Fora Cunha: 205 milhões de brasileiros nas mãos de um psicopata

Eduardo_Cunha_PMDB93_Maos_Cabeca

Mentem sem constrangimento ou vergonha
Via Conversa Afiada em 9/12/2015

Do Facebook do amigo navegante Claudinei Flávio

Geórgia Pinheiro, diretora-executiva do Conversa Afiada, recebeu o seguinte e-mail:

Foi criado em fevereiro de 2014 por um grupo de médicos, todos com mais de 70 anos, após o sucesso de circulação de um manifesto que fizemos em setembro de 2013 a favor do programa Mais Médicos (e contra, evidentemente, a posição de todas as entidades corporativas). Temos publicado muitos textos do Conversa Afiada, do próprio PHA ou de outros sites que vocês republicam, logicamente citando a fonte. Ficamos à disposição de vocês. Esta mensagem diz respeito a uma nova abordagem sobre “o caso Cunha”, analisando a personalidade dele. O caso é difícil, e fica pior na medida em que o tratam como um sujeito normal, o que ele não é. Se lhe aprouver utilizar o meu texto, use e abuse. Um abraço em você e no PHA, e parabéns pela luta.

Mareu Soares

O texto é o que se segue:

[…]

Cunha não é um sujeito “eticamente desqualificado”. Para tal, precisaria ser um sujeito normal, com plena consciência do que é ético e do que não é ético, para poder ser considerado antiético o seu ato.

Cunha é, na realidade, um doente. Cunha é um doente mental. O caso de Cunha é qualificado pelo Código Internacional de Doenças (CID 10) com o código F60-2, chamado de Transtorno de Personalidade Dissocial. E, o mais dramático, essa patologia não tem até hoje possibilidade de cura. É um transtorno da personalidade, uma psicopatia, também conhecida como sociopatia. Popularizando, é o 171, ou o estelionatário. Um doente, de acordo com os conhecimentos psicológicos e psiquiátricos.

Essa doença tem várias características. Uma muito importante é a ausência de empatia, falta de interesse pelo bem-estar dos outros (pode excepcionalmente interessar-se por membros de sua família, e só), o que causa prejuízos aos que convivem com ele. Essas pessoas são interesseiras, egoístas e manipuladoras. Há um desvio entre o comportamento e as normas sociais estabelecidas. E esse comportamento não se modifica nem por situações adversas. Há baixa tolerância às frustrações. Tendência comum a culpar os outros ou fornecer racionalizações plausíveis para explicar condutas anormais. Há um egocentrismo patológico, incapacidade para a lealdade e para sentimentos de afeição ou amor. É extremamente comum a prática de calúnias, omissões ou distorções de fatos. As características dos sociopatas incluem o desprezo pelas obrigações sociais e leis. Suas emoções são superficiais, teatrais e falsas. O controle da impulsividade é muito baixo. São, porém, pessoas sedutoras, cínicas e manipuladoras. Mentem exageradamente, sem constrangimento ou vergonha. Ao narrar fatos costumam utilizar contextos fundamentados em acontecimentos reais, mas manipulados de acordo com seus interesses, que podem torná-lo convincente. Causam inúmeros transtornos a quem está ao seu redor. Seduzem seus parceiros para convencê-los a fazer algo em seu lugar, evitando assim prejuízos a si mesmos. Dessa forma os sociopatas dificilmente aprendem com punições ou modificam suas atitudes. Jamais sentem culpa. Fingem ter comportamentos éticos para se infiltrarem em grupos sociais ou religiosos, onde procuram esconder suas verdadeiras personalidades.

Robert Hare desenvolveu um famoso teste psicológico no qual analisa vários fatores da personalidade humana para detectar o grau de psicopatia. No fator da afetividade ressalta um narcisismo agressivo, e lista:

● personalidade sedutora/charme superficial
● grandioso senso de autoestima/egocêntrico
● mentiras patológicas
● esperteza/manipulação
● falta de remorso ou culpa
● superficialidade emocional
● insensibilidade/falta de empatia
● falha em aceitar a responsabilidade por ações próprias

Logo, não adianta absolutamente nada tentar convencer um sociopata de que ele está errado, ou que sua conduta é antiética. Ele tem certeza de que age corretamente. Para ele as suas ações são permitidas dentro da lógica que impera na sua personalidade.

De acordo com a teoria ortodoxa de Freud sobre a nossa vida mental, a mais aceita na psicologia e na psicanálise, falta a esses doentes a terceira parte da estrutura da personalidade, que Freud chamou de superego. Essa parte se desenvolve desde o início da vida, quando a criança assimila as regras de comportamento ensinadas pelos pais ou responsáveis mediante sistemas de recompensa ou punições, seguindo-se na vida social precoce e na vida escolar. Tanto o comportamento inaceitável quanto aquele aceitável (ego-ideal), para os pais, familiares e o grupo social, fica gravado. Formado o superego, é o próprio indivíduo que passa a administrar suas recompensas ou punições. O superego representa a moralidade. É o quarto gigante da alma, segundo Mira y Lopez. Freud descreveu-o como “o defensor da luta em busca da perfeição”.

A solução para casos de sociopatia é difícil. Todavia uma atitude fundamental é certa: jamais dar condição de mando a esse tipo de doente. Os estragos que são capazes de fazer são quase inimagináveis. Cunha chegou a uma posição ímpar, valendo-se de todas as características de sua patologia. Uma nação inteira poderá ser gravemente prejudicada no seu status democrático, tão arduamente conquistado e que é ainda débil e recente, pelas ações de Cunha, que podem ser previstas de acordo com o seu passado e presente.

Um sociopata no governo seria o enterro de todas as aspirações nacionalistas de um povo. Com a palavra, urgentemente, aqueles que no congresso nacional pretendem ser os representantes do povo e guardiões da democracia.

Fora com o Cunha, urgente.

Leia também:
Bandidagem: Um terço da comissão especial pró-impeachment responde por crime no STF
A ficha suja dos defensores do impeachment de Dilma
Na lata de lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
STF: Fachin freia golpe de Eduardo Cunha
Gregório Duvivier: O certo, o justo e o imbecil
Mauro Santayana: O impeachment e a divisão da oposição
Assinou decretos de pedaladas fiscais: Matéria do Estadão provocou a carta de Temer
Paulo Pimenta responde carta de Michel Temer: “Meia aliança é meia traição.”
Vídeo: Temer não pode brincar senão lascam impeachment nele
Carta de Temer a Dilma revela um homem vaidoso, magoado e disposto a tudo
Michel Temer terá de decidir como pretende entrar para a história
STF: Fachin freia golpe de Eduardo Cunha
O pior dia para Eduardo Cunha deflagrar o impeachment
Truco no Congresso: Eduardo Cunha blefa sobre impeachment de Dilma
Leandro Fortes: A direita brasileira é louca por Cunha
Cunha deflagrou o golpe após sinal que Janot pediria seu afastamento

5 Respostas to “Fora Cunha: 205 milhões de brasileiros nas mãos de um psicopata”

  1. Wilson Eduardo Canova Teixeira Says:

    Se os brasileiros querem moralizar, não apoiem esse safado corrupto para mandar e desmandar no congresso dessa forma nojenta e descarada ignorando a inteligência do eleitor.

  2. Moacir R. de Pontes Says:

    Com a palavra (ou a scripta) também, nosso Vice-Presidente.

  3. Selma Schiedeck Says:

    Psicopata, salafrário, anti ético, seja o que for , ele causa um prejuízo enorme às instituições brasileiras.

  4. Eliane Barroso Says:

    #CunhaNaCadeiaounoHospício

  5. pintobasto Says:

    Fora Eduardo Cunha um psicopata!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: