“Sempre afirmei que ela iria até 2018”: O recuo de Temer mostra que o golpe deu ruim

Michel_Temer21_Jose_Serra

“Ainda acho o Zé do Caixão o melhor nome pro Ministério da Pesca.”

Kiko Nogueira, via DCM em 18/12/2015

O vice apartamento decorado Michel Temer deu uma entrevista a O Globo em que, em suma, dá “explicações” para sua conduta ao longo de 2015. Temer, aquele mesmo, alega que não conspirou.

É um mea culpa. Falta ajoelhar no milho. Fora toda a abjeção, a carta que ele enviou a si mesmo endereçada a Dilma, no auge da crise, ajudou a dividir ainda mais um partido fisiológico e cheio de disputas internas.

Um pedaço do PMDB no Senado o quer fora da presidência da agremiação na convenção de março. Dois nomes são cotados (se não forem em cana antes): Romero Jucá e Renan Calheiros.

Alguns exemplos do recuo de Michel Temer:

  • “Incomoda-me enormemente o fato de a todo instante dizerem que estou tramando contra a senhora presidente da República. Jamais o fiz. Ao contrário, ao longo desses últimos meses, quando se falava do impedimento da presidente, eu sempre afirmava que ela iria, e nós iríamos até 2018”.
  • “Não foram poucos os setores políticos e da sociedade que me procuraram para dizer que o Brasil deveria tomar outro rumo. Sempre recusei qualquer participação em movimento dessa natureza. Minha fala sempre foi de preservação institucional. Setores interessados começam a divulgar que eu faço conspiração”.
  • “Não são poucas as ocasiões em que o PMDB me insta, quase me obriga, a convocar uma convenção para o rompimento com o governo. Agora mesmo, não são poucos aqueles que querem, novamente, uma convenção. Tenho esticado isso precisamente para a data aprazada da convenção que é março do ano que vem. Digo tudo isto para revelar que, em momento algum tive qualquer inspiração, nem aspiração, golpista”.
  • “A minha lealdade pessoal e institucional – sou muito atento às instituições – não tem produzido o resultado desejado. Pelo contrário, a minha conduta discreta é usada para tentar ressaltar que, na verdade, estamos conspirando. Não tenho culpa se setores do partido, a, b, c ou d, querem atrapalhar, querem derrubar a presidente. O que faço é revelar a minha discrição nesta matéria, como fiz ao longo da minha vida pública”.
  • “A premissa da alternativa está na Constituição. No presidencialismo, você elege duas figuras para ter continuidade, se não você teria uma ruptura que a todo o momento agravaria a crise institucional. Eu diria que o impedimento não é exatamente uma crise institucional, porque está previsto na Constituição. Mas é uma crise política indesejável. Mas, se ele ocorrer, não significa que é contrário à Constituição”.
  • “Sempre me declarei a favor da permanência da presidente. Podem verificar que em todos os momentos disse isso. E por quê? Para combater essa insanidade de dizer que sou golpista ou conspirador. Agora, legitimidade ou não é por conta do Congresso”.
  • “Vou ressaltar mais uma vez que a carta foi eminentemente pessoal. Tenho certa liturgia e relativa sabedoria política. Se fosse para saber que seria divulgada, escreveria um documento político, e não pessoal. Ali, eu disse coisas que há muito tempo eu imaginava dizer e fiz uma espécie de pré-pauta para que nós pudéssemos depois conversar. Mas não era para ser divulgada, evidentemente”.
  • “Ela [Dilma] foi muito franca comigo, estava bastante emotiva quando nos falamos. Foi uma conversa boa, confortável. Eu disse das minhas razões, ela mesma disse: ‘Será que eu fiz essas coisas?’ Ficou preocupada, disse que tem preocupação: ‘Tenho apreço pessoal, admiração por você. Todos têm admiração por você’. E eu disse: ‘Pois é, presidenta, mas isso não chega à execução. Fica apenas na palavra’”.

Os mandados de busca e apreensão na casa das estrelas de seu partido na Operação Catilinárias e, desde ontem, a virada no STF o colocam numa situação bem diferente. O plenário do Senado aprovou um requerimento determinando que o TCU faça auditoria nos decretos assinados em 2015 por ele que abrem crédito suplementar.

Michel Temer tenta tirar agora, inutilmente, o carimbo de traidor da testa e ver se salva os dedos. Sua briga com Renan Calheiros será boa de assistir. O golpe deu ruim.

***

TEMER, A CASA CAIU!
Bem que o Ciro dizia: Temer come na mão do Cunha.
Lido no Coversa Afiada em 19/12/2015

Em mensagem, Cunha cita repasse de R$5 milhões a Michel Temer

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reuniu indícios de que o vice-presidente, Michel Temer (PMDB), recebeu R$5 milhões do dono da OAS, José Adelmário Pinheiro, o Leo Pinheiro, um dos empreiteiros condenados em decorrência do escândalo da Petrobras.

A informação sobre o suposto pagamento a Temer está em uma das manifestações do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, que fundamentou as buscas da Operação Catilinárias, deflagrada na terça-feira, dia 15/12.

A menção ao pagamento está em uma troca de mensagens entre Pinheiro e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), em que o deputado reclama que o empreiteiro pagou a Temer e deixou “inadvertidamente adiado” o repasse a outros líderes peemedebistas.

[…]

Leia também:
Regulação da mídia já: Eduardo Cunha vendeu emissora de rádio sem ter o aval de ministério
Bom sinal: Reinaldo “rola-bosta” Azevedo e Gilmar Mendes estão “p” da vida com o STF
Após resistir às chantagens e ao banditismo, finalmente Dilma iniciará seu 2º mandato
Câmara já discute quem será o substituto de Eduardo Cunha na presidência da Casa
Direita brasileira: Não aprendem nada, não esquecem nada
Renan Calheiros responsabiliza Temer por grande parte da crise política
Paulo Moreira Leite: Povo tirou país do abismo
Recordar é viver: A mídia soltou rojões por Eduardo Cunha
Paulo Moreira Leite: STF virou Fachin e Cunha do avesso
Cunha e golpistas perderam: Saiba como foi a votação do rito do impeachment no STF
O STF dirá: “Sim, Cunha é criminoso, mas nós somos covardes?”
Dilma fala em “golpe” e em “invenção de motivos”
Tem como impichar a burguesia?
Finalmente, Janot pede afastamento de Cunha da Câmara de Deputados
11 a 9: Apesar da tropa de choque golpista, Conselho de Ética decide investigar Cunha
Saiba quem são os golpistas da tropa de choque que blinda Eduardo Cunha na Câmara
Bandidagem: Ex-relator do processo contra Cunha diz que teve medo de ser morto
Uma comissão à imagem e semelhança de Eduardo Cunha
Um novo cenário na batalha do impeachment
Moniz Bandeira sobre o impeachment: “Wall Street está por trás da crise brasileira”
Governo ilegal e ilegítimo trará onda de revoltas
As diferenças do processo de impeachment de Dilma e de Collor
Eduardo Cunha vai ser afastado pelo STF
Ex-relator de Cunha na Comissão de Ética diz que recebeu oferta de propina
Quem orientou a tropa de choque de Eduardo Cunha foi um servidor da Corregedoria
Janio de Freitas: Eduardo Cunha no Planalto
Guilherme Boulos: O impeachment, Temer e Dunga
Lula denuncia golpe em evento internacional
Deputado protocola pedido de impeachment de Michel Temer
Em 12 anos, novo líder do PMDB aumentou patrimônio em 56 vezes
Bandidagem: Um terço da comissão especial pró-impeachment responde por crime no STF
Temer assinou decretos de pedaladas fiscais: Matéria do Estadão provocou a carta
Vídeo: Temer não pode brincar senão lascam impeachment nele
Carta de Temer a Dilma revela um homem vaidoso, magoado e disposto a tudo
Michel Temer terá de decidir como pretende entrar para a história
Paulo Moreira Leite: Michel Temer gastou R$10,7 bilhões sem saber por quê?
Fora Cunha: 205 milhões de brasileiros nas mãos de um psicopata
A ficha suja dos defensores do impeachment de Dilma
Na lata de lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
STF: Fachin freia golpe de Eduardo Cunha
Gregório Duvivier: O certo, o justo e o imbecil
Mauro Santayana: O impeachment e a divisão da oposição
Paulo Pimenta responde carta de Michel Temer: “Meia aliança é meia traição.”
STF: Fachin freia golpe de Eduardo Cunha
O pior dia para Eduardo Cunha deflagrar o impeachment
Truco no Congresso: Eduardo Cunha blefa sobre impeachment de Dilma
Leandro Fortes: A direita brasileira é louca por Cunha
Cunha deflagrou o golpe após sinal que Janot pediria seu afastamento
A farsa de Cunha, jihadista da direita corrupta

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: