Ao custo de R$630 milhões, governo Alckmin comprou e nunca usou 26 trens

alckmin_metro13

Via Jornal GGN em 11/7/2016

O Ministério Público Estadual denunciou na segunda-feira, 11/7, dois secretários de Geraldo Alckmin (PSDB) e mais seis diretores do Metrô por improbidade administrativa, em função do investimento de R$630 milhões na compra de 26 trens para a linha 5 que nunca foram utilizados. Os veículos estão parados em estacionamentos há dois anos, em estado de deterioração e, de acordo com o promotor do caso, com componentes que já FICARAM OBSOLETOS PARA O ATUAL SISTEMA.

MP DENUNCIA AUXILIARES DE ALCKMIN POR IMPROBIDADE EM COMPRA DE TRENS DO METRÔ
Via RBA

O Ministério Público Estadual (MPE) de São Paulo denunciou hoje [11/7] o secretário de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissoni, o ex-secretário da pasta Jurandir Fernandes e seis ex-presidentes da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) por improbidade administrativa, pela compra e não-utilização de 26 trens para a Linha 5-Lilás (Capão Redondo-Adolfo Pinheiro). Os trens custaram R$630 milhões e estão deteriorando parados em pátios, ao longo da linha e em garagens da empresa CAF Brasil, fabricante das composições. Alguns estão sem uso há, pelo menos, dois anos.

O promotor público Marcelo Milani, autor da denúncia, enfatizou que as composições “estão abandonadas e foram vandalizadas”. “Esses trens já estão parados há dois anos, já estão perdendo a garantia. Tudo o que está colocado naquele trem, principalmente em questão de eletrônica, de funcionamento não vai ter utilidade, perdeu a utilidade”, escreveu na denúncia, segundo o portal G1.

Milani destacou que os trens não possuem o mesmo sistema de comunicação que é utilizado pelas composições que operam a linha desde 2002. E também foram produzidos para uma bitola (distância entre os trilhos) diferente da atual. “Os trens que ali [estão] não têm a mesma capacidade, tem que ser trocado no curso da mesma linha. Sem contar que tem sistema de operação completamente diferentes por isso também os agentes públicos estão sendo responsabilizados”, afirmou o promotor.

Em abril, a RBA divulgou vídeos que mostravam 12 dos 26 trens da frota P, os trans novos da Linha 5-Lilás, parados em pátios e ao longo da via. O material foi produzido pelo Sindicato dos Metroviários de São Paulo. As composições identificadas nos vídeos são: P21, P12, P34, P15, P22, P10, P19, P16, P20, P11, P18 e P02. “Você compraria dois carros com objetivo de usar um e deixar o outro parado em casa? Não, ninguém faria isso. Então, o governador precisa explicar por que comprou composições sem perspectiva de uso”, disse, à época, o presidente do sindicato, Altino de Melo Prazeres Júnior.

Os trens parados apresentavam oxidação e desgaste na parte externa, por conta da exposição às intempéries. Além disso, os metroviários explicaram que os componentes eletrônicos e de rodagem, sem uso, se degradam, levando à possibilidade de os trens apresentarem falhas quando começarem a ser colocados em uso. “É dinheiro público jogado fora. Não tem planejamento, não tem prioridade ao transporte público. Agora precisa ver qual foi o objetivo de gastar tanto dinheiro em uma coisa que não poderia ser utilizada pela população”, afirmou Altino.

A ferrovia está sendo construída desde 1998, quando era a Linha F da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Após inúmeras alterações no prazo de entrega das 17 estações, que vão ligar o Capão Redondo à Chácara Klabin, integrando-se com a Linha 2-Verde, a previsão atual de conclusão é 2018. Nem mesmo o pátio de estacionamento Guido Caloi, que abrigaria a frota P, foi concluído.

A Linha 5-Lilás transportou 269 mil passageiros por dia, em média, em 2015. E o atendimento é feito por oito trens da frota F, de 2001. Embora o trecho seja curto, com sete estações e 9,6 quilômetros de extensão, não tendo condições de receber muitas composições, o principal problema é que os trens da frota F operam como o sistema ATO, incompatível com o sistema CBTC dos trens novos da frota P. A principal diferença é que o CBTC permite reduzir a distância entre os trens, agilizando a circulação.

As assessorias de imprensa do governo Geraldo Alckmin e do secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, disseram que quem responderá sobre a denúncia é o Metrô, que ainda não se posicionou.

Atualização em 28/2/2017

TRENSALÃO TUCANO
Segunda-feira, dia 27/2, foi o 58° dia de 2017 e, pasmem, já ocorreram 44 problemas nos trens da CPTM e dois descarrilamentos de composições do Metrô em São Paulo.

A grande maioria dos problemas é por causa do sucateamento, má conservação e reformas malfeitas nos trens e vagões.

Os tucanos, que estão há 20 anos no poder no estado de São Paulo, estão envolvidos até o pescoço em casos de corrupção no chamado Trensalão, onde milhões de dólares foram desviados do transporte público afetando diretamente a população

Mas pros paulistas e paulistanos está tudo bem. Até elegeram João Dólar, o cosplay de prefeito e afilhado do governador Alckmin, no 1° turno.

É ser muito imbecil para não perceber um absurdo desses.

EM TEMPO: Os números são da Rede Goebbels. Se informaram esses dados, a possibilidade de eles serem maiores é gigantesca.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: