Os 6 brasileiros que mais contribuíram para que 2016 fosse um “annus horribilis” para o país

sergio_moro152_aecio_istoe

Metade da lista está nessa foto.

Paulo Nogueira, via DCM em 20/12/2016

Escrevi outro dia que era mais fácil escolher quem fizera de 2016 um annus horribilis do que quem contribuíra de alguma forma para melhorar o Brasil.

Refleti e achei que seria útil elaborar a lista VIP da ruína brasileira.

Fiz uma triagem severa, ou teríamos um catálogo telefônico. Acabei ficando com seis nomes. Eles estão abaixo.

1) Aécio Neves: tinha que ser o primeiro da lista. O candidato que não soube perder.

Desde que foram anunciados os resultados das eleições de 2014 se dedicou selvagemente a boicotar a vontade expressa pelos brasileiros nas urnas.

Um telefonema seu cumprimentando a adversária vitoriosa e o país não enfrentaria o caos fulgurante destes dias.

Se há algum tipo de justiça poética, Aécio chega a 2017 completamente desmoralizado. Personagem de frequentes delações, seu desempenho nas pesquisas reflete a descoberta, pela sociedade, de que se trata de mais um moralista sem moral.

2) Michel Temer: nunca os brasileiros tiveram um presidente tão inepto, tão medroso, tão inconfiável, tão traiçoeiro, tão impopular, tão desprezado, tão pinguela.

Tão pequeno, enfim. Em tempo recorde Temer se revelou uma enorme, uma formidável desgraça nacional.

Dilma definiu-o magistralmente: um homem menor que o Brasil. Muito menor.

3) Sérgio Moro: a imagem mais marcante dele do ano é aquela em que aparece na festa da IstoÉ cochichando com Aécio e nas proximidades Temer.

Se não bastassem tantas outras evidências, aquela é a prova irretorquível de que Moro é um juiz sem isenção. E sem noção: deveria saber ao menos que as aparências de imparcialidade devem ser guardadas.

Com sua Lava-Jato, ele combateu em 2016 não a corrupção – mas o PT, de um modo geral, e Lula, particularmente.

4) Eduardo Cunha: dispensa explicações. É o símbolo de um Congresso que se especializou em vender leis para empresas.

Infernizou Dilma. O paradoxo é que enquanto ela vai passar as festas de fim de ano andando de bicicleta em Porto Alegre, perto da filha, dos netos e dos seus livros, Cunha vai ver 2017 nascer quadrado.

5) FHC: é aquela história. Só não me decepciono com FHC porque há muito tempo nada espero dele.

FHC, que na mocidade foi um intelectual de esquerda, acabou fazendo na maturidade uma opção preferencial pelos ricos.

Virou uma espécie de guia, de guru da plutocracia. Numa visão menos benevolente, tornou-se um escravo vulgar do dinheiro.

Arrastou seu PSDB para a direita golpista, uma espécie de réplica da UDN, e fecha 2016 como um dos arquitetos da República das Bananas em que o impeachment transformou o Brasil.

6) João Roberto Marinho: JRM entra na lista como representante dos barões da mídia.

Ele é o responsável pelo conteúdo do grupo Globo. Não sai nada que importe no Jornal Nacional sem que JRM saiba.

A campanha obsessiva contra Lula é filha de João Roberto Marinho. A tentativa de fazer de Moro um herói nacional é, igualmente, coisa de João Roberto Marinho.

Numa das sentenças mais notáveis de 2016, o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, radicado no Brasil, disse jamais ter visto um jornalismo tão tendencioso quanto o brasileiro.

JRM é o principal responsável por isso. Pulitzer, o maior jornalista da história, dizia que o principal dever de um jornal é estar ao lado dos pobres, dos que não têm voz.

Sob o comando da Globo, a imprensa brasileira faz o exato oposto – e poucas vezes isso ficou tão claro quanto neste 2016 que melancolicamente se despede.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: