior em 12/1/2017

A Argentina acaba de mudar seu ministro da Fazenda, e Maurício Macri começa o ano com o otimismo que o caracteriza. Está convencido de que 2017, que se encerrará com eleições cruciais, será muito melhor que seu primeiro ano de mandato. Os analistas concordam em que a Argentina voltará a crescer em 2017, depois de vários anos de estancamento e um de recessão. O governo poderá no final dar boas notícias a seus cidadãos, dentro de alguns meses. Mas a chave de tudo na enlouquecida economia do país austral continua passando pela inflação. E aí, apesar das previsões positivas do Executivo – o ministro anterior, Alfonso Prat-Gay, chegou a dizer que a inflação “já não é assunto” –, o fracasso do governo em seu primeiro ano foi notável.

A Argentina acaba de confirmar oficialmente que em 2016, o primeiro ano com Macri à frente do país, a inflação foi de 41% em Buenos Aires, que dita a tendência em todo o país. Agora está em discussão se é a pior inflação dos últimos 14 ou 25 anos, mas não há dúvida de que é um dado péssimo, muito acima dos 25% que Macri prometeu pouco depois de chegar ao poder. Em 2002, depois de uma desvalorização de 300%, a inflação chegou a 41%, a mesma que agora. Para ver outra superior é preciso retornar a 1991 (84%), antes de a Argentina decidir que um peso valia um dólar, a chamada convertibilidade, o que freou a inflação, mas acabou muito mal em 2001.

A coisa poderia ter sido ainda pior se o aumento não fosse freado ligeiramente em dezembro, um mês em que os preços subiram menos que no resto do ano (1,2%). O governo se aferra a este último dado para acreditar que a partir de agora as coisas vão começar a se acalmar, mas o certo é que, enquanto um país como o México está inquieto com uma inflação de 3,36% e o peso mexicano se desvaloriza em relação ao dólar, o Executivo argentino consideraria um grande êxito uma inflação de 20% para 2017. E nem sequer parece fácil ficar aí. Só a Venezuela, uma economia descontrolada, supera os índices argentinos.

Quando se entra nos detalhes, as cifras são impactantes se for levado em conta, além do mais, que já antes desses aumentos de preços descontrolados a Argentina era um dos países mais caros da América Latina. A cada dia que passa fica ainda um pouco mais porque os outros não seguem o seu ritmo. Como o peso argentino pouco se desvalorizou ao longo do ano – o dólar se alterou em uma faixa entre 15 e 16, com pequenas altas e baixas especulativas –, a competitividade do país continua caindo em comparação com seus vizinhos.

Nem todos os argentinos sofrem com angústia este problema porque os salários dos trabalhadores com sindicatos fortes – caminhoneiros, petroleiros, porteiros, metalúrgicos, professores – sobem muito acima dos 30%. Mas os 35% da população que vivem na economia informal e têm mais dificuldades para conseguir aumentos de salários, esses sofrem.

Segundo os dados oficiais, os alimentos em Buenos Aires subiram 33% no ano. A queda do consumo em supermercados, superior a 5%, fez com que na última parte do ano eles tenham feito ofertas para tentar atrair clientes, o que limitou um pouco os aumentos no início do ano. O sistema é caótico. Ninguém sabe quanto a compra vai custar, há ofertas por dias, por tipo de cartão, por produtos. É quase uma loteria, e o governo pôs em marcha uma página na Internet para comparar preços, a qual não teve muito sucesso. As bebidas alcoólicas e o fumo aumentaram 76%. Mas o ponto mais doloroso é a categoria “moradia, água, eletricidade e outros combustíveis”. Aí se alcançou 71%, com picos em alguns gastos, como o gás, de 400%, pela redução dos subsídios que os Kirchners haviam colocado em prática. Em saúde, educação e outros itens essenciais para qualquer argentino, a inflação beirou também os 40%. Mas isso já passou. O problema maior é que 2017 começa com novos aumentos. O combustível subiu 8% e se esperam outros reajustes durante o ano. Os pedágios vão subir 120%.

Os telefones, 12%. A água, 300%, depois de uma sentença judicial. A luz, 36%. A saúde privada, 6%, e continuará em alta. Os impostos residenciais, 30%. As escolas particulares, que começam em março, também estão impondo aumentos de 30%. Os sindicatos já se preparam para negociações salariais duras, como todos os anos, e o governo sabe que enquanto não conseguir controlar a inflação não poderá falar de êxito. Por ora, o objetivo parece distante, embora seja quase certo que não se chegará ao desastre desses 41% de 2016.

Uma resposta to “Governo Macri: Argentina confirma a pior inflação em 25 anos”

  1. Eliane Barroso Says:

    Eta lelê!!! E salve o neoliberalismo tupiniquim! Argentina, não fique triste não, já já vamos te fazer companhia! Somos você amanhã!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: