Delação de Eduardo Cunha tem potencial para abalar governo

eduardo_cunha_pmdb303_lucas_valenca

Se resolver falar, ex-deputado pode atingir pessoas ligadas ao presidente da República e o próprio Michel Temer. “Cunha é a delação das delações, ele pode derrubar o governo”, afirma deputado oposicionista.

Via DW Brasil em 20/10/2016

A Operação Lava-Jato, que há meses vinha se aproximando da cúpula do PMDB e provocando arranhões no governo, colocou na quarta-feira, dia 19/10, um membro do alto escalão do partido na prisão: o ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. Pouco depois da detenção, a pergunta que mais se ouvia no meio político era: Cunha vai seguir o exemplo de outros presos e delatar para aliviar a pena?

O ex-deputado foi o articulador original do processo de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff e usou sua influência para convencer os colegas a votar contra a petista. Agora, sua capacidade de “influência” está em contar o que sabe. Motivos para isso ele tem.

“O Ministério Público já parece ter reunido elementos suficientes para garantir uma primeira condenação. A única possibilidade que ele tem de abrandar a pena é falar”, afirma o cientista político Ricardo Ismael, da PUC/Rio. “Isso é mais um sinal que a instabilidade não deve dar trégua para Michel Temer. Existe uma inquietação em Brasília.”

A prisão ocorreu num momento delicado para o governo do presidente Michel Temer, que se esforça para aprovar seu pacote de reformas. Oposicionistas declararam rapidamente que enxergam Cunha como uma potencial bomba a ser lançada contra Temer. “Cunha é a delação das delações, ele sem dúvida pode derrubar o governo Temer”, disse o deputado oposicionista Ivan Valente (PSOL/SP). “Ele sabe tudo sobre o PMDB.”

“O Michel é Eduardo Cunha”
Antes mesmo da prisão, Cunha já vinha emitindo sinais sobre seu potencial para enfraquecer o governo. Dias após a sua cassação, fez insinuações contra o secretário do Programa de Parcerias e Investimentos, Moreira Franco, um dos homens fortes de Temer e considerado o cérebro do seu programa de reformas.

O ex-deputado disse que Moreira estava envolvido em irregularidades no Fundo de Investimento do FGTS, que financia obras de infraestrutura no país. “Na hora em que as investigações avançarem, vai ficar muito difícil a permanência do Moreira”, disse Cunha, que cultiva uma mágoa por Franco, a quem responsabiliza em parte pela sua cassação.

Mas Cunha parece não ter munição só contra pessoas do círculo do presidente. Ao longo de uma década, ele assumiu o papel de arrecadador informal de doações para o PMDB, ajudando também a angariar verbas para a campanha de Temer à vice-Presidência da República em 2014. Já Temer, na sua condição de presidente do PMDB desde 2001, também dividiu responsabilidades com a tesouraria do partido, dando seu aval para as doações.

Caso uma eventual delação de Cunha revele que elas tiveram origem ilícita, Temer pode ser diretamente envolvido. O vice ainda enfrenta uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que investiga irregularidades nas contas da sua chapa com Dilma em 2014. Aliados de Temer tentam separar as contas de Dilma e do presidente, com o objetivo de poupar o peemedebista. O plano pode ir por água abaixo se forem lançadas novas suspeitas.

Temer mantém oficialmente distância em relação ao ex-deputado, mas cultivava uma relação amistosa antes do início da crise política. Em uma gravação, o ex-ministro Romero Jucá, um aliado de Temer, explicitou a proximidade. “O Michel é Eduardo Cunha”, disse. Além do presidente, Cunha é próximo de dezenas de deputados, a quem ajudava a arrecadar doações. Se resolver denunciar seu ex-colegas, pode renovar mais uma vez a instabilidade da base governista, que assolou o governo Dilma.

Cunha nega delação, mas costuma mudar de ideia
Logo após a prisão, o advogado de Cunha afirmou que a “delação não está no nosso radar”. O próprio Cunha afirmou repetidamente que não pretende seguir esse caminho. “Só faz delação quem é criminoso. Eu não sou criminoso”, disse em setembro. Só que o histórico demonstra que ele costuma mudar de ideia quando confrontado. Em abril de 2015, afirmou que era contra o impeachment. Meses depois, quando deputados petistas resolveram apoiar sua cassação, resolveu aceitar o pedido. Em junho deste ano, negou diversas vezes que renunciaria à Presidência da Câmara. Duas semanas depois, renunciou.

Antes de Cunha, outros políticos presos optaram pela delação. O mais conhecido é o ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT, hoje sem partido). Preso em novembro de 2015, seu acordo foi homologado menos de quatro meses depois. A divulgação deu impulso para o avanço do processo de impeachment de Dilma.

Não há previsão de que uma eventual delação de Cunha caminhe tão rapidamente. Nos bastidores, procuradores da Lava-Jato consideram que, por causa de seu papel de liderança em esquemas de corrupção, Cunha terá entregar um grande volume de informações novas e provas consistentes – e também não deve escapar de cumprir pena.

A Lava-Jato já travou outras negociações duras com atores tão centrais como o ex-deputado. A delação dos executivos da Odebrecht, por exemplo, arrasta-se desde o ano passado. Para Cristiano Maronna, vice-presidente do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, os procuradores contam com um fator a mais para pressionar Cunha. “A mulher e filha também estão sofrendo problemas com a Justiça. Isso pode ser um incentivo para que ele fale”, afirmou.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: