UTC pagou R$1,7 milhão ao DEM por proteção em CPI

Lava_Jato_UTC_Ricardo_Pessoa02_Gim_Argello

Ricardo Pessoa, dono da UTC, e o então senador Gim Argello (PTB/DF).

Via Brasil 247 em 21/12/2015

Um dos delatores da Lava-Jato, o diretor financeiro da UTC, Walmir Pinheiro Santana, detalhou à Procuradoria Geral da República um acerto que teria sido feito em 2014 entre Ricardo Pessoa, dono da empreiteira, e o então senador Gim Argello (PTB/DF). Pelo acordo, o parlamentar atuaria para que Ricardo Pessoa não fosse chamado a depor na CPMI da Petrobras. Em contrapartida, Ricardo Pessoa faria contribuições em favor de pessoas indicadas por Gim Argello.

No total foram pagos R$1,7 milhão em favor do DEM; em favor do PR, R$1 milhão; em favor do PMN, R$1,15 milhão; em favor do PRTB, também foram pagos R$1,15 milhão, perfazendo um total de R$5 milhões.

Segundo Walmir Santana, o acerto era “um tipo de blindagem” para Ricardo Pessoa. “No início do mês de julho de 2014, Ricardo Pessoa se aproximou do declarante (Walmir Santana) e afirmou ter chegado a um acordo com Gim Argello no sentido de que ele, Ricardo Pessoa, fosse blindado em relação a CPI; que, em contrapartida, teriam que fazer doações no valor de R$5 milhões a pessoas que Gim Argello indicaria”.

O executivo prestou depoimentos em 4, 5 e 6 de agosto à Procuradoria Geral da República. Em um deles, Walmir Santana contou que após a instalação da CPMI, “existiam umas afirmações de que Ricardo Pessoa seria chamado para prestar depoimento”. O dono da UTC, segundo Walmir Santana, passou a procurar “pessoas dessa CPMI” e chegou a Gim Argello, que teria “uma certa influência” sobre Vital do Rêgo, então senador e presidente da CPMI e hoje ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo Walmir Pinheiro Santana, Ricardo Pessoa reuniu-se algumas vezes com Gim Argello.

No depoimento, Walmir Santana declarou que o dono da UTC disse que “seria procurado por uma pessoa de nome Paulo Roxo, que teria maiores instruções de como proceder. Ainda no início de julho de 2014, Paulo Roxo esteve com o colaborador e Ricardo Pessoa, ocasião em que Paulo Roxo passou a lista do primeiro pagamento que seria realizado em 10 de julho”, declarou. “Seriam feitos depósitos para o PR (R$1 milhão), para o DEM (R$500 mil), PMN (R$250 mil) e para o PRTB (R$250 mil), totalizando R$2,5 milhões.”

“Os pagamentos tratados na reunião com Paulo Roxo em 18 de agosto foram realizados em 25 de agosto; 15 de setembro e 1º de outubro de 2010; que, esses pagamentos beneficiaram o DEM (R$600 mil), em 25 de agosto; em 15 de setembro também em favor do DEM, no valor de R$600 mil e o último, em 1 de outubro, no valor de R$300 mil em favar do PRTB e R$300 mil em favor do PMN; que, houve pagamentos em 30 de julho e 15 de agosto; que, esses pagamentos decorreram de contatos telefônicos com Paulo Roxo que o instruiu a realizar, em 30 de julho, pagamentos em favar de PMN, R$300 mil, e PRTB, R$300 mil; que, em 15 de agosto, novamente foram feitos pagamentos nos valores de R$300 mil para o PMN e R$300 mil em favor do PRTB”, diz trecho do depoimento publicado por Fausto Macedo em seu blog (aqui).

O DEM negou que tenha “qualquer relação” com o ex-senador Gim Argello, que “ademais sempre integrou partido da base do governo ao qual o DEM faz oposição”. “Em 2014, o Democratas recebeu da UTC o valor de R$1 milhão, doação que foi devidamente declarada na prestação de contas do partido junto ao TSE”, informou.

O PR disse que não comentaria o assunto. Gim Argelo e os demais partidos não se pronunciaram.

Leia também:
Coletânea de textos: FHC, o vendilhão da Pátria
O “amigo” de Lula: Lista Bertin-Bumlai traz Cunha, Temer, Aloysio e Caiado
Finalmente, a Folha “descobre” que petrolão começou com FHC
Coletânea de textos: O nome é Petrobras e não Petrobrax, estúpido!
Governo FHC: Na Petrobras, Delcídio deu mais prejuízo que compra de Pasadena
Delcídio recebeu propina quando era diretor da Petrobras no governo FHC
Delcídio é um elo da corrupção histórica na Petrobras
Alerta geral: Cadê o Preciado?
Áudio de Delcídio: Dinheiro da Alstom e “cunhado” de Serra comandam o delator Baiano
Mídia esconde verdadeiras “relações perigosas” de Bumlai
Polícia Federal: Áudio cita “japonês bonzinho” que vende vazamentos para mídia
Padrinho, eleitor e financiador de Aécio, na mídia André Esteves vira “amigo de Lula”
Dono do BTG pagou R$45 milhões a Eduardo Cunha para alterar MP dos bancos
Citado por Delcídio, Gilmar diz que conversa com todos sobre pedidos de liberdade
J. Carlos de Assis: Depois da divulgação seletiva, agora as investigações seletivas
Recordando: “Renan indicou Cerveró para diretoria da Petrobras”, diz Delcídio
Saiba quem é o banqueiro André Esteves, o padrinho de Aécio
Enfim, um tucano preso. Motivo? Se filiou ao PT!
Novas gravações de Delcídio causam ira suprema de ministros do STF
Preso na Lava-Jato: André Esteves, padrinho de casamento de Aécio, pagou lua de mel ao afilhado em Nova Iorque
Vazamento seletivo: Relator da Lava-Jato estoura a caixa preta de Sérgio Moro
O banqueiro-bandido André Esteves, dono do BTG Pactual e padrinho de Aécio, queria o controle da CEF e do BB
Delcídio, o petista mais tucano do que muito tucano, se gabava de ter ajudado a condenar Dirceu e Genoíno
Denúncia contra Eduardo Cunha pode ligar Lava-Jato à privataria tucana

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: