R$17 milhões: Tucanos se recusam a pagar dívida da campanha de 2012 de Serra

Serra_Aecio06

Via Folha online em 15/01/2016

Numa antecipação da briga interna pelo direito de concorrer à Presidência em 2018, o comando do PSDB se nega a pagar a dívida de R$17,1 milhões da campanha de José Serra à Prefeitura de São Paulo, em 2012. A queda de braço entre Serra, Aécio Neves (MG) e Geraldo Alckmin (SP) – potenciais candidatos ao Palácio do Planalto – já chegou à Justiça.

Patrocinado por Alckmin, o presidente do PSDB de São Paulo, deputado Pedro Tobias, não reconhece o passivo como do diretório estadual. Sob comando de Aécio, o PSDB nacional, por sua vez, se recusa a assumir o rombo. Desde 2012, quando foi derrotado pelo prefeito Fernando Haddad (PT), Serra pede ajuda a Alckmin. Sua última conversa com o governador aconteceu semana passada, no Palácio dos Bandeirantes.

Tobias alega que o braço paulista do partido não pode ajudar Serra porque está com seu fundo partidário bloqueado pela Justiça Eleitoral desde junho de 2014.

A empresa Campanhas Comunicação – do jornalista Luiz González – tenta derrubar esse argumento na Justiça. Responsável pela comunicação da campanha de Serra em 2012, a agência levará ao Tribunal de Justiça o balanço patrimonial do PSDB de 2014 como prova de que, em dezembro daquele ano, havia dinheiro em caixa para quitar sua dívida, cujo valor original era de R$8 milhões.

Segundo a prestação apresentada ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o PSDB de São Paulo encerrou 2014 com R$9,8 milhões em aplicações financeiras. O PSDB estadual remeteu esse dinheiro para o diretório nacional e hoje diz que não poderia dispor de recursos para bancar a dívida.

“É impagável”, diz Tobias, que sempre foi contra a assumir a despesa.

Em dezembro de 2012, depois da derrota de Serra, a Executiva estadual aceitou assumir a dívida, apesar da oposição de Tobias e de César Gontijo, à época secretário-geral do diretório paulista. “A principal característica do PSDB é a responsabilidade fiscal. Ela não se aplica só à gestão pública, mas também às finanças do partido. Por isso fomos e somos contra até hoje”, diz Gontijo.

Assim que assumiu o partido, em julho de 2014, Tobias suspendeu o acordo para pagamento da dívida, sem juros, em 25 parcelas. A última prestação foi paga em agosto daquele ano. Desde outubro de 2015, os dirigentes tucanos – à exceção de Serra – não atendem aos telefonemas de González. O jornalista foi responsável pela campanha de Gilberto Kassab, que derrotou Alckmin na disputa pela prefeitura em 2008.

Anderson Pomini, advogado do PSDB, prepara a contestação da dívida. Além do valor, ele também questionará a competência do diretório estadual para pagar o débito.

A Folha apurou que os tucanos preferem manter o dinheiro aplicado com vistas a futuras campanhas.

Leia também:
Coletânea de textos: FHC, o vendilhão da Pátria
Coletânea de textos: Quem tem Cunha, tem medo
Coletânea de textos: Doutor Sérgio Moro e sua Operação Lava-Jato
Coletânea de textos: Lista de Furnas, Mariana, Aécio Neves e o brilho de sua carreira
Coletânea de textos: José Serra, o Zezinho entreguista
Coletânea de textos: Alckmin e sua mediocridade
Coletânea de textos: Trensalão tucano e a grande quadrilha

Uma resposta to “R$17 milhões: Tucanos se recusam a pagar dívida da campanha de 2012 de Serra”

  1. Jandyra Abranches Says:

    Muy amigos.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: