Empresas em dívida com governo federal são as maiores financiadoras de deputados

Camara_Deputados05

Glauco Cortez, via Carta Campinas em 20/10/2015

Empresas com altas dívidas com governos estaduais e federal são as maiores financiadoras de campanha eleitoral de deputados. Ou seja, a democracia brasileira é financiada por megaempresas que não pagam impostos.

Isso ajuda a entender um pouco a crise financeira do governo federal e a dificuldade de fechar as contas.

A Receita Federal divulgou recentemente as 500 empresas com maiores dívidas com o governo. Algumas dessas empresas são grandes doadoras eleitorais. Elas devem R$392 bilhões ao governo, mas são generosas nas “doações” eleitorais.

E parece que o negócio funciona bem para o caixa das empresas, já para a população… Veja o caso do Bradesco, que em 2014 doou R$20,3 milhões para 113 deputados de 16 partidos. O Bradesco detém a segunda maior bancada eleitoral. Mas esse valor é uma pechincha perto da dívida somente com o governo federal. O Bradesco deve R$4,8 bilhões.

Veja a Vale do Rio Doce, que conseguiu a terceira maior bancada de deputados. A empresa elegeu 85 deputados de 19 partidos (!). Gastou uma mixaria de R$17,7 milhões perto da dívida que tem com o governo federal, que é de nada menos do que R$41,9 bilhões. Ou seja, se a Vale quisesse, ela poderia comprar todos os 500 deputados com uma porcentagem mínima da dívida.

A maior bancada de deputados é da JBS-Friboi. Ela tem deputado de todas as raças. Assim como tem muito boi no pasto, a empresa ajudou a colocar muitos deputados nos cercadinhos da Câmara Federal. Empresas do grupo JBS gastaram R$61,2 milhões para ter 162 cabeças de deputados de 21 partidos diferentes.

O mais interessante é que o JBS já conseguiu este ano o perdão de R$1 bilhão em dívidas com o estado de Goiás. Uau!

A Brasken, do grupo Odebrecht, tem dívida de R$2,6 bilhões como o governo federal. A Odebrecht doou R$6,5 milhões para 62 deputados. Até o banco espanhol, Santander, financia a democracia brasileira e tem dívida de quase R$1 bilhão com o governo.

E assim se poderia fazer um bom estudo sobre as 500 devedoras do governo.

Essa é a democracia brasileira do financiamento empresarial. Uma democracia barata para grandes empresas que têm dívidas com os governos. Uma democracia que beneficia poucos empresários de megaempresas e o restante dos empresários do país e a população pagam a conta dessa farra.

Leia também:
Decisão do STF contra financiamento de empresas em eleições é irreversível
Movimento Brasil Livre também se revolta com o fim das doações privadas
O “puxa-saquismo” de O Globo ao MP da Lava-Jato
STF proíbe doações de empresas para campanhas eleitorais
Fraudes: Reforma política de Eduardo Cunha oficializa doação oculta de empresas a políticos
OAB diz que constitucionalidade das doações privadas de campanha não se sustenta
Gilmar Mendes, uma lebre no TSE e uma tartaruga no STF
Em peso, PSDB votou contra fim de doações privadas
OAB estuda medida para obrigar STF a decidir sobre financiamento eleitoral
Portas abertas para a corrupção: Câmara aprova em 2º turno o financiamento privado de campanha
74% dos brasileiros são contra financiamento empresarial de campanhas
Financiamento público de campanha: #PanelaçoGilmarDevolva
Financiamento público: Deputados são office-boys de empresas na hora de apresentar emenda parlamentar
Financiamento privado: Um caso claro de violação da Constituição
Shopping do Eduardo Cunha: Saiba o nome dos deputados que foram comprados para aprovar financiamento empresarial
Golpe: Eduardo Cunha consegue a aprovação do financiamento privado
Financiamento de campanha e distritão: Numa só noite, Eduardo Cunha teve duas derrotas
A democracia, o financiamento empresarial e a corrupção
Financiamento público de campanha: #PanelaçoGilmarDevolva
Operação Lava-Jato confirma que financiamento privado nas eleições faz mal à democracia
Miguel Rossetto: “Financiamento empresarial corrói a transparência dos partidos.”
“O financiamento privado de campanha nada mais é que um empréstimo, pago depois com dinheiro público.”
Operação Lava-Jato confirma que financiamento privado nas eleições faz mal à democracia
Gilmar Mendes justifica por que engavetou ação do financiamento de campanha
As agências de publicidade e o modelo de financiamento à informação

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: