Estratificação social e base tributária: Quem paga mais imposto?

Cifrao06No Brasil, aqueles que detêm 22,7% de toda a riqueza só pagam 6,51% de imposto de renda, e se aproveitam da ignorância econômica da população.

Fernando Nogueira da Costa, lido na Carta Maior em 9/10/2015

Estratificação, em Sociologia, é o processo de diferenciação das diversas camadas sociais que compõem uma sociedade, agrupadas a partir de suas relações e dos valores culturais, o que vem a constituir sua separação em classes, estados ou castas. É também a operação que, em uma sondagem estatística, consiste em distribuir previamente por estratos determinado conjunto que se quer estudar.

Tenho achado o conceito de castas mais útil para entender a estratificação social brasileira. Ele é mais abrangente do que classe, segmentando os vários tipos de grupos funcionais, desde os burocratas e sacerdotes até os capitalistas e trabalhadores. Quem fica de fora? O pária – ele é o indiano não pertencente a qualquer casta, considerado impuro e desprezível pela tradição cultural hinduísta. Casta inclui a perspectiva cultural, além dos interesses econômicos.

As castas constituem-se por membros de diversas redes e instituições de poder, cada uma apresentando sua própria cultura e incentivando determinado estilo de vida. Elas tendem a dar a seus integrantes determinadas atitudes para com a autoridade, a organização e a política. Permitem ilustrar melhor a complexidade social de toda a História da Humanidade do que o simplista modelo dicotômico – tipo “nós” (pobres) contra “eles” (ricos) – do século 19.

Como eu resumo, em números, a estratificação social no Brasil? Em uma população economicamente ativa em torno de 100 milhões de pessoas, 9 milhões aplicam no mercado financeiro e recebem também renda do capital. É o mesmo número de pessoas (8.979.706) que tem formação universitária completa.

Além dessas, 451.209 pessoas têm mestrado e 170.247 têm doutorado. Pelos cálculos da OCDE, um adulto com idade entre 25 e 64 anos que termina o ensino superior, no Brasil, receberá em média 157% mais renda do que quem só terminou o ensino médio. Essa média nos países da OCDE é de 57%.

Nos últimos 13 anos, a taxa de juros média real foi de 6,6% ao ano, cinco vezes maior do que o aumento anual do salário médio real, isto é, da renda do trabalho (1,3% ao ano). Reconhecendo esta dependência de trajetória em relação ao juro real médio de 0,5% ao mês, os profissionais com ensino superior estabelecem sua estratégia de complementar a Previdência Social. Com investimento perseverante de 20% de sua renda mensal, em 360 meses (30 anos) eles já obtêm renda do capital equivalente à renda do trabalho.

Se, a cada dez anos, ele muda de faixa salarial (graduado com R$5 mil, mestre com R$10 mil e doutor com R$15 mil), devido à titulação (mestrado-doutorado) ou à experiência, fazendo aporte inicial com o acumulado na faixa anterior, com mais 18 anos ele terá acumulado o suficiente para poder se aposentar com renda do capital similar à renda de trabalho dessa última faixa salarial.

Essa classe média se distingue da maioria da população brasileira em investimentos financeiros. Em março de 2015, 8.940.787 pessoas (descontando dupla contagem de CPFs) investiam em fundos e títulos e valores mobiliários (ações, títulos públicos e privados). A média de cada qual era de R$79.299,53.

Enquanto isso, eram cerca de 98 milhões de depositantes de poupança com a média individual de R$6.690,33. Deles, 87,4% do total de clientes (cerca de 85 milhões) tinham depósitos em média per capita de apenas R$481,79, ou seja, a grande maioria das cadernetas de poupança tinha apenas uma espécie de saldo de conta corrente. Era forma de evitar o pagamento de tarifas bancárias.

O top dos investidores pessoas físicas era constituído de 57.919 clientes de Private Banking. A média per capita de investimentos financeiros dessa casta era de – pasmem – R$11.507.492,23.

Pelas declarações de Imposto de Renda, os “super-ricos” no Brasil representam só 0,3% do total de contribuintes do IR ou 0,05% da PEA do país. Os 71.440 indivíduos que receberam no mínimo 160 salários mínimos (R$126.080,00) ao mês ou R$1,5 milhão no ano, obtiveram renda anual média, no ano-base de 2013, de R$4,170 milhões.

Sem abater as dívidas, a média per capita de bens e direitos desta faixa mais rica atingiu R$17,7 milhões. Este patrimônio líquido (contendo imóveis registrados em valores históricos) desse reduzido grupo equivale a 22,7% de toda a riqueza em bens e direitos no DIRPF 2014/13.

No entanto, o imposto de renda pago por essa faixa de rendimento acima de 160 salários mínimos equivale apenas a 6,51% de sua renda total. A faixa entre 20 e 40 salários mínimos (com renda anual per capita de R$226.273,37) é a que paga percentual maior: 11,96%.

Quanto à reforma tributária, imposto sobre herança e/ou doação os demais grandes países emergentes do BRIC não cobram, o que incentivará a fuga de capital caso o Brasil eleve suas alíquotas. Imposto sobre grandes fortunas quase nenhum país adota, devido ao mesmo risco de fuga. Porém, isenção sobre lucros e dividendos pagos por Pessoa Jurídica para Pessoa Física, só a Estônia, além do Brasil, concede! Cerca de 51 mil daqueles 71 mil “super-ricos” recebem essa isenção. Esta casta de comerciantes-financistas deveria dar sua contribuição ao ajuste fiscal.

O fim dessa isenção evitaria a ressurreição da CPMF. Esta, de fato, representa aumento da carga tributária. Mas, devido a seus poucos defeitos – cumulatividade e regressividade – as castas dos sábios e comerciantes-financistas usam a ignorância econômica das outras castas como massa de manobra, escondendo as maiores virtudes desse “imposto do cheque”: fácil arrecadação e difícil sonegação; tributar o setor informal; combater a sonegação de outros impostos pelo cruzamento de dados de movimentações financeiras; permitir a arrecadação independentemente de ciclo econômico.

Com alíquota de 0,38%, as receitas com a CPMF, antes de 2007, eram praticamente constantes, em torno de 1,3% do PIB ao ano. Esse montante arrecadado hoje seria o suficiente para o cobrir o déficit orçamentário.

Fernando Nogueira da Costa é professor livre-docente do IE-Unicamp, autor do livro Brasil dos bancos (Edusp, 2012) e ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal (2003-2007).

Leia também:
PF deflagra nova fase da Operação Zelotes
Por que a Operação Zelotes não tem o mesmo tratamento da Lava-Jato?
Guilherme Boulos: Saiba quem paga a conta no Brasil
Taxação dos lucros dos acionistas em 15% cobriria rombo no orçamento
Os “revoltados” da sonegação: R$150 bilhões em um só ano
6 ideias para que os super-ricos paguem a conta
Flávio Dino: Imposto sobre grandes fortunas renderia R$14 bilhões aos cofres públicos
É hora de retirar as isenções que FHC deu aos ricos
Com pacote fiscal, há chance de Dilma voltar ao jogo
Os ajustes fiscais e quanto você pagará de CPMF
Emir Sader: Quem tem medo da CPMF?
União Europeia projeta imposto sobre operações financeiras, tipo CPMF
Suiçalão: Prestes a ser pego, ocultador de capital no exterior pediu anistia
Sonegação bilionária: Ministro do TCU, Augusto Nardes, foi pego na Operação Zelotes
Receita Federal inicia operação de cobrança de R$20,6 bi devido por grandes contribuintes
Por não ter nenhum petista, a “grande mídia” esconde Operação Zelotes
Conheça os super-ricos e saiba como você financia a fortuna deles
Sonegadores fiscais: Distraído, Ronaldo Caiado diz a quem representa
CPI do HSBC ouve delator do caso SwissLeaks e propõe prorrogar trabalhos
“Imposto sobre grandes fortunas renderia R$100 bilhões por ano.”
Pesquisa indica que patrimônio dos ricos tem crescido mais que o PIB
R$200 bilhões: Fortuna de ricos brasileiros é protegida do IR da pessoa física
Países ricos bloqueiam, de novo, luta contra evasão fiscal
HSBC, o paraíso da fraude
CPI do HSBC decide blindar empresários que mantêm recursos não declarados no exterior
Leandro Fortes: McDia sonega Esperança
Comparando as crises de 1998 e 2015
Para a “grande mídia”, crime de sonegação não é notícia
Os documentos da sonegação da Globo
Lula mostrou o Darf. Quem falta mostrar?
Fiscos investigam 50 escolas de São Paulo por sonegação de impostos
Como o HSBC “ajudou” milionários a sonegar impostos
HSBC anuncia que pretende encerrar atividades de sua lavanderia no Brasil e na Turquia
Sonegadores protegem sonegadores: Como a mídia enterrou o caso Swissleaks
Por que não taxar os ricos? Ora, porque isso é “proibido”
Empresários que apoiaram o golpe de 64 construíram grandes fortunas
Imposto sobre grandes fortunas tem apoio de 59,8% dos deputados
Corrupção é escândalo, sonegação é detalhe
Sonegação dos ricos rouba R$200 bilhões em cinco meses
Leão vai pra cima dos sonegadores do futebol
Sonegação no país alcança a marca de R$415 bilhões no ano
Sonegação de imposto em São Paulo chega a R$132 bilhões por ano
Ricos brasileiros têm 4ª maior fortuna do mundo em paraísos fiscais
Saiba como os ricos evitam impostos
Empresários brasileiros sonegam 10% do PIB
Sonegação no Brasil é 20 vezes maior que gasto com Bolsa Família
Paul Krugman e Banco Mundial avaliam o Brasil apesar da sonegação
No Brasil, rico é menos taxado do que na maioria do G20
Cadê os indignados?: Sonegação de impostos no Brasil supera orçamentos de Educação e Saúde
Edir Macedo é o pastor mais rico do Brasil com uma fortuna de US$950 milhões
Álvaro Dias, o Tio Patinhas do Paraná, há anos omite sua fortuna
Os 400 mais ricos do mundo aumentaram fortuna em US$92 bilhões em 2014
Forbes: A famiglia Marinho tem fortuna de R$52 bilhões
Governo responde editorial do Financial Times sobre economia brasileira
Luciano Martins Costa: O inexorável peso dos fatos
Desigualdade social: 124 pessoas concentram 12,3% do PIB brasileiro
Sonegação dos ricos é 25 vezes maior que corrupção nos países em desenvolvimento
Sonegômetro vai calcular quanto o país deixa de arrecadar com sonegação de impostos
O PIG se cala: A importância didática do sonegômetro
Ali Kamel processa blogueiro que denunciou sonegação de impostos da Globo
Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos
Rede Globo sonega milhões de reais em impostos
Áecio Neves é denunciado por ocultar patrimônio e sonegar imposto
Rede Globo sonega milhões de reais em impostos
Mexeu com o Itaú, mexeu com a Marina: Banco é autuado por sonegar R$18,7 milhões
Áecio Neves é denunciado por ocultar patrimônio e sonegar imposto
O caso de sonegação da Globo e o escândalo HSBC
PF confirma abertura de inquérito contra sonegação da Globo
Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos
Rede Globo tem os bens bloqueados pela Justiça
Ex-funcionária da Receita que sumiu com processos contra TV Globo é condenada à prisão
Tributação dos ricos: O debate interditado
De onde surgiu a fortuna do ministro Toffoli do STF?
PF desmonta mais um esquemão gigante de sonegação
Governo federal aumenta taxação sobre lucro de instituições financeiras
Manipulação da cotação do real pode deixar Lava-Jato “no chinelo”. E o BC, vai agir?
Cotação do real sofreu manipulação em esquema internacional
O homem que “inventou” a atual instabilidade econômica
Operação Zelotes: O abafa começou. Como evitar?
Suiçalão: A mídia golpista está envolvida até o pescoço
Suiçalão: Revelações sobre um sistema de fraude fiscal internacional
Pela intervenção do Banco Central no HSBC Brasil
Paulo Pimenta: “Caso HSBC pode ser maior esquema já detectado de corrupção do mundo.”
Informante do caso HSBC diz que ainda há “um milhão” de dados por vir
SwissLeaks o caramba! O nome do negócio é Suiçalão do HSBC
Suiçalão: Jornal cede a pressões, abafa as denúncias e colunista pede demissão
Paraná: Suiçalão desvenda transação nebulosa entre Bamerindus e HSBC no governo do PSDB
HSBC e Beto Richa: Mídia esconde o que não lhe interessa
Suiçalão: Aécio lidera doações de donos de contas secretas do HSBC
Petrobras e HSBC: Não precisam explicar, só queremos entender
Bancos pagam menos impostos que os assalariados
Suiçalão: Quem são os brasileiros com contas secretas no HSBC?
Quem nos governa?
Suiçalão: Governo federal vai pedir lista de brasileiros com conta no HSBC da Suíça
Suiçalão: Cinco perguntas para o HSBC, um banco fora de controle
Suiçalão: Amaury Jr., autor de A Privataria Tucana, deixa o ICIJ devido à cobertura tendenciosa das contas do HSBC
HSBC pagará quase US$2 bilhões aos EUA por lavagem de dinheiro
O relatório do Senado norte-americano sobre o Suiçalão
Paraísos fiscais, o preço que as democracias pagam
Por que 8 mil contas de brasileiros em paraíso fiscal não são notícia no JN?
Itaú e Bradesco deixam de pagar R$200 milhões em impostos com operações em paraíso fiscal
Trensalão: Executivo da Siemens foi instruído a destruir papéis de conta em paraíso fiscal
Sonegação: Ricos brasileiros têm a 4ª maior fortuna do mundo em paraísos fiscais
Império britânico comanda offshores e paraísos fiscais do planeta
Muito mais que bucólicos são os paraísos fiscais
Repórteres de todo o mundo se juntam para expor contas secretas dos paraísos fiscais
Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou Globo 776 vezes em dois anos
Chipre: Um paraíso fiscal que virou pesadelo para toda Europa
O caso de sonegação da Globo e o escândalo HSBC
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 1ª parte: “Injusto é pagar imposto no Brasil.”
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 2ª parte: Como o processo sumiu da Receita e sobreviveu no submundo do crime
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 3ª parte: A história da funcionária da Receita que sumiu com o processo
Vídeo: O documentário sobre o escândalo de sonegação da Globo
Vazou tudo: Sonegação da Rede Globo está na web
A sonegação da Globo, o Ministério Público e a PEC 37
Em 2014, sonegação deve atingir R$500 bilhões no Brasil
Sonegação no Brasil supera orçamentos da Educação e Saúde
Sonegação dos ricos é 25 vezes maior que a corrupção nos países em desenvolvimento
Sonegação de impostos em São Paulo chega a R$132 bilhões por ano
Bastou Zelotes chegar para a zelite achar ideias de Moro “perigosas”
Evasão fiscal anual no Brasil “equivale a 18 copas do mundo”
Operação Zelotes envolve bancos, grandes empresas e afiliada da Globo
Operação Zelotes: Procurador diz que Justiça dificulta investigações
O plano terrorista de Aécio e Armínio
Abaixo intermediários: Armínio “Gordon” Fraga para presidente
Como Armínio Fraga acabou com a economia brasileira em 2002
Cynara Menezes: 10 perguntas que queria fazer para Armínio Fraga, mas ele não quis responder
Armínio Fraga, o guru de Aécio, quer acabar com o BNDES, CEF e Banco do Brasil
Os bons tempos de Armínio Fraga, o “futuro” ministro de Aécio
Um escândalo chamado Armínio Fraga
Operação Zelotes envolve bancos, grandes empresas e afiliada da Globo
Operação Zelotes: Procurador diz que Justiça dificulta investigações
Folha de S.Paulo ataca quem investiga a Operação Zelotes
Réus graúdos levam Zelotes para longe dos holofotes
Não precisa desenhar: Divisão dos impostos entre os governos federal e estadual

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: