As identidades dos playboys que atacaram Chico Buarque

Chico_Buarque19_Tulio_Dek_Alvaro_Garnero

Perdeu, playboy: Túlio Dek (esq.) e Alvarinho (dir.), dois dos agressores de Chico Buarque.

“Você é um merda”, “petista ladrão”, foram algumas das frases direcionadas a Chico Buarque. Identidade dos jovens foi revelada e amigos que presenciaram as provocações, artistas, políticos e o próprio compositor também se pronunciaram sobre o incidente

Via Pragmatismo Político em 23/12/2015, atualizado em 24/12/2015

Chico Buarque foi abordado por um grupo de jovens na noite da última segunda-feira no Leblon, quando saía de um restaurante em que acabara de jantar com amigos. Depois da confusão, um dos agressores, o rapper Túlio Dek, “conhecido” na mídia apenas por ser o ex-namorado da atriz Cleo Pires, afirmou em entrevista ao Estadão que o ícone da MPB “é um ídolo” para ele.

“Chico é um ídolo para mim. Só não entendo como um dos maiores ícones do Brasil continua apoiando cegamente o PT. Minha indignação foi com o cidadão e não com o artista”, disse.

Além de Dek, outro jovem que hostilizou Chico foi Álvaro Garnero Filho (mais conhecido como Alvarinho), filho do empresário e apresentador paulista Álvaro Garnero. “Petista, vá morar em Paris. Ladrão. Vá morar em Cuba. O PT é bandido”, diziam os jovens, que estavam exaltados e procuraram criticar o ativismo de Chico a favor do PT, algo que data dos tempos de fundação do partido.

Recentemente, Alvarinho causou controvérsia com um vídeo em que aparecia alcoolizado acariciando Ronaldo Fenômeno, que o chamava de namorado. O pai saiu em sua “defesa” quando o rapaz foi “xingado” de gay.

Mário Garnero, pai de Álvaro, portanto avô de Alvarinho, esteve no centro do “escândalo Brasilinvest”, banco de investimentos que fechou em 1985 porque mais da metade de seus empréstimos fora contraída por empresas “fantasmas”.

Garnero foi indiciado pela Polícia Federal por estelionato, formação de quadrilha e operações fraudulentas no mercado financeiro. Em 1997, teve a prisão preventiva pedida pela Procuradoria Geral da República.

Apoio
“Chico foi um santo, um cavalheiro. Os meninos começaram a hostilizar, do outro lado da calçada. Chico atravessou e foi lá falar com eles. Esta cena de repressão nazista é um exemplo do que está acontecendo no Brasil: a absoluta intolerância. As discussões políticas estão indialogáveis. A disputa política se transformou em duelo. Eles não queriam argumentar, só xingar”, comentou na tarde de terça-feira, dia 22/12, o cineasta Cacá Diegues, que integrava o grupo de Buarque no restaurante.

Além de Cacá, o grupo de Chico contava com o cantor, compositor e arranjador Edu Lobo, os cineastas Miguel Faria Jr. e Ruy Solberg, e o jornalista e escritor Eric Nepomuceno.

“Você é um merda, quero ouvir da sua boca: quem apoia o PT o que é?”, perguntou um dos provocadores. “É petista”, respondeu o compositor. “É um merda”, interrompeu o rapaz. Em determinado momento, o grupo ironizou o fato de Chico Buarque ter um apartamento em Paris. “Para quem mora em Paris é fácil”, disse um deles. “Você mora em Paris?”, retrucou Chico. Mantendo o tom de voz baixo, mesmo diante da exaltação dos jovens, Chico Buarque disse achar que “o PSDB é bandido” para rebater o argumento de um dos provocadores, que garantiu que “o PT é bandido”.

Relembrando o episódio, Eric Nepomuceno lamentou que uma noite divertida com velhos amigos tenha sido encerrada com aquela discussão. “É muito impressionante a fúria agressiva dessa direita que saiu do armário embutido”, disse Eric na terça-feira, dia 22/12. “Estávamos numa ótima, de repente vieram os caras, muito agressivos. Eu estava mais irritado que o Chico, mas depois nós todos demos risada”, contou o escritor.

Segundo Eric, não foi o primeiro episódio de provocação, embora tenha sido o mais ostensivo. “Uma outra vez, o cara na mesa ao lado pegou o celular e falou com alguém ‘estou em um restaurante caríssimo de Ipanema onde os comunistas adoram vir’”, lembrou.

Ironicamente, Chico Buarque não se pronunciou com palavras sobre a polêmica, preferindo apenas postar em sua página no Facebook uma de suas músicas:

Chico_Buarque18_Vai_Trabalhar

***

Mario_Garneiro01

A HISTÓRIA DO AVÔ DO RAPAZ QUE OFENDEU CHICO BUARQUE
O rapaz que ofendeu Chico Buarque é pouco informado sobre as aventuras de seu avô, Mário Garnero, com o PT. O primeiro instante de celebridade do neto foi fotografar-se aos beijos com o ex-jogador Ronaldo.
Luis Nassif, via Jornal GGN em 22/12/2015

Mário Garnero foi uma liderança estudantil importante. Depois, casou-se com uma herdeira do grupo Monteiro Aranha e passou a representar o sogro no capital da Volkswagen. Lá, como diretor de Recursos Humanos, conheceu e aproximou-se de Lula e dos sindicalistas do ABC. Mas toda sua carreira foi pavimentada no regime militar.

Foi responsável por um seminário internacional em Salzburg, visando vender o país aos investidores externos no momento em que os ecos do Brasil Grande projetavam a imagem do país no mundo.

Do seminário nasceu o Brasilinvest, um dos primeiros bancos de investimento do país tendo como acionistas diversos grupos internacionais. Garnero arrebentou com o banco desviando recursos para holdings fantasmas, como forma de se capitalizar para conquistar o controle absoluto da instituição. Quando terminou a operação, viu-se dono de um banco quebrado.

Antes disso, era o menino de ouro dos militares. Tornou-se num anfitrião de primeiríssima acolhendo em sua casa ou em um almoço anual nas reuniões do FMI, a fina nata do capitalismo mundial. Tornou-se, de fato, um dos brasileiros mais bem relacionados do planeta. Mas jamais conseguiu transformar o relacionamento em negócios legítimos. Não tinha a visão do verdadeiro empreendedor. Terminou cercado por parceiros de negócio algo nebulosos.

Acabou se convertendo na bomba-relógio que o general João Baptista Figueiredo deixou para Tancredo Neves. A desmoralização final dos militares foram os escândalos da Capemi, brilhantemente cobertos para a Folha pelo nosso José Carlos de Assis.

Figueiredo impediu Delfim Netto de ajudar Garnero, vaticinando: “O Brasilinvest será a Capemi do Tancredo”. A razão maior era a presença, no Conselho de Administração, de Aécio Cunha, pai de Aécio e genro de Tancredo. E também de personagens de peso na vida nacional da época, como o presidente da Volkswagen Wolfgang Sauer, Hélio Smidt, da Varig, e o publicitário Mauro Salles.

Colhi depoimento de Sauer sobre o episódio e testemunhei o alemão de ferro chorar em minha frente pela traição do amigo Garnero.

Percebendo a armadilha, Tancredo incumbiu seu ministro da Fazenda, Francisco Dornelles, de não facilitar em nada a vida da Brasilinvest. Da derrocada de Garnero, valeu-se Roberto Marinho para tomar-lhe o controle da NEC Telecomunicações.

Depois disso, continuou a vida tornando-se uma espécie de João Dória Jr. internacional. Aos encontros anuais da Brasilinvest comparecia a fina flor do capitalismo – e modelos belíssimas. Aliás, a capacidade de selecionar mulheres era uma das especialidades de Garnero, que conseguiu um encontro de Gina Lolobrigida para seu sogro.

No início do governo Lula, Garnero valeu-se da familiaridade dos tempos de ABC para se aproximar de José Dirceu, ainda poderoso ministro da Casa Civil. A aproximação lhe rendeu prestígio e bons negócios.

Graças a ela, conseguiu levar o Instituto do Coração para Brasília, em um episódio controvertido que estourou tempos depois, com boa dose de escândalo. Aliás, até hoje respondo a um processo maluco do Mário Gorla, o sócio de Garnero no empreendimento. Esteve também por trás dos problemas do Instituto do Coração em São Paulo.

Mario_Garneiro02_Neto_RonaldoQuando os chineses começaram a desembarcar no Brasil, fui procurado por analistas da embaixada da China interessados em informações sobre o país. E me contaram que estavam conversando com um BNDES privado. Indaguei que história era essa. Era o Brasilinvest – na ocasião um mero banco desativado, localizado em uma das torres do conjunto Brasilinvest na Avenida Faria Lima. Não sabiam que Garnero já se desfizera totalmente do patrimônio representado pelas torres. E tinha um banco de fachada.

Garnero ajudou na aproximação de Dirceu com parte dos empresários norte-americanos. Na véspera do estouro do “mensalão”, Dirceu já tinha uma viagem agendada para Nova Iorque organizada por ele.

Sem conseguir se enganchar no governo Lula, Garnero acabou se dedicando ao setor imobiliário. Os filhos não seguiram sua carreira, internacionalmente brilhante, apesar dos tropeços. Ficaram mais conhecidos pelas conquistas e pela vida vazia.

Já o neto consegue seu segundo instante de celebridade. O primeiro foi em um vídeo polêmico, simulando um agarra com o ex-jogador Ronaldo.

***

Chico_Buarque17

A HISTÓRIA DO AVÔ DO RAPPER QUE INSULTOU CHICO
Jean Wyllys, via Facebook em 23/12/2015

Sobre o episódio da ofensa e patrulha ideológica perpetradas por playboys herdeiros das capitanias hereditárias e antipetistas contra Chico Buarque no Leblon, ainda duas considerações:

1) A primeira é que, como sugerido, fui ao Google procurar saber quem é o tal “rapper” Túlio Dek (um dos ofensores de Chico Buarque) e o que encontrei, entre platitudes sobre sua vida amorosa passada em sites que se ocupam de subcelebridades, foi a informação de que ele é neto de Jairo Andrade. E, de acordo com esta matéria de 2007 do site A Nova Democracia, o avô de Túlio Dek não era flor que se cheirasse!

Jairo Andrade Bezerra, falecido há 4 anos, nasceu em Passos (MG) e foi extrema-direita de carteirinha. Entusiasta organizador da Marcha com Deus, pela Família, pela Liberdade em 1964, atividade patrocinada pela CIA, que antecedeu ao golpe militar que derrubou o governo constitucional de João Goulart.

Foi para o sul do Pará no final dos anos 1960 e sempre teve apoio da ditadura militar para cometer todo tipo de desmandos na região. Roubou terras dos indígenas, posseiros e dos colonos assentados pelo Incra no assentamento Agropecus.

Jairo recebeu nove autuações por trabalho escravo. Teve seu nome incluído na Lista Suja do Trabalho Escravo, condenado por manter 97 trabalhadores escravizados na Fazenda Forkilha. Seu irmão, Gilberto Andrade recebeu igual condenação por trabalho escravo na fazenda Boa Fé, em Centro Novo (Maranhão). Apesar de denunciado por trabalho escravo (desde final dos anos 60), Jairo Andrade nunca deixou de receber recursos públicos da Sudam para investir em sua propriedade.

Foi fundador da criminosa e arqui-reacionária União Democrática Ruralista (UDR), em 1985, sendo seu primeiro tesoureiro nacional. Subiu no palanque com Fernando Collor em Redenção nas eleições presidenciais de 1989. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, em 5/11/1994, Jairo Andrade – acusado de contratar pistoleiros para assassinar o ex-deputado e advogado de posseiros Paulo Fonteles e inúmeros trabalhadores rurais – não desconversou: descreveu mortes das quais participou, informou onde enterrou as vítimas e fez ameaças. Como sempre acontece com os crimes do latifúndio em nosso País, nada aconteceu a este bandido, réu confesso.

Bom, o tal Túlio Dek teve todas as oportunidades de ser alguém melhor que seu avô. Mas, a julgar pelo que fez a Chico Buarque; a julgar pelo tipo de valores que subjaz a seu discurso de analfabeto político e alienado (discurso que é também o dos outros playboys companheiros seus), Túlio Dek decidiu dar continuidade à capitania herdada.

E assim podemos traçar a genealogia dos canalhas que hoje aplaudem a tentativa de um novo golpe na democracia e de desmonte da Constituição Cidadã de 1988!

2) A segunda coisa é que quando comentei que publicaria esse texto, um amigo meu me disse que não o fizesse porque as pessoas de direita fascistas me atacariam na internet com insultos e calúnias; ao que eu lhe respondi:

Meu caro, os fascistas, velhos e novos, já me insultam, caluniam e difamam na internet. Não só a mim, mas a todas as pessoas que se coloquem a favor da justiça social, das liberdades individuais, das minorias sexuais, étnicas e religiosas, da democracia, da honestidade intelectual e da vida com pensamento. Atacar essas pessoas com insultos impublicáveis e calúnias; deturpar suas falas; criar perfis falsos e robôs para encher caixas de comentários com discursos de ódio, enfim, destruir a civilidade e o respeito nas redes sociais é a nova forma de censura desses fascistas, sejam os novos, sejam os antigos. Muita gente, temendo essa violência simbólica (que ameaça ser física o tempo todo), cala-se ou se dedica a publicar platitudes para receber likes. Eu não! Jamais vou me acovardar diante de fascistas, pois corro o risco de ser cúmplice deles nessa covardia. Com Chico Buarque, aprendi a me perguntar: “Como beber dessa bebida amarga; tragar a dor; engolir a labuta? Mesmo calada a boca, resta o peito. Silêncio na cidade não se escuta!”. Ninguém vai aproximar de mim novamente o cálice (o “cale-se!”) de vinho tinto de sangue, pois não vou deixar! Vou escrever, sim, esse texto e defender, sim, Chico Buarque.

***

Chico_Buarque21_Guilherme_Junqueira_Mota

“Eu queria ouvir da tua boca: você é um merda!”

BOB FERNANDES IDENTIFICA JOVEM QUE CHAMOU CHICO DE “UM MERDA”: É FILHO DE USINEIRO
Via Viomundo em 24/12/2015

“Eu queria ouvir da tua boca: você é um merda!”, disse um jovem a Chico Buarque numa esquina do Leblon, no Rio de Janeiro, quando o compositor deixava um restaurante com um grupo de amigos em busca de um táxi. O rapaz estava com outro herdeiro, Alvarinho, filho do banqueiro Álvaro Garnero, num grupo de pessoas.

O jovem que xingou Chico foi identificado pelo jornalista Bob Fernandes, em comentário na TV Gazeta, como Guilherme Junqueira Motta, herdeiro da Usina Açucareira Guaíra, em Guaíra, na região de Barretos, interior de São Paulo.

No final de sua fala, Bob faz referência ao trabalho duro dos canavieiros. Talvez esteja se referindo ao fato de que o condomínio Otávio Junqueira Motta Luiz e outros, na Fazenda Rosário, em Guaíra, que controla a usina, foi condenado em segunda instância a extinguir a jornada 5 x 1. Pela jornada, são cinco dias de trabalho – inclusive domingos e feriados – e um de folga, o que significa que os trabalhadores têm os domingos livres apenas uma vez a cada sete semanas.

Na ação, movida pelo Ministério Público do Trabalho, a juíza considerou que esse tipo de jornada prejudica a vida social dos trabalhadores. Os condenados recorreram ao Tribunal Superior do Trabalho (TST).

No Linkedin, Guilherme Motta se apresenta como executivo gestor da Central Energética Guaíra Ltda., que produz energia a partir do bagaço de cana. Ele informa ter formação em Bioenergia pela Fundação Armando Álvares Penteado, a Faap, em São Paulo.

Em outro trecho do bate-boca com Chico Buarque, Guilherme diz que a vida é fácil para o compositor porque ele “mora em Paris”. Na verdade, Chico mora no Rio de Janeiro.

Guilherme parece desfrutar de uma vida boa. No Facebook, postou fotos em Orlando e Aspen, nos Estados Unidos, e na ilha de Capri, na Itália.

Depois do episódio, Chico Buarque, em sua página no Facebook, postou apenas um link para a música “Vai Trabalhar, Vagabundo”, de sua autoria.

O rapper Túlio Dek, que estava entre os jovens, esclareceu no Facebook não ter vínculo com o grupo:

Com relação ao episódio envolvendo o cantor Chico Buarque afirmo que mantive uma legítima, civilizada e democrática discussão partidária. Não concordo com nenhum tipo de manifestação agressiva, principalmente com um dos maiores artistas do Brasil. Em momento algum eu xinguei ou desrespeitei qualquer pessoa ali presente. Não tenho nenhum vínculo com nenhuma das pessoas que aparecem no vídeo.

Guilherme Motta, por sua vez, reproduziu na rede social postagens críticas ao compositor. Uma delas faz referência a supostos financiamentos obtidos por Chico, parentes e namorada através da Lei Rouanet. O compositor apoiaria o PT não por convicções ideológicas, mas pelo dinheiro, sugere.

Num comentário a uma postagem de Guilherme, um amigo se refere a Chico como dependente “de todo trabalhador que o sustenta”, em outra aparente referência à Lei Rouanet, através da qual são financiados projetos culturais com renúncia fiscal.

Chico_Buarque22_Vai_Trabalhar

No twitter, @rafaelmartelo apontou para este link da Copercana, segundo o qual a usina fundada pelo avô, pai e tio de Guilherme Motta recebeu financiamento de R$80 milhões do BNDES. O BNDES empresta dinheiro público com juros subsidiados.

Uma resposta to “As identidades dos playboys que atacaram Chico Buarque”

  1. daysens Says:

    Felizmente, para muito muito além da mediocridade do ato de tais analfabetos políticos, há muito mais jovens neste País, que, contrariamente a estes, sabem, perfeitamente, o que é democracia, o que é política.
    Há que se relembrar, que democracia e ciência política eram já conceitos e práticas vivenciadas pelos Gregos da antiguidade, nas praças públicas em Atenas.
    Os gregos já sabiam que a democracia é a convivência dos contrários.
    Logo, nada a ver com a intolerância e agressividade desses jovens.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: