Guilherme Boulos: O impeachment, Temer e Dunga

Dunga05_Michel_Temer

Guilherme Boulos, lido no Esquerda Caviar em 10/12/2015

A abertura do tão esperado impeachment não teve o prometido glamour. Iniciado por um presidente da Câmara sem moral e em meio a chantagens públicas, o processo nasce com ares de farsa. Nem todo o circo lacerdista montado pelos tucanos, por parte expressiva do PMDB e da mídia, tem conseguido anular esta crise de legitimidade.

Qual a condição de Eduardo Cunha para atribuir a alguém crime de responsabilidade? Ele, com contas na Suíça, fortes acusações criminais e que usa sem rodeios o terceiro posto da República para tentar salvar-se desesperadamente da cadeia. Qual a condição do PSDB para falar em “pedaladas fiscais”, as mesmas iniciadas sistematicamente no governo de FHC?

De todo modo, mesmo com protagonistas desmoralizados, iniciou-se a novela.

Michel Temer saiu da sombra com uma carta à presidente Dilma. Afora o tom melodramático, Temer pretendia com a carta posar de vítima e, com isso, legitimar suas conspirações afastando a desagradável pecha de traidor. Se conseguirá emplacar esta narrativa, ainda não se sabe ao certo.

Se Dilma não confia em Temer, como ele afirmou, ponto para ela. É sinal de sanidade. Ao menos neste caso, ela está em sintonia com o amplo sentimento nacional.

Mas Temer e Cunha à parte, é preciso dizer que o governo petista colhe o que plantou. As posições do PMDB, suas intrigas parlamentares e traições nunca foram segredo. Desde a instauração da Nova República, o PMDB é leal unicamente ao poder e fiel apenas ao objetivo de ampliá-lo para si. Mesmo assim, a opção petista desde 2003 foi não confrontar um modelo de governabilidade onde a eminência parda peemedebista é soberana.

O governo colhe também o que plantou no que se refere à perda de apoio social. A dissolução da base parlamentar de Dilma em 2015 foi alavancada pelo declínio brutal da popularidade do governo. Declínio que, por sua vez, foi resposta à aplicação de um ajuste fiscal desastroso e com fortes efeitos antipopulares, após ter dito que faria o contrário nas eleições.

Mas, além de uma política errada, ela deu errado.

O governo passou o ano dizendo que o ajuste fiscal era necessário para evitar a perda do grau de investimento e um consequente ataque especulativo. Fez o ajuste e, mesmo assim, perdeu o grau de investimento.

O governo passou o ano dizendo que ampliar o espaço do PMDB e de outros partidos fisiológicos nos ministérios era necessário para evitar a abertura do impeachment. Deu os ministérios e, mesmo assim, abriu-se o impeachment.

Recuos foram sucedendo-se um ao outro, levando o governo à impotência, não sem antes torná-lo indefensável para a própria base que o elegeu. Dilma rifou o apoio popular em nome do apoio da banca e da direita. Acabou por ficar sem nenhum dos três.

Assim chegamos a este impasse.

Mas, como já observou Vladimir Safatle, uma especialidade brasileira diante de impasses é “chamar o Dunga”. Em suas palavras: “Diante do clamor por mudanças e pelo novo, precisamos ter coragem de inovar. Por isto, apresentamos o novo técnico da seleção… Dunga”. Depois do 7 a 1, chamaram o Dunga. Agora, depois da recessão, querem chamar o Temer.

Michel Temer, além de escritor de cartas piegas, é representante de um programa de regressão social para o país. Teve recentemente a coragem de expô-lo com o nome de “Ponte para o futuro” (mais adequado seria para o passado). Dentre suas propostas está o fim dos gastos obrigatórios com saúde e educação, a redução de direitos trabalhistas e privatização de tudo o que ainda seja público.

O fundo do poço sempre é mais embaixo. Temer na presidência seria a aplicação de contrarreformas e regredir para aquém da Constituição de 1988. Seria, sem dúvida, o aprofundamento da recessão e do ataque aos direitos sociais. É mais fácil ganhar a Copa com Dunga do que sair da crise com Temer.

Por isso, além da desmoralização de Cunha e do ridículo pretexto das “pedaladas”, um impeachment de Dilma seria andar para trás. Quem quer que esteja comprometido com uma saída popular para a crise e para o Brasil deve rechaçá-lo sem titubear.

Ser contra este impeachment não significa defender o governo Dilma e as políticas que tem aplicado. E nem deve significar dar um cheque em branco à presidente. O pacto conservador encampado pelos governos petistas já exibe, há algum tempo, claros sinais de esgotamento.

Construir uma alternativa, baseada num novo ciclo de mobilizações, é o grande desafio para as forças vivas e populares da sociedade brasileira. O fortalecimento deste caminho passa também por barrar os retrocessos.

Leia também:
Lula denuncia golpe em evento internacional
Deputado protocola pedido de impeachment de Michel Temer
Saiba quem são os golpistas da tropa de choque que blinda Eduardo Cunha na Câmara
Em 12 anos, novo líder do PMDB aumentou patrimônio em 56 vezes
Bandidagem: Ex-relator do processo contra Cunha diz que teve medo de ser morto
Bandidagem: Um terço da comissão especial pró-impeachment responde por crime no STF
Temer assinou decretos de pedaladas fiscais: Matéria do Estadão provocou a carta
Vídeo: Temer não pode brincar senão lascam impeachment nele
Carta de Temer a Dilma revela um homem vaidoso, magoado e disposto a tudo
Michel Temer terá de decidir como pretende entrar para a história
Paulo Moreira Leite: Michel Temer gastou R$10,7 bilhões sem saber por quê?
Fora Cunha: 205 milhões de brasileiros nas mãos de um psicopata
A ficha suja dos defensores do impeachment de Dilma
Na lata de lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
STF: Fachin freia golpe de Eduardo Cunha
Gregório Duvivier: O certo, o justo e o imbecil
Mauro Santayana: O impeachment e a divisão da oposição
Paulo Pimenta responde carta de Michel Temer: “Meia aliança é meia traição.”
STF: Fachin freia golpe de Eduardo Cunha
O pior dia para Eduardo Cunha deflagrar o impeachment
Truco no Congresso: Eduardo Cunha blefa sobre impeachment de Dilma
Leandro Fortes: A direita brasileira é louca por Cunha
Cunha deflagrou o golpe após sinal que Janot pediria seu afastamento
A farsa de Cunha, jihadista da direita corrupta

2 Respostas to “Guilherme Boulos: O impeachment, Temer e Dunga”

  1. daysens Says:

    Quem tem um mínimo de senso crítico, está já percebendo as urdiduras que permeiam alguns atos e fatos recentes.
    E para quem tem um mínimo de senso de responsabilidade sabe, por outro lado, que este não é o caminho dos homens probos e comprometidos com os interesses reais da nossa sociedade.
    Problemas fazem partes da vida social e política de qualquer sociedade humana, mas as suas soluções também.
    Os interesses de grupos e de indivíduos não interessam ao Povo.
    Interessa-nos o comprometimento verdadeiro na superação dos nossos problemas.
    É com tal espírito, que devemos seguir em frente.

  2. pintobasto Says:

    Como seria tão reconfortante para o Povo brasileiro ver toda essa turma que vai de FHC a Eduardo Cunha, passando por Aécio Neves, Zé Serra, Geraldo Alckmin, Gilmar Mendes, Michel Temer e mais alguns trogloditas encarcerados em presídio de segurança máxima, onde poderiam instalar um governo para comandar os outros presos e aprenderiam logo que não se brica com coisas feias!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: