Quem orientou a tropa de choque de Eduardo Cunha foi um servidor da Corregedoria

Eduardo_Cunha_PMDB202_Tropa_Choque_Lucas

O assistente técnico Lucas de Castro Rivas, que orientou a tropa de Cunha no processo de cassação. Foto de Pedro Ladeira / Folhapress.

Via Folha online em 11/12/2015

O assistente técnico Lucas de Castro Rivas circula com desenvoltura nas sessões parlamentares do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Com o regimento da Casa Legislativa debaixo do braço, cochicha ao pé do ouvido do advogado Marcelo Nobre, defensor de Eduardo Cunha (PMDB/RJ), e orienta a tropa de choque do peemedebista, que semana após semana conseguiu adiar sete vezes a análise do processo.

Na segunda-feira, dia 7/12, o servidor público que estava alocado na Corregedoria Parlamentar foi exonerado e deslocado para a liderança do Solidariedade na Casa Legislativa, segundo o corregedor Carlos Manato (SD/ES), apesar de o portal da transparência da Câmara dos Deputados ainda apontá-lo como funcionário do órgão legislativo.

Na semana passada, no entanto, quando ainda não havia sido oficialmente demitido, o assistente técnico participou da sessão legislativa. Na época, não foi destacado para participar das sessões parlamentares nem pelo Conselho de Ética nem pela Corregedoria Parlamentar.

Com uma cópia do inquérito da Suprema Corte relativa às contas secretas atribuídas a Cunha na Suíça, conversava de maneira recorrente com os deputados federais Wellington Roberto (PR/PB) e Manoel Júnior (PMDB/PB), favoráveis ao arquivamento do processo.

“Ele foi exonerado para fazer o assessoramento de forma oficial e mais correta”, disse o corregedor parlamentar. Na semana passada, no entanto, Carlos Manato disse à Folha que não via problemas do assistente técnico fazer trabalho de assessoramento.

Procurado pela Folha, Lucas Rivas disse que desde o final de outubro já havia sido deslocado para a liderança do Solidariedade e que foi destacado pelo partido para prestar assessoramento técnico. “Eu ajudo qualquer deputado federal que pedir. O meu trabalho é técnico, não é político, não é de bastidor e não tem poder de decisão”, disse.

Não é a primeira vez que o assistente técnico envolve-se em polêmica. Em outubro, o líder do PSOL na Casa Legislativa, Chico Alencar (RJ), o acusou de em nome da presidência da Câmara dos Deputados buscar documentos contra ele no Centro de Documentação da Casa Legislativa.

Crítico de Cunha, Alencar é um dos autores da representação que pede a cassação do mandato do peemedebista por quebra de decoro parlamentar. O assistente técnico nega que tenha buscado documentos contra o líder do PSOL.

Eduardo_Cunha_PMDB201_Tropa_Choque

Leia também:
Saiba quem são os golpistas da tropa de choque que blinda Eduardo Cunha na Câmara
Janio de Freitas: Eduardo Cunha no Planalto
Guilherme Boulos: O impeachment, Temer e Dunga
Lula denuncia golpe em evento internacional
Deputado protocola pedido de impeachment de Michel Temer
Em 12 anos, novo líder do PMDB aumentou patrimônio em 56 vezes
Bandidagem: Ex-relator do processo contra Cunha diz que teve medo de ser morto
Bandidagem: Um terço da comissão especial pró-impeachment responde por crime no STF
Temer assinou decretos de pedaladas fiscais: Matéria do Estadão provocou a carta
Vídeo: Temer não pode brincar senão lascam impeachment nele
Carta de Temer a Dilma revela um homem vaidoso, magoado e disposto a tudo
Michel Temer terá de decidir como pretende entrar para a história
Paulo Moreira Leite: Michel Temer gastou R$10,7 bilhões sem saber por quê?
Fora Cunha: 205 milhões de brasileiros nas mãos de um psicopata
A ficha suja dos defensores do impeachment de Dilma
Na lata de lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
STF: Fachin freia golpe de Eduardo Cunha
Gregório Duvivier: O certo, o justo e o imbecil
Mauro Santayana: O impeachment e a divisão da oposição
Paulo Pimenta responde carta de Michel Temer: “Meia aliança é meia traição.”
STF: Fachin freia golpe de Eduardo Cunha
O pior dia para Eduardo Cunha deflagrar o impeachment
Truco no Congresso: Eduardo Cunha blefa sobre impeachment de Dilma
Leandro Fortes: A direita brasileira é louca por Cunha
Cunha deflagrou o golpe após sinal que Janot pediria seu afastamento
A farsa de Cunha, jihadista da direita corrupta

Uma resposta to “Quem orientou a tropa de choque de Eduardo Cunha foi um servidor da Corregedoria”

  1. pintobasto Says:

    O presidente do congresso não tem autoridade para punir e eliminar infrações à Contituição e regulamento da casa? Eduardo Cunha, um criminoso com culpa formada e denunciado pelo PGR ao STF, continua no cargo e fazendo de tudo descaradamente para escapar de ser destituído e preso! Pode uma coisa destas? Quem manda neste Brasil?

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: