Renan Calheiros responsabiliza Temer por grande parte da crise política

Renan_Calheiros17_Temer

O presidente do Senado Renan Calheiros e o vice-presidente Michel Temer, ambos do PMDB. Foto de Pedro Ladeira / Folhapress.

Mariana Haubert, via Folha online em 16/12/2015

Tido como um dos principais e, ao mesmo tempo, um dos últimos aliados do governo, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB/AL), responsabilizou o vice-presidente da República Michel Temer por grande parte da crise política que assola o país.

Para Renan, o partido perdeu uma oportunidade de “qualificar sua participação no governo” porque, quando Temer assumiu a coordenação política do Planalto, no início do ano, ele se preocupou “apenas com o RH” –uma alusão direta à negociação de cargos feita pelo vice.

“O PMDB tem muita culpa. Quando foi chamado para coordenar o processo político, do governo, da coalizão, o PMDB se preocupou apenas com o RH. Eu adverti sobre isso na oportunidade”, declarou.

“O PMDB perdeu a oportunidade de qualificar sua participação no governo. O governo tem culpa, mas o PMDB também tem muita culpa com o que está acontecendo”, disse Renan, ao chegar ao Senado na quarta-feira, dia 16/12.

Questionado sobre a responsabilidade pela crise que o país atravessa, Renan foi explícito: “O presidente Michel é o presidente do partido. Se alguém tem responsabilidade com relação a isso, é o presidente Michel”.

Carta
Desde que o processo de impeachment foi de deflagrado, no início de dezembro, Temer iniciou um processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff.

Na semana passada, o peemedebista enviou uma carta para a mandatária em que reclamou da falta de confiança dela e do seu entorno em relação a ele e ao PMDB. Ele chegou a dizer que passou os quatro anos do governo como um “vice decorativo”.

Renan também comentou o episódio. “Aquela carta do presidente Michel, que muitos criticaram, a maior crítica que cabe a ela é que, em nenhum momento, ela demonstra preocupação com o Brasil”, disse.

Desde então, Temer tem operado para distanciar o PMDB do núcleo central do governo. Ele trabalhou para a destituição do agora ex-líder do partido na Câmara, Leonardo Picciani (RJ) e deu aval à escolha do novo líder, Leonardo Quintão (MG).

A executiva da sigla se reuniu nesta quarta e, por ampla maioria, decidiu barrar filiações que sejam consideradas “oportunistas”.

A estratégia visa frear a articulação apoiada pelo Palácio do Planalto para reconduzir Picciani à liderança da legenda. A decisão foi tomada por ordem de Temer.

“Fazer reunião para proibir. Um partido democrático, que não tem dono, que se caracteriza por isso, fazer reunião para proibir a entrada de deputado é um retrocesso que deve estar fazendo o doutor Ulysses tremer na cova”, criticou Renan ao fazer referência a um dos principais líderes que o partido já teve, Ulysses Guimarães.

O ex-deputado, no entanto, não tem cova, pois morreu em um acidente de helicóptero que caiu no mar na região de Angra dos Reis (litoral sul do Rio). Seu corpo nunca foi encontrado. Em resposta às críticas de Renan, o vice-presidente, por meio de uma carta, disse que qualquer filiado do PMDB sabe que o corpo de Ulysses “repousa no fundo do mar”.

A operação para barrar a filiação de deputados alinhados a Picciani no PMDB contou com o aval do vice-presidente Michel Temer. Aliados dele trataram a decisão como uma forma de “impedir uma intervenção do governo Dilma no PMDB”.

Picciani, que se alinhou ao Planalto e se tornou um ponto de suporte à petista no Parlamento, foi destituído da liderança no início deste mês depois que a ala pró-impeachment do PMDB produziu um abaixo-assinado em que mais da metade da bancada reivindicava sua queda.

Ele, então, com o apoio do governo Dilma, acionou aliados em outros partidos que migrariam para o PMDB para apoiá-lo e reverter a maioria conquistada pela ala pró-impeachment.

Leia também:
Paulo Moreira Leite: Povo tirou país do abismo
Paulo Moreira Leite: STF virou Fachin e Cunha do avesso
Cunha e golpistas perderam: Saiba como foi a votação do rito do impeachment no STF
O STF dirá: “Sim, Cunha é criminoso, mas nós somos covardes?”
Dilma fala em “golpe” e em “invenção de motivos”
Tem como impichar a burguesia?
Finalmente, Janot pede afastamento de Cunha da Câmara de Deputados
11 a 9: Apesar da tropa de choque golpista, Conselho de Ética decide investigar Cunha
Saiba quem são os golpistas da tropa de choque que blinda Eduardo Cunha na Câmara
Bandidagem: Ex-relator do processo contra Cunha diz que teve medo de ser morto
Uma comissão à imagem e semelhança de Eduardo Cunha
Um novo cenário na batalha do impeachment
Moniz Bandeira sobre o impeachment: “Wall Street está por trás da crise brasileira”
Governo ilegal e ilegítimo trará onda de revoltas
As diferenças do processo de impeachment de Dilma e de Collor
Eduardo Cunha vai ser afastado pelo STF
Ex-relator de Cunha na Comissão de Ética diz que recebeu oferta de propina
Quem orientou a tropa de choque de Eduardo Cunha foi um servidor da Corregedoria
Janio de Freitas: Eduardo Cunha no Planalto
Guilherme Boulos: O impeachment, Temer e Dunga
Lula denuncia golpe em evento internacional
Deputado protocola pedido de impeachment de Michel Temer
Em 12 anos, novo líder do PMDB aumentou patrimônio em 56 vezes
Bandidagem: Um terço da comissão especial pró-impeachment responde por crime no STF
Temer assinou decretos de pedaladas fiscais: Matéria do Estadão provocou a carta
Vídeo: Temer não pode brincar senão lascam impeachment nele
Carta de Temer a Dilma revela um homem vaidoso, magoado e disposto a tudo
Michel Temer terá de decidir como pretende entrar para a história
Paulo Moreira Leite: Michel Temer gastou R$10,7 bilhões sem saber por quê?
Fora Cunha: 205 milhões de brasileiros nas mãos de um psicopata
A ficha suja dos defensores do impeachment de Dilma
Na lata de lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
STF: Fachin freia golpe de Eduardo Cunha
Gregório Duvivier: O certo, o justo e o imbecil
Mauro Santayana: O impeachment e a divisão da oposição
Paulo Pimenta responde carta de Michel Temer: “Meia aliança é meia traição.”
STF: Fachin freia golpe de Eduardo Cunha
O pior dia para Eduardo Cunha deflagrar o impeachment
Truco no Congresso: Eduardo Cunha blefa sobre impeachment de Dilma
Leandro Fortes: A direita brasileira é louca por Cunha
Cunha deflagrou o golpe após sinal que Janot pediria seu afastamento
A farsa de Cunha, jihadista da direita corrupta

Uma resposta to “Renan Calheiros responsabiliza Temer por grande parte da crise política”

  1. pintobasto Says:

    Sujeira, muita sujeira, mas com Renan Calheiros, Michel Temer não pode.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: