Janio de Freitas: A indiferença é a origem do massacre em Manaus

presidios04_manaus

Janio de Freitas em 5/1/2017

O país todo está horrorizado. Discute se a culpa é do Judiciário ou dos governos, dos políticos ou da legislação penal e, claro, das garras da corrupção sobre as verbas do sistema carcerário.

A discussão é fácil e aliviante: cada uma daquelas partes colaborou nos movimentos dos facões que degolaram e esquartejaram em Manaus. Mas o país deveria horrorizar-se antes, em qualquer das dezenas de anos do seu conhecimento e da sua indiferença pelas condições – criminosas tanto nas leis brasileiras como nos acordos internacionais – a que os encarcerados são aqui submetidos. Não o fez jamais.

Aquelas quotas de responsabilidade e o massacre em Manaus provêm da mesma origem: a indiferença que faz com que reações como o horror sejam o reflexo do incômodo, pessoal e grupal, que dado acontecimento provoque, e não a revolta ativa contra o acontecimento e sua viabilidade.

Desviadas as atenções para outra atração, o horror desaparece devorado pela indiferença. É a índole brasileira em atividade.

A grande maioria das sentenças a encarceramento não leva ao que o juiz determina – privação da liberdade por tempo determinado.

O mais importante da condenação não aparece na sentença: é o tratamento que o encarcerado receberá.

A tortura da promiscuidade nojenta nos cárceres superlotados, comida e dejetos humanos unidos no odor e no ambiente, medo e alucinação.

É tortura sob formas a que as instituições brasileiras são secularmente indiferentes.

Aquelas mesmas que, originadas na escravidão aqui mantida até o último limite, transpuseram-se para as relações econômicas, sociais e culturais da classe escravagista e seus novos subjugados – os ex-escravos abandonados no tempo e no espaço, acrescidos da miséria cabocla.

Qualquer cidade é um atestado vivo de que o Brasil não teve mudança essencial com o fim formal da escravidão.

Dos 622 mil encarcerados, mais de 40%, ou cerca de assombrosos 250 mil, estão sob prisão “provisória” há meses, há anos, que deveriam durar 30 dias, se tanto.

Ou nem isso, porque esses “provisórios”, se e quando afinal chegam ao julgamento, na maioria são absolvidos.

Logo, nem sequer precisariam ou deveriam passar por prisão provisória.

No Amazonas, dos 4.400 encarcerados, 2.880, ou 66%, são presos “provisórios”.

Não menos expressivo da secular e perversa indiferença brasileira: cerca de metade dos sentenciados à cadeia não cometeu crime violento.

Ao menos parte, portanto, e o provável é que grande parte, conforme o Direito Penal menos obsoleto, deveria cumprir penas alternativas, sem chegar ao cárcere.

A maioria dos “especialistas”, além da superficialidade que sobrevive a todos os massacres e incidentes penitenciários, continua a reclamar por mais cárceres, considerando uma carência de 240 mil a 250 mil vagas.

Melhor seria passar por um crivo os 250 mil presos “provisórios” e os passíveis de penas alternativas.

O resultado provável é que o número de cárceres não é o problema nem a solução propalados.

A oferta de incentivo, ensino e trabalho talvez lhes pareça, afinal, a melhor maneira de inverter o avanço permanente da disponibilidade de crianças e jovens para a marginalidade, vestibular do crime.

O oposto à política econômica e social do governo Temer.

***

LÉXICO
Leandro Fortes em 5/1/2017

Embora familiarizado com mesóclises, Temer tem enorme dificuldade em usar as palavras certas, deficiência típica de quem não tem coragem de enfrentar o mundo de frente.

O ilegítimo chamou a chacina do presídio de Manaus de “acidente”.

É da turma que chama o golpe de 1964 de “revolução”. E o de 2016, de “impeachment”.

Uma resposta to “Janio de Freitas: A indiferença é a origem do massacre em Manaus”

  1. gustavo_horta Says:

    Assim é. País sem pudor! O TEMEROSO ACIDENTE PAVOROSO MENTE DESCARADA-MENTE E A MÍDIA, É CLARO, SE CALA CALMA-MENTE
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2017/01/06/assim-e-pais-sem-pudor-o-temeroso-acidente-pavoroso-mente-descarada-mente-e-a-midia-e-claro-se-cala-calma-mente/

    UMA NOVA MENTIRA A CADA DIA…
    UMA NOVA MENTIRA A CADA HORA… UMA NOVA MENTIRA TODA HORA!” …”

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: